¿Qué es lo que en realidad están haciendo ahí? Um gesto provocativo na obra de Mario Bellatin

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2176-8552.2019.e73061

Palavras-chave:

Mario Bellatin, Acontecimentos de Escritura, mito do escritor, comunidade

Resumo

O presente trabalho se propõe a iniciar uma investigação sobre a presença de um gesto provocativo na obra do escritor mexicano Mario Bellatin. Esta hipótese parte da leitura dos textos Underwoord Portátil, modelo 1915 (2005), Disecado (2011) e Escribir sin escribir (2014). A presença do gesto é buscado inicialmente nos relatos de alguns Acontecimentos de Escritura presentes nos textos selecionados, e está pensado a partir de duas dimensões inter-relacionadas: a) a provocação através da construção de uma figura autoral ambígua; e b) a provocação através de determinados procedimentos de escritura. A discussão nos leva a sugerir que o gesto provocativo bellatiniano atua uma busca pela condição comunitária da escritura.

Biografia do Autor

Pedro Xavier da Cunha, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduado em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Mestrando no Programa de Pós-Graduação de Literatura na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Linha de pesquisa: Teoria da modernidade.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O autor como gesto. Em: Profanações, p.55-63. São Paulo: Boitempo, 2007.

AIRA, César. Nouvelles Impressions du Petit Maroc. Tradução: Jorge Wolff. Edição bilíngue [português/castelhano]. Desterro [Florianópolis]: Cultura e Barbárie, 2011.

AIRA, César. La nueva escritura. Publicado en el Boletín nº8 del Centro de Estudios de Teoría y Crítica Literária (Universidad Nacional de Rosario, Rosario, octubre de 2000, p.165-170). Acessado em 21/08, às 16h50, no endereço www.multiversos.com.ar/teoria-literaria/la-nueva-escritura-cesar-aira.

ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Tradução: Paloma Vidal. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010.

AURÉLIO Buarque de Holanda Ferreira. Dicionário Aurélio Básico da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira S.A., 1988.

AZEVEDO, Luciene Almeida de. Autoficção e literatura contemporânea. Revista Brasileira de Literatura Comparada, n.12, 2008.

BELLATIN, Mario. Obra reunida. Tres Cantos, Madrid: Alfaguara. Santillana Ediciones Generales, 2013.

BELLATIN, Mario. Obra reunida 2. México: Alfaguara. Santillana Ediciones Generales, 2014.

BARTHES, Roland. A morte do Autor. Em: O rumor da língua, p.57-64. Tradução: Mario Laranjeira. 2ª edição. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

CHERRI, Leonel. La repetición como experiencia. Facultad de Humanidades y Ciencias (FHUC) de la Universidad del Litoral (UNL). Apresentado no “IV Congreso Internacional Cuestiones Críticas” em versão adaptada, com o título La imagen del autor en Mario Bellatin y el pequeño dispositivo pedagógico, 2015.

COTE BOTERO, Andrea. Mario Bellatin: El Giro Hacia El Procedimiento y La Literatura Como Proyecto. 2014. Publicly Accessible Penn Dissertations. 1244.

DELEUZE, Gilles. A vida como obra de arte. Em: Conversações (1972-1990), p.122-130. Tradução: Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 2013.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Em: Ditos e Escritos. Vol.III. Estética: literatura e pintura, música e cinema, p.264-298. Organização e seleção de textos: Manoel Barros da Motta. Tradução: Inês Autran Dourado Barbosa. 2ª edição - Rio de Janeiro, Forense Universitária, 2009.

KLINGER, Diana Irene. Escritas de si, escritas do outro: autoficcção e etnografia na narrativa latino-americana contemporânea. Tese de Doutorado em Letras. Literatura Comparada. Rio de Janeiro: UERJ, 2006.

KLINGER, Diana. Escrita de si como performance. Em: Revista Brasileira de Literatura Comparada, nº12, p.11-30, 2008.

LADDAGA, Reinaldo. Espectáculos de realidad. Ensayo sobre la narrativa latinoamericana de las últimas dos décadas. Rosario, Argentina: Beatriz Viterbo, 2007. Acessado em: Revista Comunicação&política, v.24, nº3, p.159-178.

LINK, Daniel. El escritor como “forma-de-vida”. Conferência leída en el marco del I Festival Internacional de Literatura en Tucumán. San Miguel de Tucumán: 11 de julio de 2015. (Versão adaptada em Revista Landa nº0, ano 2012).

NANCY, Jean-Luc. A comunidade inoperada. Tradução: Soraya Guimarães Hoepfner. 1 ed. - Rio de Janeiro: 7Letras, 2016.

OLMOS, Ana Cecília. Transgredir o gênero: políticas da escritura na literatura hispano-americana atual. Revista de estudos de literatura brasileira contemporânea, n.38, jul/dez. 2011, p.11-21.

PROCKNOV, Rafaela Cassia. Uma estética da existência: vida e escritura em Mario Bellatin. Dissertação (mestrado) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Departamento de Letras Modernas. São Paulo, 2013.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. Tradução: Mônica Costa Netto. São Paulo: EXO experimental org.; Editora 34, 2009.

RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento: política e filosofia. Tradução: Ângela Leite. São Paulo: Editoria 34, 1996.

SAER, Juan José. O conceito de ficção. Tradução: Joca Wolff. Em: Revista Sopro, nº15, agosto de 2009.

Downloads

Publicado

2021-02-25