Precarização do emprego em um hospital público do Sergipe: um estudo de caso com profissionais da enfermagem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8077.2018V20nespp117

Palavras-chave:

Precarização do Emprego, Enfermagem, Hospital Público

Resumo

Este trabalho investigou a percepção de precarização do emprego em um hospital público do Estado de Sergipe. O Inventário de Precarização Laboral (IPREL) foi aplicado em 279 profissionais de enfermagem e, após Análise Fatorial por Eixos Principais, rotação Promax, foram extraídos 2 fatores (Higiene Ocupacional e Justiça: α= 0,87; Relações de Trabalho: α= 0,67) que explicam 19,09% da variância dos dados. Trabalhadores de enfermagem pouco vivenciam condições de trabalho adequadas e seguras e percepção de justiça nas relações estabelecidas no trabalho (M = 1,5; DP = 0,52), ainda que acusem razoável ocorrência, por parte da organização empregadora, de práticas de gestão de pessoas voltadas ao reconhecimento profissional, à participação nas tomadas de decisões e à observação das obrigações trabalhistas remuneratórias (M = 2,0; DP = 0,51). Os resultados apontam para um quadro mais crítico referente às condições materiais de trabalho e relações de equidade, sinalizando a necessidade de melhorias corretivas.

Biografia do Autor

Tereza Cecília Costa do Nascimento, Universidade Federal de Sergipe

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (2002), especialização em Gestão do Potencial Humano nas Organizações pela Universidade de Fortaleza (2003) e mestrado em Psicologia Social pela Universidade Federal de Sergipe (2016). No presente atua como Psicóloga Organizacional do Hospital Universitário de Sergipe.

Marley Rosana Melo de Araújo, Universidade Federal de Sergipe

Graduada em Psicologia (1999) e doutora em Teoria e Pesquisa do Comportamento (2006), ambas pela Universidade Federal do Pará. Pós-Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social da Universidade Federal da Paraíba em 2012. Atualmente é Professora Associada II do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Saulo Pereira de Almeida, Centro Universitário AGES - UniAGES

Psicólogo e Mestre em Psicologia Social pela Universidade Federal de Sergipe (2013-2015), especialista em Psicologia, Organizações e Trabalho (UNIT/Instituto Zanelli - Saúde e Produtividade) (2012-2014). Atua como docente na UniAges e consultor financeiro-comportamental na Statum Consultoria.

Referências

ABRAMIDES, M. B. C.; CABRAL, M. S. R. Regime de acumulação flexível e saúde do trabalhador. São Paulo em Perspectiva, v. 17, n. 1, p. 3-10, 2003.

AMABLE, M.; BENACH, J.; GONZÁLEZ, S. La precariedad laboral y su repercusión sobre la salud: conceptos y resultados preliminares de un estudio multimétodos. Archievos de Prevención de Riesgos laborales, v. 4, n. 4, p. 169-184, 2001.

ANTUNES, R. Desenhando a nova morfologia do trabalho no Brasil. Estudos Avançados, v. 28, n. 81, p. 39-53, 2014.

ARAÚJO, M. R. M.; JESUS, R. M.; RODRIGUES, H. S. Concepção e validação do Inventário de Precarização Laboral. Psicologia: Organizações e Trabalho, 2017, no prelo.

BACKES, D. S.; BACKES, M. S.; ERDMANN, A. L.; BÜSCHER, A. O papel profissional do enfermeiro no Sistema Único de Saúde: da saúde comunitária à estratégia de saúde da família. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n. 1, p. 223-230, 2012.

BELANCIERI, M. F.; BELUCI, M. L.; SILVA, D. V. R.; GASPARELO, E. A. A resiliência em trabalhadores da área da enfermagem. Estudos de Psicologia (Campinas), v. 27, n. 2, p. 227-233, 2010.

CADONÁ, M. A.; GÓES, C. H. Juventude e trabalho: emprego e desemprego entre jovens no município de Santa Cruz do Sul (RS). Barbarói, n. 39, p. 36-52, 2013.

DAMÁSIO, B. F. Uso da análise fatorial exploratória em psicologia. Avaliação Psicológica, v. 11, n. 2, p. 213-228, 2012.

CHIAVENATO, I. Gestão de pessoas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

DRUCK, G. Trabalho, precarização e resistências: novos e velhos desafios? Caderno CRH, v. 24, n. spe. 1, p. 37-57, 2011.

ELIAS, M. A.; NAVARRO, V. L. A relação entre o trabalho, a saúde e as condições de vida: negatividade e positividade no trabalho das profissionais de enfermagem de um hospital escola. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 14, n. 4, p. 517-525, 2006.

FILIPPIM, E. S.; GEMELLI, I. M. P. Gestão de pessoas na Administração Pública: o desafio dos municípios. Revista de Administração, Contabilidade e Economia - RACE UNOESC, v. 9, n. 1, p. 153-180, 2010.

FONTANA, R. T.; LAUTERT, L. A situação de trabalho da enfermagem e os riscos ocupacionais na perspectiva da ergologia. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 21, n. 6, p. 1306-1313, 2013.

GEORGE, D.; MALLERY, P. SPSS for Windows step by step: a simple guide and reference. 11.0 update. 4. ed. Boston: Allyn & Bacon, 2003.

HARMAN, H. Modern factor analysis. 2. ed. Chicago: The University of Chicago Press, 1967.

HIRATA, H. A precarização e a divisão internacional e sexual do trabalho. Sociologias, n. 21, p. 24-41, 2009.

HORA, K. P. H. S.; FERREIRA, M. G. L.; SILVA, A. P. F. Elementos desencadeadores do estresse no trabalho do enfermeiro hospitalar: uma revisão integrativa de literatura. Cadernos de Graduação - Ciências Biológicas e da Saúde, v. 1, n. 2, p. 167-180, 2013.

JAHODA, M. Empleo y desempleo: un análisis sociopsicológico. Madrid: Morata, 1982/1987.

LIMA, J. C. A terceirização e os trabalhadores: revisitando algumas questões. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, v. 13, n. 1, p. 17-26, 2010.

LIMA, R. V. M.; PEDRÃO, L. J.; GONÇALVES, J. G.; LUIS, M. A. V. Papéis, conflitos e gratificações do enfermeiro de serviços abertos de assistência psiquiátrica. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 12, n. 2, p. 348-353, 2010.

MACHADO, M. H.; VIEIRA, A. L. S.; OLIVEIRA, E. Construindo o perfil da enfermagem. Enfermagem em foco, v. 3, n. 3, p. 119-122, 2012.

MARQUES, A. P. P. Reestruturação produtiva e recomposições do trabalho e emprego: um périplo pelas "novas" formas de desigualdade social. Ciência e Saúde Coletiva, v. 18, n. 6, p. 1545-1554, 2013.

MENDONÇA, H.; TAMAYO, A. Percepção de justiça e reações retaliatórias nas organizações: análise empírica de um modelo atitudinal. Revista de Administração Contemporânea, v. 8, n. 2, p. 117-135, 2004.

MÉSZÁROS, I. Desemprego e precarização: um grande desafio para a esquerda. In: ANTUNES, R. (Org.). Riqueza e miséria do trabalho no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2006. p. 27-44.

NAVARRO, V. L.; PADILHA, V. Dilemas do trabalho no capitalismo contemporâneo. Psicologia & Sociedade, v. 19, n. spe., p. 14-20, 2007.

PADILHA, V. Qualidade de vida no trabalho num cenário de precarização: a panaceia delirante. Trabalho, Educação e Saúde, v. 7, n. 3, p. 549-563, 2009.

PASQUALI, L. Análise fatorial para pesquisadores. Brasília: LabPAM, 2012.

RAMALHO, J.; SANTANA, M. Trabalhadores, sindicatos e a nova questão social. In: RAMALHO, J.; SANTANA, M. (Orgs.). Além da fábrica: trabalhadores, sindicatos e a nova questão social. São Paulo: Boitempo, 2003. p. 11-43.

RODRIGUES, E. P.; RODRIGUES, U. S.; OLIVEIRA, L. M. M.; LAUDANO, R. C. S.; NASCIMENTO SOBRINHO, C. L. Prevalência de transtornos mentais comuns em trabalhadores de enfermagem em um hospital da Bahia. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 67, n. 2, p. 296-301, 2014.

SCHMIDT, D. R. C.; DANTAS, R. A. S. Qualidade de vida no trabalho de profissionais de enfermagem, atuantes em unidades do bloco cirúrgico, sob a ótica da satisfação. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 14, n. 1, p. 54-60, 2006.

SILVA, N. M.; MUNIZ, H. P. Vivências de trabalhadores em contexto de precarização: um estudo de caso em serviço de emergência de hospital universitário. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 11, n. 3, p. 821-840, 2011.

SKEVINGTON, S.; DAWKES, D. Minorities at work: men in a woman’s world. In: CANTER, D.; JESUÍNO, J.; SOCZKA, L.; STEPHENSON, G (Orgs.). Environmental Social Psychology. Londres: Kluwer Academic Publishers, 1988. p. 272-280.

SOUZA, N. V. D. O.; SANTOS, D. M.; RAMOS, E. L.; ANUNCIAÇÃO, C. T.; THIENGO, P. C. S.; FERNANDES, M. C. Repercussões psicofísicas na saúde dos enfermeiros da adaptação e improvisação de materiais hospitalares. Escola Anna Nery, v. 14, n. 2, p. 236-243, 2010.

WISNIEWSKI, D.; SILVA, E. S.; ÉVORA, Y. D. M.; MATSUDA, L. M. The professional satisfaction of the nursing team vs. work conditions and relations: a relational study. Texto & Contexto-Enfermagem, v. 24, n. 3, p. 850-858, 2015.

Downloads

Publicado

2018-12-15

Edição

Seção

Artigos