O ensaio pós-literário

Autores

  • Raul Antelo UFSC

DOI:

https://doi.org/10.5007/2176-8552.2014n17p81

Palavras-chave:

Ensaio, Literatura latino-americana, Soberania, Comunidade, Potência

Resumo

Este trabalho explora os sentidos do ensaístico em relação com os problemas contemporâneos da voz, do denominado “fim da história”, do saber arqueológico e, portanto, da soberania. Também evidencia o atrelamento inevitável de toda sigética (o abismo como fundamento) à metafísica (o absoluto como fundamento) para, por um deslizamento entre sage e saggistica, mostrar a maneira em que é na sabedoria do ensaio onde satisfação e insatisfação se tornam, enfim, sensíveis. Através de uma arqueologia do saber ensaístico, particularmente na sua fase moderna, o trabalho evidencia a maneira em que esse saber se situa na indecidibilidade –entre signo e discurso, entre completude e fragmento, ou entre o semiótico e o semântico; entre a realização e a tentativa, ou entre afirmação e negação, ou entre a identidade e a sua procura, ou entre ser e não ser–, fazendo com que o seu acontecimento seja uma forma singular de cura sui, um extremo de potência para além do mero fato literário cronologicamente ordenado e hierarquizado. Finalmente, se pensam os avatares de um ensaio latino-americano que encontra a possibilidade de escrever uma experiência íntima sem limites, a sutil comunidade dos que carecem de algo em comum.

Biografia do Autor

Raul Antelo, UFSC

DLLV- Teoria literária

Downloads