ORIENTAÇÃO EMPREENDEDORA, AUTOEFICÁCIA DOS GESTORES E SATISFAÇÃO COM O DESEMPENHO:UM ESTUDO EM EMPRESAS INCUBADAS

Elen Sauer Camozzato, Suzete Antonieta Lizote, Miguel Angel Verdinelli, Fernanda Kruger Serafim

Resumo


O estudo objetivou avaliar as relações da orientação empreendedora, medida pela assunção de risco e agressividade competitiva, a formação e conhecimento dos colaboradores, e a autoeficácia empreendedora do gestor com a sua satisfação no desempenho das empresas incubadas. Para tal finalidade fez-se uma survey que resultou em 97 instrumentos válidos, provenientes de 11 cidades de Santa Catarina. Usando a análise fatorial se identificou os itens que refletem aqueles construtos e, com o modelo de correlação linear, se confirmou que só a assunção de risco e a autoeficácia possuem vínculo positivo e significante com a satisfação no desempenho. Ao empregar o modelo de regressão, confirmou-se que esses preditores possibilitam estimar o desempenho, sendo a escala total da autoeficácia a que tem maior poder preditivo. Contudo, usando a regressão por passos com as seis subescalas da autoeficácia, somente duas, “definição do principal objetivo do negócio” e “construção de um ambiente de inovação”, foram incluídas e seu potencial preditor foi semelhante ao da escala total.


Palavras-chave


Empresas incubadas; Orientação Empreendedora; Autoeficácia; Desempenho

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8077.2017v19n48p68

Revista de Ciências da Administração, Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Administração, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Para entrar em contato com a equipe editorial da Revista RCA, encaminhe um e-mail para rca.cse@contato.ufsc.br

ISSNe 2175-8077    ISSN 1516-3865

Licença Creative Commons
This obra is licensed under a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.