Imersão social e processos inovativos: estudo do Polo Calçadista de Nova Serrana – Minas Gerais

Autores

  • Cássio Murilo da Silva Mitre Consultoria Empresarial PPGA - PUCMinas
  • Gláucia Maria Vasconcellos Valle PPGA-PUCMinas
  • Rodrigo Baroni de Carvalho Programa de Pós-Graduação em Administração- Pontifícia Universidade Católica – PUC/MG – Belo Horizonte, MG - Brasil

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8077.2019.e52980

Palavras-chave:

Inovação, Redes sociais, Território produtivo

Resumo

Recorrendo à abordagem das redes sociais, o presente artigo analisa os processos inovativos em dois diferentes tipos de empresas (empresas de alto e baixo desempenho inovativo), localizadas no Território Produtivo de Nova Serrana (MG). Utilizou-se o estudo de casos múltiplos, envolvendo duas empresas de cada categoria. Buscou-se, primeiramente, aferir o nível de inovação em produtos e processos e, em seguida, mapear as redes sociais e empresariais das empresas. Os resultados mostram que as redes das empresas de alto desempenho são mais densas e melhor integradas, apresentando maior frequência de laços fortes, o que faz com que recursos e informações trafegadas sejam de natureza mais refinada, com propagação abrangente e dinâmica. Por outro lado, as redes das empresas de baixo desempenho são mais porosas, caracterizadas por maior presença de atores isolados, ausência de atores centrais, sendo as informações e recursos que fluem em seu interior de natureza mais local. 

Biografia do Autor

Cássio Murilo da Silva, Mitre Consultoria Empresarial PPGA - PUCMinas

Mestre em Administração, PUCMinas

Gláucia Maria Vasconcellos Valle, PPGA-PUCMinas

Pesquisadora Convidada, Université Paris IV (PARIS-SORBONNE, 2010/2011); bolsita CNPQ (edital universal, 2010) e CAPES (bolsa no exterior, 2011), Pós-doutorado em Sociologia Econômica, Université de Paris IV (Sorbonne); Doutora em Administração (UFLA), com mestrado em Economia Internacional (Paris I- Phantéon/Sorbonne); Professora Adjunta do Mestrado e Doutorado/ PUC Minas

Rodrigo Baroni de Carvalho, Programa de Pós-Graduação em Administração- Pontifícia Universidade Católica – PUC/MG – Belo Horizonte, MG - Brasil

Doutor em Ciência da Informação (UFMG / Univ. Toronto - Canadá)

Referências

AHUJA, G. Collaboration networks, structural holes, and innovation: a longitudinal study. Administrative Science Quarterly, v.45, n.3, p. 425-455, 2000.

AMATO NETO, J. Redes de Cooperação Produtiva e Clusters Regionais – Oportunidades para as Pequenas e Médias Empresas. São Paulo: Atlas, 2000.

BALESTRIN, A. & VERSCHOORE, J. Redes de cooperação empresarial: estratégias de gestão na nova economia. Porto Alegre: Bookman, 2008.

BITTENCOURT, B. A.; GALUK, M. B.; DANIEL, V. M.; ZEN, A. C. Cluster Innovation Capability: A Systematic Review. International Journal of Innovation, v. 7, n. 1, p. 26-44, 2019.

BOSCHMA, R. A. Towards an evolutionary perspective on regional resilience. Papers in Evolutionary Economic Geography, V. 9, p. 1-27, 2015.

BRAGA, F. & FAZITO, D. Análise de redes sociais e as conexões territoriais da migração no Brasil. Belo Horizonte: Cedeplar, 2011.

BRITTO, J., STALLIVIERI, F., CAMPOS, R. & VARGAS, M. Padrões de aprendizagem, cooperação e inovação em aglomerações produtivas no Brasil: uma análise multivariada exploratória. Anais do 35º Encontro Nacional de Economia da ANPEC, RJ, 2007.

BURT. S. Structural holes: the social structure of competition. Cambridge: Harvard University Press, 1992.

CANONGIA, C., SANTOS, D. M., SANTOS, M. M. & Z. ACKIEWICZ, M. Foresight, Inteligência competitiva e gestão do conhecimento: instrumentos para a gestão da inovação. Gestão & Produção, v. 11, n.2, p. 231-238, 2004.

CAPIOTO, G. R., BARBOSA, D. H., KURUMOTO, J. S., & COTRIM, S. L. Suppliers’ network analysis under the perspective of structural, relational and cognitive embeddedness: an exploratory study. Production, 29, e20180041, 2019.

CARRETEIRO, R. Inovação tecnológica. Rio de Janeiro: LTC, 2009.

CASTILLA, E. J., HWANG, H., GRANOVETTER, E. & GRANOVETTER, M. Social networks in Silicon Valley. In: C.-M. Lee, W. F. Miller, M. G. Hancock & H. Rowen (Ed.). The Silicon Valley Edge, v.11, p. 218-408. Stanford: Stanford University Press, 2000.

CHESBROUGH, H. W. Open innovation: the new imperative for creating and profiting from technology, Boston: Harvard Business School Press, 2003.

CROCCO, M., SANTOS, F., SIMÕES, R. & HORÁCIO, F. Industrialização descentralizada: sistemas industriais locais: o arranjo produtivo calçadista de Nova Serrana. Parcerias Estratégicas, v. 8, n. 17, p. 55-133, 2001.

DAVILA, T., EPSTEIN, M. & SHELTON, R. As regras da inovação. Porto Alegre: Bookman, 2007.

EISENHARDT, K. M. Building theories from case study research. Academy of Management Review, v. 14, n. 4, p. 532-550, 1989.

EVERETT, M. & BORGATTI, S. UCINET VI. Massachussetts: Analytical Technology, 2000.

FIALHO, J. R. Análise de redes sociais: princípios, linguagem e estratégias de ação na gestão do conhecimento. Perspectivas em Gestão e Conhecimento, v. 4, p. 9-26, 2014.

GEWEHR, A. C. Estratégia de Inovação no 'Cluster' Calçadista do Estado do Rio Grande do Sul . Revista Economia & Gestão, v. 18, n. 51, p. 45-61, 2018.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

GOLLO, S. S. Framework para análise das inovações e das estratégias de cooperação competitiva – coopetição. Anais do 30º Encontro da ANPAD, Salvador, 2006.

GÓMES, D., GONZALEZ-ARANGUENA, E., MANUEL, C., OWEN, G., POZO, M. & TEJADA, J. Centrality and power in social network: a game theoretic approach. Mathematical Social Sciences, v. 46, n. 1, p. 27-54, 2003.

GRANOVETTER, M. The strength of weak ties. The American Journal of Sociology, v. 78, n.6, p. 1360-1380, 1973.

GRANOVETTER, M. Network Sampling: Some First Steps. The American Journal of Sociology, v. 81, n.6, p. 1287-1303, 1973.

GRANOVETTER, M. Economic action and social structure: the problem of embeddedness. The American Journal of Sociology, v. 91, n. 3, p. 481-510, 1985.

GRANOVETTER, M. The Impact of social structure on economic outcomes. Journal of Economics Perspectives, v. 19, n. 1, p. 33-50, 2005.

GRANOVETTER, M. Ação econômica e estrutura social: o problema da imersão. Revista de Administração de Empresas Eletrônica, v. 6, n.1, 2007.

HALINEN, A. &TORNROOS, J.-A. The role of embeddedness in the evolution of business networks. Scandinavian Journal of Management, v.14, n. 3, p. 187-205, 1998.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Produto interno bruto dos municípios: 2004 a 2008. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 26 jan. 2015 de: www.ibge.gov.br/home/estatística/economia/pibmunicipios/2004_2008/, 2010.

LAZEGA, E. & HIGGINS, S. S. Redes sociais e estruturas relacionais. Belo Horizonte: Fino Traço.

LEMIEUX, V. & OUIMET, M. Análise estrutural das redes sociais. Lisboa: Instituto Piaget, 2012.

LEMOS, A. P. Repercussões dos Turnover na Indústria Calçadista de Nova Serrana. Dissertação de Mestrado, Faculdades Integradas de Pedro Leopoldo, MG, Brasil, 2009.

LEONARD-BARTON, D. A dual methodology for case studies. Organization Science, v.1, n. 3, p. 248-266, 1990.

LI, P.-F., BATHELT, H. & WANG, J. Network dynamics and cluster evolution: changing trajectories of the aluminium extrusion industry in Dali, China. Journal of Economic Geography, v. 12, n. 1, p. 127-155, 2011.

LUNDVALL, B. A. & NIELSEN, P. Knowledge management and innovation performance. International Journal of Manpower, v. 28, n. 3/4, p. 207-223, 2007.

MACIEL, C. O. & CASTRO, M. Configurações reticulares e inovação. Revista Brasileira de Estratégia, v. 3, n. 1, p. 71-85, 2010.

MARTES, A. C. B.; BULGACOV, S.; NASCIMENTO, M. R.; GONÇALVES, S. A.; AUGUSTO, P. M. Fórum - Redes Sociais e Interorganizacionais. Revista de Administração Eletrônica, v. 46, n. 3, p. 10-15, 2006.

MARSHALL, A. Princípios de economia: tratado introdutório. São Paulo: Abril, 1982.

MELO FILHO, L. D. R.; GONÇALVES, C. A.; CHENG, L. C.; MUNIZ, R. M. Abordagem Estratégica de Roadmapping na Geração de Diretrizes de Inovação para Firmas de um Conglomerado Industrial. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 14, n. 3, p. 49-74, 2015.

MEYER, C. B. A case in case study methodology. Field Methods, v.13, n.4, 329-352, 2001.

MIZRUCHI, M. S. Análise de redes sociais: avanços recentes e controvérsias atuais. Revista de Administração de Empresas, v. 46, n. 3, 72-86, 2006.

MONDINI, V. E. D.; AMAL, M.; GOMES, G. Influência dos Recursos do Cluster no Desempenho Inovador de Empresas Têxteis. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, v. 13, n. 4, p. 279-293, 2016.

MULLER, E. The efficient governance of clusters: an analysis of different modes of cluster management. Conference School of Economics and Business, Bósnia, 2009.

PELLEGRIN, I., BALESTRO, M. V.; ANTUNES JUNIOR, J. & CAULLIRAUX, H. M. Redes de inovação: construção e gestão da cooperação pró-inovação. Revista de Administração, v. 42, n. 3, p. 313-325, 2007.

POWELL, W. W., KOPUT, K. W. & SMITH-DOERR, L. Interorganizational collaboration and the locus of innovation: networks of learning in biotechnology. Administrative Science Quarterly, v. 41, n. 1, p. 116-145, 1996.

RASERA, M.; BALBINOT, Z. Redes de inovação, inovação em redes e inovação aberta. Análise – Revista Acadêmica da Face, v. 21, n. 2, p. 127-136, 2010.

RESENDE, P. T. V. A viabilidade operacional do cluster calçadista de Nova Serrana. Revista Internacional de Desenvolvimento Local, v. 5, n. 8, p. 45-53, 2004.

ROBERTSON, P. L., CASALI, G. L. & JACOBSON, D. Managing open incremental process innovation. Research Policy, v. 41, n. 5, p. 822-832, 2012.

ROWLEY, T., BEHRENS, D. &KRACKHARDT, D. Redundant governance structures: an analysis of structural and relational embeddedness in the steel and semiconductor industries. Strategic Management Journal, v. 21, n. 3, p. 369-386, 2000.

SACOMANO NETO, M. Morfologia, propriedades e posicionamentos das redes: contribuições às análises das firmas. Anais do 11º SIMPEP, Bauru, SP, 2004.

SACOMANO NETO, M.; TRUZZI, O. M. S. Configurações estruturais e relacionais da rede de fornecedores. Revista de Administração, v. 39, n.3, p. 255-263, 2004.

SANTOS, H. N. Uma experiência em design de produto em uma indústria calçadista de Nova Serrana - MG. Dissertação de Mestrado, Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil, 2009.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril, 1982.

SCHMIDT, V. K.; ZEN, A. C. Desenvolvimento Regional e Resiliência de Cluster: Uma Proposta Teórica . Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 13, n. 1, p. 31-45, 2019.

SUZIGAN, W., FURTADO, J., GARCIA, R. & SAMPAIO, S. E. K. A indústria de calçados de Nova Serrana (MG). Nova Economia, v. 15, n. 3, p. 97-116, 2005.

TEDESCO, J. C. Georg Simmel e as ambiguidades da modernidade. Ciências Sociais, Unisinos, v. 43, n. 1, 56-67, 2007.

TIDD, J., BESSANT, J. & PAVITT, K. Gestão da Inovação. Porto Alegre. Bookman, 2008.

TOMAÉL, M. I. & MARTELETO, R. M. Redes sociais: posições dos atores no fluxo da informação. Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, (n. esp.), p. 75-91, 2006.

TOMAÉL, M. I., ALCARÁ, A. R. & DI CHIARA, I. G. Das redes sociais à inovação. Ciência da Informação, v. 34, n. 2, p. 93-104, 2005.

TURKINA, E.; ASSCHE, A.V. Global connectedness and local innovation in industrial clusters. Journal of International Business Studies, v. 49, p. 706–728, 2018.

VALE, G. M. V. & CASTRO, J. M. Clusters, arranjos produtivos locais, distritos industriais: reflexões sobre aglomerados produtivos. Análise Econômica, v. 28, n. 53, 81-97, 2010.

VALE, G. M. V. Laços como ativos territoriais. Revista de Desenvolvimento Econômico, v. 8, n. 14, p. 34-42, 2006.

VALE, G. M. V. Territórios vitoriosos: o papel das redes organizacionais. Rio de Janeiro: Garamond, 2007.

VASCONCELOS, M. R. & OLIVEIRA, J. L. Imersão social e institucional e capacidades: o setor calçadista de Nova Serrana. RAE, v. 52, n. 5, p. 531-545, 2012.

WASSERMAN, S. & FAUST, K. Social network analysis: methods and applications: structural analysis in the social sciences. Cambridge: Cambridge University Press, 1994.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. São Paulo: Bookman, 2010.

Downloads

Publicado

2019-08-14

Edição

Seção

Artigos