O mito da biografia ou sobre a impossibilidade da teologia política

Emanuele Coccia

Resumo


O ensaio parte de uma análise de uma carta de Sigmund Freud a ArnoldZweig, na qual Freud afirma que toda biografia é uma forma de mentirae de hipocrisia. Numa tentativa de reconstruir uma história da pesquisaerudita e filológica sobre o gênero biográfico, o autor mostra que a filologiasempre subestimou uma fonte fundamental para conhecer a história da biografia:os evangelhos. Depois de brindar provas retóricas, filológicas, históricase teológicas da necessidade desta opção retórica da teologia cristã, o autorpropõe o problema das consequências do fato de que nas bases da civilizaçãoocidental não se encontra qualquer poema mitológico sobre as gestas dosdeuses, nem uma obra épica e tampouco existem códigos propriamente jurídicos,senão quatro breves escritos biográficos. Ao final se mostra quais sãoas consequências destrutivas deste fato para toda forma de teologia política.


Palavras-chave


Biografia; Teologia política; Cristianismo; Sigmund Freud; Psicanálise

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2176-8552.2012n14p7



outra travessia, eISSN 2176-8552, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

CC-by-NC icon
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.