As manifestações de empatia entre humanos e n˜åo-humano em Androides sonham com ovelhas elétricas? (1968) de Philip K. Dick

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2176-8552.2019.e73327

Palavras-chave:

empatia, vida artificial, humanos, Androides

Resumo

Estudos transumanistas e pós-humanistas apresentam o aprimoramento corpo humano como um meio de garantir mais autonomia aos indivíduos, no entanto, quanto mais envolvimento e aprimoramento dos corpos, mais robóticos os humanos passam a ser. Obras distópicas apontam para um fenômeno de distanciamento entre os humanos e exclusão dos mais fracos e/ou diferentes de uma aparência física e comportamento padrão. Em contrapartida, observa-se robôs humanoides com aprimoramento de vida artificial que procura mostrar um comportamento humano em corpos robóticos. Neste trabalho será analisado como a empatia pode ser manifestada em corpos não-humanos a partir do conceito de vida artificial na obra Androides Sonham com Ovelhas Elétricas? (1968), procurando compreender o quanto o conceito de empatia apresentado na narrativa é falho e se manifesta como uma forma de restringir e eliminar a existência de corpos não-humanos. Para tanto, será feito uso de pesquisadores como Hayles (1999), Bedau (2007) e Brand (2013) para discutir aspectos conceituais de transumanismo, pós-humanismo e vida artificial.

Biografia do Autor

Luana de Carvalho Krüger, Universidade Federal de Pelotas

Graduada em Letras Português/Inglês e respectivas literaturas em 2017 pela Universidade Federal de Pelotas. Mestra em Letras – Literatura Comparada pela Universidade Federal de Pelotas. Doutoranda em Letras – Literatura, cultura e tradução pela mesma instituição. E-mail: luana-kruger@hotmail.com.

Eduardo Marks de Marques, Universidade Federal de Pelotas

Professor Associado da Universidade Federal de Pelotas, doutor em Australian Literature and Cultural History - University of Queensland (2007) e pós-doutorado em Estudos Literários, ênfase em Teoria Literária pela Universidade Federal de Minas Gerais (2014). E-mail: eduardo.marks@ufpel.edu.br.

Referências

ASIMOV, Isaac. O Homem Bicentenário. 1. ed. Porto Alegre: L&PM Pocket, 1997, 120p. Tradução: Milton Persson.

ASIMOV, Isaac. Eu, Robô. São Paulo: Editora Aleph, 1° Edição, 2014, 315p. Tradução: Aline Storto Pereira.

BEDAU, Mark A. Artificial Life. In: MATTHEN, Mohan; STEPHENS, Christopher (Ed.). Handbook of The Philosophy of Biology. North-Holland: Elsevier, 2007, p. 586 - 603.

BRAND, Maria. Empathy and Dyspathy between Man, Android and Robot in Do Androids Dream of Electric Sheep? by Philip K. Dick and I, Robot by Isaac Asimov. England: Lund University, 2013, 26p.

DICK, Philip K. Androides sonham com ovelhas elétricas?. 1. ed. São Paulo: Aleph, 2015, 191p. Tradução: Ronaldo Bressane.

HILÁRIO, Leomir Cardoso. Teoria Crítica e Literatura: a distopia como ferramenta de análise radical da modernidade. Anuário de Literatura, Florianópolis, v.18, n.2, p. 201-215, 2013.

HAYLES, N. Katherine. How we became posthuman: virtual bodies in cybernetics, literature, and informatics. Chicago: University of Chicago, 1999, p.222 – 246.

KRÜGER, Luana de Carvalho. O limiar entre o corpo humano e o corpo robótico: transumanismo e pós-humanismo nas obras Deuses de Pedra, de Jeanette Winterson e Androides Sonham com Ovelhas Elétricas?, de Philip K. Dick. 2019, 149f. Dissertação (Mestrado em Letras), Programa de Pós-Graduação em Letras, Centro de Letras e Comunicação, Universidade Federal de Pelotas, 2019.

MARKS DE MARQUES, Eduardo; PEREIRA, Anderson Martins. A justaposição do pós-humano e do transumano no gênero distopia: Uma análise das trilogias Divergente e A 5ª Onda. Ilha do Desterro, Florianópolis, v. 70, p. 119-127, 2017.

MENDES, Cláudio Lúcio. O corpo em Foucault: superfície de disciplinamento e governo. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, EDUFSC, n. 39, p. 167-181, 2006.

MORE, Max. The Philosophy of Transhumanism. In: MORE, Max; VITA-MORE, Natasha (Ed.). The transhumanist reader: classical and contemporary essays on the science, technology, and philosophy of the human future. United Kingdom: Wiley-Blackwell, 2013, p. 03 – 17.

MORE, Max; VITA-MORE, Natasha (Ed.). The transhumanist reader: classical and contemporary essays on the science, technology, and philosophy of the human future. United Kingdom: Wiley-Blackwell, 2013, 460p.

MIRANDA, Allana Dilene de Araujo; MOUSINHO, Luiz Antonio. Blade runners sonham com o espaço? – uma análise intermidiática do espaço. Terra roxa e outras terras – Revista de Estudos Literários, Londrina: Universidade Estadual de Londrina, v.29, p.40-51, 2015.

NETTO, Marcio Lobo; RINALDI, Luciene Cristina Alves. Vida Artificial: conceitos e implicações. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AUTOMAÇÃO INTELIGENTE, 5., Minas Gerais. Anais... Minas Gerais: CEFET, 2011, p.921 – 942.

OLIVEIRA, Fatima Regis. Ficção Científica: uma narrativa da subjetividade homem-máquina. Revista Fluminense, Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense, vol. 9, p. 177 – 198, 2003.

OLIVEIRA, Fátima Regis. Os autômatos da ficção científica: reconfigurações da tecnociência e do imaginário tecnológico. Revista Intexto, Porto Alegre: UFRGS, v. 1, p. 1 - 15, 2006.

ROSENWEIN, Barbara H. Problems and Methods in the History of Emotions. Passions In Context. International Journal for the History and Theory of Emotions, 2010, p.1-32. Disponível em: http://www.passionsincontext.de/index.php?id=557. Acesso em: 06 jun. 2018.

RÜDIGER, Francisco. Cibercultura e Pós-humanismo: Exercícios de arqueologia e criticismo. 1. ed. Porto Alegre: EDIPUC, 2008, 238p.

Downloads

Publicado

2021-02-25