Poema-partitura e poéticas vocais

Autores

  • Annita Costa Malufe USP
  • Silvio Ferraz Unicamp

DOI:

https://doi.org/10.5007/2176-8552.2013n15p113

Palavras-chave:

Poesia, Performance, Partitura, Voz

Resumo

Desde o poema-partitura Un coup de dés (Mallarmé), caminhos da poesia parecem sugerir uma leitura que reabilitaria o potencial sonoro da palavra. Uma aproximação entre poesia e música, ou um caminho para a emergência de uma musicalidade da fala na escrita. Há uma performance que se põe em jogo na leitura, da qual o próprio sentido do poema passa a depender. Haveria aí um tipo especial de “poéticas vocais”, empenhadas no fluxo da palavra falada, buscando tornar palpável e sensível, mesmo na leitura silenciosa de cada leitor, a presença da voz que fala, grita, murmura, gagueja ou balbucia. Tal expressão teria como principais porta-vozes Samuel Beckett, Ghérasim Luca e, mais recentemente, Christophe Tarkos. O artigo apresenta essas poéticas vocais, explorando os potenciais de contágio na poesia escrita pela vocalidade da leitura em simpatia com percurso semelhante dado na música do século XX: da nota musical abstrata à imersão na concretude do som.

Biografia do Autor

Annita Costa Malufe, USP

Pós-doutoranda no Depto. de Teoria Literária

Silvio Ferraz, Unicamp

Professor livre-docente do Departamento de Música, Instituto de Artes

Downloads

Publicado

2013-10-03

Edição

Seção

A Voz, o outro