Algumas interferências numa conversa com Blanchot

Autores

  • Cid Ottoni Bylaardt PPGLetras-UFC
  • Saulo Araujo Lemos FECLI-UECE

DOI:

https://doi.org/10.5007/2176-8552.2015n18p127

Palavras-chave:

Maurice Blanchot, crítica literária, filosofia, interferência

Resumo

A obra do autor francês Maurice Blanchot (1907-2003) é, como se sabe, vasta e oscila entre classificações diversas: crítica, prosa literária, filosofia. A partir da extensa coletânea ensaística L’entretien infini (“A entrevista infinita” ou “A conversa infinita”), será discutido o conceito de interferência na obra blanchotiana como o modo de conexão entre os gêneros discursivos mencionados acima e como modo de relação da literatura consigo mesma a partir da distância de si que a constitui. Esse propósito será efetivado pela leitura e discussão de passagens da longa seção de L’entretien infini intitulada “La parole plurielle” (“a fala plural”), composta de vários capítulos que associam o ensaio expositivo ao diálogo filosófico e em que conceitos diversos, mas próximos, interferem-se mutuamente (“fora”, “neutro”, desconhecido”, “o impossível” “interrupção” etc.). Tal investigação oferece uma leitura possível a respeito da obra de Blanchot, obra que, em lugar de ser vitimada pelo impasse hermenêutico que acomete grande parte da crítica literária ocidental frente à obra literária, dirige-se resolutamente a esse impasse como acionamento de sua abertura crítica ao possível e ao impossível que a linguagem produz e abriga.

Downloads

Publicado

2014-06-17

Edição

Seção

Blanchot a Blanchot