Elida Tessler e 365: equilíbrio frágil de uma espera ou promessa de envios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2176-8552.2019.e73697

Palavras-chave:

Artes Visuais, Literatura, Envio, Tempo, Elida Tessler

Resumo

Neste artigo, propomos um diálogo com a obra da artista Elida Tessler, especificamente seu trabalho 365, para refletir acerca de questões como envio e tempo. Essa instalação – localizada entre literatura e arte visual, palavra e imagem – nasce de um convite feito pela artista a seus interlocutores (conhecidos e desconhecidos) para que escolhessem uma carta entre os autores preferidos e lhe enviasse uma cópia por correio postal. Ela se pôs à espera desses envios durante o período de um ano – 365 dias –, entre 2014 e 2015, para então montar esse trabalho, com todas as cartas dispostas dentro de uma maleta enorme. Compreendemos esse gesto de Tessler, movido por afetos, como uma busca pelo equilíbrio frágil de uma espera, na demora desses envios que são, antes, promessa, contingência. Em seu processo criativo, ela propõe, a si e ao outro, novas temporalidades, escapando da cronologia e se aproximando de um tempo fluído, com suas múltiplas durações. Para aprofundar essa análise, evocamos a teoria de pensadores como Henri Bergson, Jacques Derrida, George Steiner, Giorgio Agamben, e outros.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Bartleby – ou da contingência. Trad. Vinícius Nicastro Honesko. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

BERGSON, Henri. "O pensamento e o movente". Trad. Franklin Leopoldo e Silva. In: Cartas, conferências e outros escritos. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

BERGSON, Henri. Memória e Vida. Trad. Claudia Berliner. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011.

BLANCHOT, Maurice. O livro por vir. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

BRAGA, Rubem. A traição das elegantes. Rio de Janeiro: Record, 1998.

D’AMARAL, Márcio Tavares. "Sobre tempo: considerações intempestivas". In: DOCTORS, Márcio. (Org.). Tempo dos Tempos. Rio de Janeiro: Jorge ZAHAR Editor, 2003.

DELEUZE, Gilles. "O ato de criação". Trad. José Marcos Macedo. In: Folha de São Paulo, Caderno Mais!, 27 de junho de 1999, p. 6.

DELEUZE, Gilles. Bergsonismo. Trad. Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Ed. 34, 1999.

DERRIDA, Jacques. O cartão-postal: de Sócrates a Freud e além. Trad. Simone Perelson e Ana Valéria Lessa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

DERRIDA, Jacques. Morada. Maurice Blanchot. Trad. Silvina Rodrigues Lopes. Lisboa: Edições Vendaval, 2004.

NANCY, Jean-Luc. À escuta. Trad. Fernanda Bernardo. Belo Horizonte: Chão da Feira, 2014.

MELO NETO, João Cabral de. A educação pela pedra. Rio de Janeiro: Editora do Autor, 1965.

PEREIRINHA, Felipe. "Uma leitura da Carta ao pai". In: Revista Cult, 2014, n. 194, p. 50.

STEINER, George. O silêncio dos livros – seguido de Esse Vício Ainda Impune, de Michel Crépu. Trad. Margarida Sérvulo Correia. Lisboa: Gradiva, 2007.

TESSLER, Elida. "Entrevista Capa". In: Revista Museologia & Interdisciplinaridade, v. IV, n. 8, p. 279-286, 2015.

VERAS, Eduardo; MOTTA, Gabriela. Palavra dada, escrita aberta. In: 365 – Elida Tessler [catálogo]. Porto Alegre: Galeria Bolsa de Arte, 2015.

Downloads

Publicado

2021-02-25