“Após a tragédia”: da Antígona ao luto perdido da modernidade, uma questão para a democracia.

Autores

  • Isadora Bonfim Nuto Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.5007/2176-8552.2019.e73744

Palavras-chave:

Tragédia;, Jean-Luc Nancy; , luto; , modernidade;, democracia

Resumo

No texto “Após a tragédia”, Jean-Luc Nancy diz que toda a história do Ocidente é um “após a tragédia” e, para ele, a tragédia é a perda por excelência, cujo retorno ou substituição já não se pode esperar. O autor também faz uma breve referência ao luto: ao tratar dos usos atuais da palavra “tragédia” para se referir à situação específica que sucede uma catástrofe, Nancy afirma que a tragédia evoca para nós uma situação na qual o luto não é possível ou torna-se infinito. Além disso, o autor faz uma conexão entre tragédia e democracia, apontando que não importa que reformas esta tente fazer, ela não se dará enquanto lhe faltar aquela. Nesse sentido, gostaríamos de pensar o luto como uma perda da modernidade, em relação com o qual também está a democracia e suas falhas, de forma que, nos esforços para a recuperação da tragédia, deve-se incluir também um esforço pela retomada do direito ao luto (e, consequentemente, à democracia). Para isso, será levada em consideração a peça Antígona, de Sófocles, a partir da reinvindicação de Antígona pelo sepultamento do irmão, e também a versão de Brecht da mesma peça, em que a suspensão da cena será pensada como a suspensão do luto. Nessa lógica, a filósofa Judith Butler também será evocada, ao afirmar que é o caráter de ser ou não enlutável que confere valor a uma vida, de forma que privar alguém do luto público significa também privá-lo da vida, ao considerá-la de menor valor.

Biografia do Autor

Isadora Bonfim Nuto, Universidade Federal do Rio de Janeiro

mestranda em teoria literária

Referências

BUTLER, Judith. Quadros de Guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

BRECHT, Bertolt. “Antígona”. In: Teatro Completo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993. V. 10.

DERRIDA, Jacques. Da hospitalidade. São Paulo: Escuta, 2003.

EU, Daniel Blake. Direção de Ken Loach. Reino Unido/Bélgica: Why not productions, BBC Films. 2016. 100 min.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Limiar, aura e rememoração. São Paulo: Editora 34, 2014.

GOGOL, Nikolai. O Capote. São Paulo: Editora 34, 3ª ed., 2015.

NANCY, Jean-Luc. “Após a Tragédia”. In: Demanda: literatura e filosofia. Textos escolhidos por Ginette Michaud. Tradução de Joao Camillo Penna, Eclair Almeida Filho, Dirlenvalder Loyolla. Florianópolis: Ed. UFSC; Chapecó: Argos, 2016.

RODRIGUES, Carla. Trabalho de luto. Blog do IMS, 31 de out. 2018. Disponível em: https://blogdoims.com.br/trabalho-de-luto/. Acesso em: 01 maio 2019.

SÓFOCLES. “Antígona”. In: A trilogia tebana. Tradução e introdução de Mário da Gama Kury. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

Downloads

Publicado

2020-12-14