Da tela à vitrine – reincidências no romance brasileiro contemporâneo

Renata Farias de Felippe, Anselmo Peres Alós

Resumo


A partir do conceito de prosa de vitrine – utilizado por Flora Süssekind para definir a literatura recente voltada para o registro ao avesso da espetacularização da sociedade – e do romance O dia Mastroianni (2007), de João Paulo Cuenca, este trabalho pretende delinear as peculiaridades de um “modo de ler” contemporâneo, que associa o sentido e as imagens literárias aos referenciais oriundos de diferentes linguagens. Sensível às especificidades desse modo de ler, a literatura de vitrine parece assegurar o seu espaço e contribuir para a permanência do literário (a despeito das muitas formas de fabulação), estratégia que revela uma espécie peculiar de engajamento.


Palavras-chave


prosa de vitrine; romance brasileiro contemporâneo; engajamentos

Texto completo:

PDF/A PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2176-8552.2015n20p11



outra travessia, eISSN 2176-8552, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

CC-by-NC icon
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.