O espaço liso e o diagrama aberto: A topologia poética de André Vallias

Autores

  • Yuri Kulisky Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.5007/2176-8552.2018n25p71

Palavras-chave:

Poesia Contemporânea, Poesia Digital, André Vallias, Semiótica, Diagrama aberto

Resumo

Segundo Roman Jakobson, a poesia estabelece sua qualidade diferencial por estar dotada de uma configuração (patterning) verbal subliminar – uma tessitura paralelística que ocasiona a justaposição de “figuras de gramática” e “figuras de som”. Esta padronagem verbal daria uma espécie de "esqueleto abstrato" ao corpo do poema. Quando, na semiose, a metalinguagem implica-se como material integrante do signo, o ato criativo acaba por se confundir com ela – os paralelismos entre linguagem e metalinguagem passam a gerar figuras de figuras, o "esqueleto" vira do avesso e faz proliferar imagens ou diagramas de similaridade. Movimentos desta magnitude costumam originar saltos criativos; é a partir de um destes saltos que André Vallias inaugura um novo espaço de imaginação poética. Na seqüência de poemas desta fase (em especial Nous n’avons pas compris Descartes e de verso), o universo intervalado da textura alfabética e das distribuições rítmicas ganha um ponto de contato com o universo contínuo das imagens: diagramas rítmicos, representantes in abstracto das oscilações de intensidade entre as sílabas, tornam-se eles mesmos poemas. É tal captura crítica que, a partir dos conceitos de "espaço liso" e "diagrama aberto", intentamos analisar, pensando em como Vallias transforma a imaginação fonética da página numa imaginação topológica

Biografia do Autor

Yuri Kulisky, Universidade Federal do Paraná

Professor do Centro de Línguas e Interculturalidade da UFPR (Celin). Mestrando em Letras na UFPR.

Referências

AZEREDO CAMPOS, Roland de. Sobre “Nous n’avons pas compris Descartes”. Disponível em: http://www.andrevallias.com/textos/txt01.htm. Acesso em: 9. nov 2017.

BENSE, Max. Pequena Estética. 2. ed. Tradução de Haroldo de Campos. São Paulo: Perspectiva, 1975.

BOULEZ, Pierre. A música hoje. 3. ed. Tradução de Reginaldo de Carvalho e Mary Amazonas Leite de Barros. São Paulo: Perspectiva, 2016.

BOULEZ, Pierre. Inteligência Brasileira. Tradução de Tércio Redondo. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs. v. 5, 2. ed. Tradução de Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão. São Paulo: Editora 34, 2012.

FLUSSER, Vilém. A escrita. Tradução de Murilo Jardelino da Costa. São Paulo: Anna Blume, 2010.

FLUSSER, Vilém. Filosofia da caixa preta: ensaios para uma futura filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

JAKOBSON, Roman. Linguística. Poética. Cinema. Tradução de Tradução Haroldo de Campos. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2004.

JAKOBSON, Roman. Poética em ação. Tradução de João Alexandre Barbosa. São Paulo: Perspectiva, 1990.

PEIRCE, Charles Sanders. Semiótica. Tradução de Jose Teixeira Coelho Neto. São Paulo: Perspectiva, 2010.

PIGNATARI, Décio. O que é comunicação poética. 10. ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2011.

PIGNATARI, Décio. Semiótica da arte e da arquitetura. 4. ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009.

PIGNATARI, Décio. Semiótica & Literatura. São Paulo: Ateliê Editorial, 2004.

VALÉRY, Paul. Introdução ao método de Leonardo da Vinci. Tradução de Geraldo Gerson de Souza. São Paulo: Editora 34, 1998.

VALÉRY, Paul. Variedades. Tradução de Maiza Martins de Siqueira. São Paulo: Iluminuras, 2007.

VALLIAS, André. De verso. Disponível em: http://www.andrevallias.com/deverso/deverso.htm. Acesso em: 9 nov. 2017.

VALLIAS, André. Nous n’avons pas compris Descartes. Disponível em: http://www.andrevallias.com/poemas/nous.htm. Acesso em: 9 nov. 2017.

VALLIAS, André. Oratorio. Disponível em: http://www.andrevallias.com/oratorio/. Acesso em: 9 nov. 2017.

VALLIAS, André. Trakltakt. Disponível em: http://www.andrevallias.com/trakltakt/. Acesso em: 9 nov. 2017.

WALTHER-BENSE, Elisabeth. A Teoria geral dos signos. Tradução de Perola de Carvalho. São Paulo: Perspectiva, 2010.

ZDEBIK, Jakub. Deleuze and the diagram: Aesthetic Threads in Visual Organization. London: Continuum, 2012.

Downloads

Publicado

2018-06-29