A cidade como escritura e a paixão da memória

Ricardo Forster

Resumo


Vinte e dois anos atrás, Ricardo Forster nos entregava este manuscrito para um volume que não conseguiria vir a público. Nele se concentrava numa leitura, absolutamente ensaística, do comum anacronismo de Benjamin e Borges, que converteria ambos os escritores em agudos críticos da lógica do progresso e da modernização.

 


Palavras-chave


Walter Benjamin; Jorge Luis Borges; Crítica do progresso; Modernidade

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2176-8552.2014n17p13



outra travessia, eISSN 2176-8552, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

CC-by-NC icon
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.