Esperpento de Los cuernos de don Friolera, de Ramón del Valle-Inclán: fantochada trágica ou tragédia grotesca

Autores

  • Joyce Rodrigues Ferraz Infante UFSC

DOI:

https://doi.org/10.5007/2176-8552.2013n16p143

Palavras-chave:

esperpento, teatro moderno, literatura espanhola

Resumo

O dramaturgo espanhol, Ramón del Valle-Inclán, insatisfeito com o ambiente teatral burguês de seu entorno e época, do qual se havia afastado em 1913, concebeu nos anos de 1920 um “novo gênero” dramático-literário que ele próprio nomeou de “Esperpento”. Quatro obras do autor pertencem a essa modalidade: Luces de bohemia (1920), Los cuernos de don Friolera (1921), Las galas del difunto (1926) e La hija del capitán (1927). Para além da sátira social e política e da paródia dramática, o esperpento consiste numa forma teatral ou categoria estética que expressa uma visão da condição humana. O objetivo deste artigo é realizar uma análise de Los cuernos de don Friolera que evidencie as características desse esperpento como teoria, elaboração estética e visão de mundo.

Biografia do Autor

Joyce Rodrigues Ferraz Infante, UFSC

Letras; Língua espanhola e suas literaturas

Downloads

Publicado

2014-07-11

Edição

Seção

Artigos