A casa que levamos em nós: reflexões memorialísticas sobre o romance "minha casa é onde estou" de Igiaba Scego

Autores

  • Silvana Maria Pantoja dos Santos Universidade Estadual do Maranhão - UEMA Universidade Estadual do Piauí - UESPI http://orcid.org/0000-0002-1107-1336
  • Milaynne Christina Barros do Nascimento Universidade Estadual do Piauí - UESPI

DOI:

https://doi.org/10.5007/2176-8552.2018n26p123

Palavras-chave:

Memória, Identidade, Igiaba Scego

Resumo

O presente trabalho pretende analisar a relação entre memória individual e coletiva no romance Minha casa é onde estou (La mia casa è dove sono) de Igiaba Scego. A obra retrata, em oito capítulos, os primeiros vinte anos da vida da narradora. Seis dos capítulos têm nomes de lugares de Roma ligados às suas memórias e que marcam sua relação com a referida cidade, ao mesmo tempo em que misturam as memórias sobre o exílio dos pais na Itália e sobre a própria Somália, terra mãe da sua família. Igiaba Scego escreve para meios de comunicação na Itália e é ativista dos Direitos Humanos, tendo destaque seu envolvimento em questões referentes à causa das pessoas refugiadas. O propósito desse trabalho é também falar sobre essa autora e a respeito de sua obra que oferece importantes contribuições para se pensar os processos memorialísticos de pessoas que passam por vivências marcadas pela ruptura e pela busca de seu lugar no mundo. Para tanto, as principais referências utilizadas para esse trabalho são: Halbwachs (2006) e Hall (2003).

Biografia do Autor

Silvana Maria Pantoja dos Santos, Universidade Estadual do Maranhão - UEMA Universidade Estadual do Piauí - UESPI

Pós-doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Memória: Linguagem e sociedade - UESB. Bolsista CAPES/PROCAD AMAZONAS. Doutora em Letras, Área de Concentração Teoria Literária.  Professora do Mestrado Acadêmico em Letras da Universidade Estadual do Piauí - UESPI e da Universidade Estadual do Maranhão - UEMA. Atua nas linhas de pesquisa Literatura, Memória e Espaço; Literatura, Memória e Cultura

Milaynne Christina Barros do Nascimento, Universidade Estadual do Piauí - UESPI

Mestranda do Programa Mestrado Acadêmico em Letras da Universidade Estadual do Piauí - UESPI. Bolsista FAPEPI

Referências

ALMEIDA, Márcia. “A escritura como espaço de resistência e poder: Autoras com origens em ex-colônias italianas na África”. Anais do XI Seminário Internacional Fazendo gênero: 13th Women’s Worlds. Org. Jair Zandoná, Ana Maria Veiga e Cláudia Niching. Florianópolis: UFSC, 2018. Disponível

ALMEIDA, Márcia. “Igiaba Scego: escritora africana/italiana pós-colonial”. Anais do VII Seminário Internacional e XVI Seminário Nacional Mulher e Literatura / org. André Tessaro Pelinser ... [et al.]. – Caxias do Sul: Educs, 2016. Disponível em Acesso em 10 de dezembro de 2018.

HALL, Stuart. “Quem precisa da identidade?” SILVA, Tomaz Tadeu da.; HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn. (orgs). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 15ª edição. Petrópolis: Vozes, 2014.

HALL, Stuart. Da Diáspora: identidades e mediações culturais. Org. Livi Sovik; Tradução Adelaide La Guardia Resende. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

HALWBACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

LEJEUNE, Phellipe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. Trad. Jovita Maria

Gerheim Noronha, Maria Inês Coimbra Guedes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

NORA, Pierre. “Entre história e memória: a problemática dos lugares”. Revista Projeto História. São Paulo, v. 10, 1993. p. 7-28. Disponível em Acesso em 14 de dezembro de 2018.

SCEGO, Igiaba. Minha casa é onde estou. Tradução Francesca Cricellli. São Paulo: Editora Nós, 2018.

SCEGO, Igiaba. Caminhando contra o vento. Tradução Francesca Cricellli. São Paulo: Editora Nós/Buzz Editora, 2018b.

Downloads

Publicado

2020-09-25

Edição

Seção

Artigos