Afinal, RH para quê? um estudo em economia perférica

Anderson de Souza Sant'Anna, Daniela Martins Diniz, Susan Mara Gaudensi Paiva

Resumo


O propósito deste artigo é apresentar resultados de uma pesquisa direcionada a investigar papeis e competências requeridas a profissionais de Recursos Humanos (RH) na realidade de um país de economia periférica  (o Brasil). Para tal, procedeu-se revisão teórica que explora relações entre estudos nacionais e internacionais sobre a função RH e o construto “competências”. Em termos metodológicos, a pesquisa pode ser caracterizada como um estudo de caso de natureza qualitativa, envolvendo a realização de 32 entrevistas em profundidade com presidentes e diretores de empresas atuantes no Brasil, bem como com especialistas brasileiros na área de gestão de pessoas. Os resultados revelam percepções unânimes quanto à prevalência de modelos de gestão de pessoas centrados na “dimensão operacional”, sinalizando discrepâncias entre o discurso de um “RH Estratégico”


Palavras-chave


RH Estratégico; Papeis e competências; Economias Periféricas.

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Revista de Ciências da Administração, Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Administração, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Para entrar em contato com a equipe editorial da Revista RCA, encaminhe um e-mail para rca.cse@contato.ufsc.br

ISSNe 2175-8077    ISSN 1516-3865

Licença Creative Commons
This obra is licensed under a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.