Júlio Pomar: uma leitura contemplativa do grotesco no neorreal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2176-8552.2019.e72971

Palavras-chave:

Neorrealismo português, Grotesco, Deformação, Moderno, Júlio Pomar

Resumo

Este artigo intenta demonstrar, por intermédio da contemplação de obras do artista visual português Júlio Pomar, em correlação com a crítica artística e literária da época, traços e elementos estéticos capazes de situar sua fase de expressão neorrealista como objeto de cotejo também moderno. Para isso, o presente artigo busca, sobretudo, identificar em pinturas e desenhos do artista características de índole moderna que, conforme Victor Hugo, estariam associadas a uma estética do grotesco ou, como se pretende ampliar, à deformação e ao desagradável. Deformar grotescamente ou optar pelo desagradável ao agradável, nesse caso, é também tomar como vereda estético-histórica a possibilidade de representar no centro da cena, em imagem e memória, heróis menores, subalternos, invisíveis, espoliados ou vencidos, cujas vozes e figuras nos chegam distorcidas ou em ecos a serem desenterrados.

Biografia do Autor

Rafael Reginato Moura, Universidade Federal de Santa Catarina

Bacharel em Letras (UFSC) e em Publicidade e Propaganda (PUCRS), Mestre em Literatura (UFSC) e doutorando em Literatura (UFSC)

Referências

AGAMBEN, Giorgio. “Tempo e História: crítica do instante e do contínuo”. In: AGAMBEN, Giorgio. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005, p. 107-126.

ALVARENGA, Fernando. Afluentes Teórico-Estéticos do Neo-Realismo Visual Português. Porto: Edições Afrontamento, 1989.

BADIOU, Alain. Em busca do real perdido. Trad. Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994.

CANDIDO, Antonio. A educação pela noite & outros ensaios. São Paulo: Ática, 1989.

DALCASTAGNÈ, Regina. “Uma voz ao sol: representação e legitimidade na narrativa brasileira contemporânea”. Revista Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, n. 20, p. 33-77, Universidade de Brasília, 2002.

DELEUZE, Gilles. Cinema 2 – A imagem tempo. Trad. Eloisa Araújo Ribeiro. São Paulo: Editora 34, 2018.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia? Trad. Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

DIDI-HUBERMAN, Georges. “Abertura. A história da arte como disciplina anacrônica”. In: DIDI-HUBERMAN, Georges. Diante do tempo: história da arte e anacronismo das imagens. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2015, p. 15-68.

DIONÍSIO, Mário. “Ficha 5”. Seara Nova, n. 765, p. 131-134, abr. 1942.

DIONÍSIO, Mário. “O Princípio dum Grande Pintor”. Seara Nova, n. 956, p. 232-234, dez. 1945.

DIONÍSIO, Mário. A Paleta e o Mundo. Lisboa: Europa-América, 1956.

FRANÇA, José-Augusto. “O Neo-realismo”. In: FRANÇA, José-Augusto. A Arte em Portugal no Século XX – 1911/1961. Lisboa: Livros Horizonte, 2009, p. 239-255.

HUGO, Victor. Do Grotesco e do Sublime. Tradução e notas de Celia Berretini. São Paulo: Perspectiva, 1988.

LISBOA, Eugénio. Poesia portuguesa: do Orpheu ao neo-realismo. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1980.

LOURENÇO, Eduardo. Mitologia da Saudade: seguido de Portugal como destino. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

POMAR, Alexandre; PLEYNET, Marcelin. “Júlio Pomar. O neo-realismo, e depois”. In: POMAR, Alexandre. Júlio Pomar, Catálogo Raisonné I – Pinturas, Ferros e Assemblages 1942 – 1968. Lisboa: Artemágica, 2004.

POMAR, Júlio. Notas sobre uma Arte Útil – Parte Escrita I. Lisboa: Fundação Júlio Pomar, 2014.

RANCIÈRE, Jacques. Os nomes da história: ensaio de poética do saber. Trad. Eduardo Guimarães, Eni Pulccinelli Orlandi. São Paulo: EDUC/Pontes, 1994.

REDOL, Alves. Gaibéus. Lisboa: Europa-América, 1965.

SACRAMENTO, Mário. Há uma estética neo-realista? Lisboa: Vega, 2008.

SOUSA, José Ernesto de. “Em defesa do Moderno”. Seara Nova, n. 1000-1007, p. 107-109, out. 1946.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Trad. Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

TORRES, Alexandre Pinheiro. “Repensar o Neo-Realismo”. Seara Nova, n. 1575, p. 13-16, jan. 1977.

Downloads

Publicado

2020-12-14