Ao rés do chão — Figuras da prosa nas poéticas de Fernando Assis Pacheco e Manuel de Freitas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2176-8552.2018n25p45

Palavras-chave:

Poesia contemporânea, Prosaísmo, Fernando Assis Pacheco, Manuel de Freitas

Resumo

Este artigo busca pensar as configurações da ideia de prosa no âmbito temático (presença do quotidiano e de elementos banais) e formal (linguagem simples, prosaica e narrativa, com termos e expressões do dia a dia) na obra poética de Fernando Assis Pacheco (1937-1995) e Manuel de Freitas (1972 — ). Atentando-nos especialmente para como cada um expressa sua relação com a poesia e seu entendimento dela por meio do discurso poético e, no caso de Manuel de Freitas, também do crítico, intenta-se salientar como essas obras, ainda que distantes temporalmente — já que Freitas só começa a publicar nos anos 2000 —, compartilham uma noção não-aurática de poesia, por vezes escrevendo, como diria outro poeta, “ao nível das priscas/dos outros”  e declarando categoricamente para que “Peçam a grandiloquência a outros/ acho-a pulha no estado actual da economia”  ou, ainda, que “Onde se lê poesia deve ler-se nada” , declarando a impotência do próprio gesto de escrita poética. 

Biografia do Autor

Tamy de Macedo Pimenta, Universidade Federal Fluminense

Doutoranda em Literatura Comparada pela Universidade Federal Fluminense.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Ideia da prosa. Trad. João Barrento. Lisboa: Cotovia, 1999.

ALFÉRI, Pierre. Rumo à prosa. Trad. Masé Lemos e Paula Glenadel. Alea – Estudos Neolatinos. v. 15, n. 2, jul. / dez. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/alea/v15n2/11.pdf. Acesso em: 27 julho 2018.

ALVES, Ida. Quando o poeta vai à guerra: paisagens de morte e ainda amor. In: CAVALCANTI PADILHA, Laura; SILVA, Renata Flavia da. De guerras e violências: palavra, corpo, imagem. Niterói: Editora da UFF, 2011, p. 95-103.

BERARDINELLI, Alfonso. Da poesia à prosa. Trad. Maria Betania Amoroso. Rio de Janeiro: Cosac Naify, 2007.

CESARINY, Mário. Manual de prestidigitação. Lisboa: Assírio & Alvim, 2008.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Kafka: por uma literatura menor. Trad. Cíntia Vieira da Silva. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2014.

FREITAS, Manuel de. O tempo dos puetas. In: Poetas sem Qualidades. Lisboa: Averno, 2002.

FREITAS, Manuel de. [Sic]. Lisboa: Assírio & Alvim, 2002.

FREITAS, Manuel de. Cretcheu Futebol Clube. Lisboa: Assírio & Alvim, 2006.

FREITAS, Manuel de. Terra Sem Coroa. Vila Real: Teatro da Vila Real, 2007.

FREITAS, Manuel de. Estádio. Lisboa: Edição de autor, 2008.

FREITAS, Manuel de. Jukebox 3. Vila Real: Teatro de Vila Real, 2012.

FREITAS, Manuel de. Incipit. Lisboa: Averno, 2015.

GANCHO, António. O ar da manhã. Lisboa: Assírio & Alvim, 1995.

MAFFEI, Luis. Este cantar dos anos de pobreza. In: I Colóquio Internacional de Poesia Portuguesa Moderna e Contemporânea, UFMG, 2016.

MAGALHÃES, Joaquim Manuel. Dois Crepúsculos: sobre poesia portuguesa actual e outras crónicas. Lisboa: A Regra do Jogo, 1981.

PACHECO, Fernando Assis. A musa irregular. Lisboa: Assírio & Alvim, 2006.

PACHECO, Fernando Assis. Respiração Assistida. Lisboa: Assírio & Alvim, 2003.

SISCAR, Marcos. Figuras de prosa: a ideia da “prosa” como questão de poesia. In: SCRAMIM, Susana; SISCAR, Marcos; PUCHEU, Alberto (Orgs). O duplo estado da poesia: modernidade e contemporaneidade. São Paulo: Iluminuras, 2015, p. 29-40.

Downloads

Publicado

2018-06-29