Interesses respectivos dos acionistas públicos e privados nas sociedades de economia mista no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8077.2020.e61504

Palavras-chave:

sociedades de economia mista, stakeholders, shareholders, administração pública

Resumo

As Sociedades de Economia Mista – SEM – são um tipo específico de empresa cujas ações são negociadas em bolsa, em que o Governo é acionista majoritário e controlador da Organização e acionistas privados participam no capital. Neste artigo, investigam-se os motivos pelos quais tanto Governo quanto acionistas privados optariam por investir nas SEM. Utilizou-se a teoria de stakeholders como base para a elaboração teórica e para a interpretação dos resultados da pesquisa.  Foi realizado estudo de múltiplos casos, de forma qualitativa, transversal e exploratória. Três SEM foram analisadas, nas quais se realizaram 28 entrevistas com administradores e técnicos, além da análise de 107 artigos obtidos em mídia especializada e documentos de publicação obrigatória pelas companhias. Os dados foram compilados e codificados com o software Nvivo. Conclui-se que as motivações para o investimento nas SEM são complexas, transpondo a simples assunção dos objetivos rentista e de execução de políticas públicas.

Referências

Adachi, V., Mandi, C., & Torres, F. (2017, outubro 18). Temor de ingerência política pode provocar desconto no IPO da BR. Disponível em: http://www.valor.com.br/imprimir/noticia_impresso/5159676

Agle, B., Mitchell, R., Sonnenfeld, J. (1999). Who matters to CEO’s? an investigation of stakeholder attributes and salience, corporate performance, and CEO values. Academy of management journal, 42 (5), 507-525.

Banco do Brasil. (2018). Sobre nós. Disponível em: http://www.bb.com.br/pbb/pagina-inicial/sobre-nos/elbb#/

Bansal, P. & Clelland, R. (2004). Talking trash: legitimacy, impression management, and unsystematic risk in the context of the natural environment. Academy of management journal, 47 (1), 93-103.

Berman, S., Wicks, A., Kotha, S. & Jones, T. (1999). Does stakeholder orientation matter? The relationship between stakeholder management models and firm financial performance. Academy of management journal, 42 (5), 488-506.

Bonfim, N. T. (2011). O interesse público nas sociedades de economia mista. Dissertação de Mestrado não-publicada, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Brey, N., Camilo, S., Marcon, R. & Bandeira-de-Mello, R. (2014). Conexões políticas em estruturas de propriedade: o governo como acionista em uma análise descritiva. Revista de Administração Mackenzie, 15 (1), 98-124.

Buchholz, R., Rosenthal, S. (2004). Stakeholder theory and public policy: how governments matter. Journal of business ethics, 51, 143-153.

Campbell, J. (2007). Why would corporations behave in socially responsible ways? An institutional theory of corporate social responsibility. Academy of management review, 32 (3), 946-967.

Decreto-Lei n. 900, de 29 de setembro de 1969 (1969). Altera disposições do Decreto-Lei n. 200, de 25 de fevereiro de 1967, e dá outras providências. Brasília. 1969. Recuperado em 04 fevereiro, 2016, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del0900.htm#art5iii

Donaldson, T., & Preston, L. (1995). The stakeholder theory of the corporation: concepts, evidence and implications. Academy of management review, 20 (1), 65-91.

Eletrobras. (2018). História [da Eletrobras]. Disponível em: http://eletrobras.com/pt/Paginas/Historia.aspx.

Esfahani, S., & Ardakani, A. (2002). What Determines the Extent of Public Ownership?. SSRN. Disponível em: https://ssrn.com/abstract=306899

Fassin, Y. (2012). Stakeholder management, reciprocity and stakeholder responsibility. Journal of business ethics, 109, 83-96.

Fassin, Y. (2008). Imperfections and shortcomings of the stakeholder model´s graphical representation. Journal of business ethics, 80, 879-888.

Flick, U. (2014). Mapping the field. In Flick, U. (Ed.). The Sage handbook of qualitative data analysis. Sage publications.

Freeman, R. (2011). Managing for stakeholders: trade-offs or value creation. Journal of business ethics, 96, 7-9.

Freeman, R., Harrison, J., Wicks, A., Parmar, B. & Colle, S. (2010). Stakeholder theory: the state of the art. Cambridge University Press.

Freeman, R. (1984). Strategic management: a stakeholder approach. Cambridge University Press.

Freeman, R. & Reed, D. (1983). Stockholders and stakeholder: a new perspective on corporate governance. California management review, 25 (3), 88-106.

Frontodona, J. & Sison, A. (2006). The nature of the firm, agency theory and shareholder theory: a critique from philosophical anthropology. Journal of business ethics, 66 (1), 33-42.

Frooman, J. (1999). Stakeholder influence strategies. Academy of management review, 24 (2), 191-205.

Galdi, F. C., & Gonçalves, A. M. (2018). Pessimismo e incerteza das notícias e o comportamento dos investidores no Brasil. Revista de administração de empresas, 58 (2), 130-148.

Goodpaster, K. (1991). Business ethics and stakeholder analysis. Business ethics quarterly, 1, 53-71.

Heath, J., & Norman, W. (2004). Stakeholder theory, corporate governance and public management: what can the history of state-run enterprises teach us in the post-Enron era? Journal of business ethics, 53, 247-265.

Humber, J. M. (2002). Beyond stockholders and stakeholders: a plea for corporate moral autonomy. Journal of Business Ethics, 36, 207-221.

Jensen, M. & Meckling, W. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of financial economics, 3, 305-360.

Jones T., Wicks, A. (1999). Convergent stakeholder theory. Academy of management review, 24 (2), 206-221.

Kowalski, P., Büge, M., Sztajerowska, M. & Egeland, M. (2013). State-owned enterprises: trade effects and policy implications. OECD Trade Policy Papers, 147.

Lei 13.303 (2016). Dispõe sobre o estatuto jurídico da empresa pública, da sociedade de economia mista e de suas subsidiárias, no âmbito da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. 30/06/2016. Acesso em: 02/12/2018. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13303.htm.

Lei 6.404 (1976). Dispõe sobre as Sociedades por Ações. 15/12/1976. Acesso em: 02/12/2018. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6404consol.htm.

Lei 6.382 (1976). Dispõe sobre o mercado de valores mobiliários e cria a Comissão de Valores Mobiliários. 7/12/1976. Acesso em 02/12/2018. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6385.htm.

Lima, S. N. (2012). O controle compartilhado em sociedade com participação de sociedade de economia mista integrante da administração pública indireta: aspectos relevantes. Monografia não-publicada, Fundação Getúlio Vargas, Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Love, G., & Kraatz, M. (2017). Failed stakeholder exchanges and corporate reputation: the case of earning misses. Academy of management journal, 60(3), 880-903.

Maia, C. (2015, outubro 15). Lupa nas estatais. Valor econômico. Disponível em: http://www.valor.com.br/financas/4270092/lupa-nas-estatais#

McGregor, D. (1966). Leadership and motivation. Cambridge, MA: MIT Press.

Morgan, G. (1998). Images of organization. Thousand Oaks, CA; Sage Publications.

Miles, M., Huberman, A. & Saldanha, J. (2013). Qualitative data analysis: a method sourcebook. Sage publications.

Mitchell, R., Agle, B., & Wood, D. (1997). Toward a theory of stakeholder identification and salience: defining the pricnple of who and what really counts. Academy of management review, 22(4), 853-886.

Mitchell, R., Weaver, G., Agle, B., Bailey, A., & Carlson, J. (2016). Stakeholder agency and social welfare: pluralism and decision-making in the multi-objective corporation. Academy of management review, 41(2), 252-275.

Pinto, B. (1952). O declínio das sociedades de economia mista e o advento das modernas empresas públicas. Conferência da Fundação Getúlio Vargas – DF.

Petrobras. (2018). Nossas atividades. Disponível em: http://www.petrobras.com.br/pt/nossas-atividades/

Pollitt, C. (1993). Managerialism and the Public Services, 2nd edn. Blackwell, Oxford, UK.

Rainey, H., Backoff, R. & Levine, C. (1976). Comparing public and private organizations. Public administration review, 36 (2), 233-244.

Saldaña, J. (2015). The coding manual for qualitative researchers. Sagepub.

Sanen, C., & Donegá, G. (2018). Transparência em relatórios corporativos: as 100 maiores empresas e os 10 maiores bancos brasileiros. Disponível em: http://transparenciacorporativa.org.br/trac2018/download/#wpcf7-f31-o1

Secretaria de Coordenação de Governança das Empresas Estatais [SEST]. (2018). Planejamento divulga indicador de governaça das empresas estatais. Disponível em: http://www.planejamento.gov.br/igsest1. Acesso em 2018, julho 29.

Scofano, P. Jr. (1997). O estado, as sociedades de economia mista e o público: a perspectiva do marketing. Revista de administração pública, 31 (3), 59-73.

Silva, A., & Alperstedt, G. (2013). Mudança organizacional estratégica em um banco público: uma análise a partir da perda da conta movimento. Revista de administração pública, 47(4), 827-848.

Torres, F. (2017, julho 7). Há risco de restabelecerem a 'barbárie' na gestão de estatais. Valor econômico. Disponível em: http://www.valor.com.br/imprimir/noticia/5029794/financas/50297.

Torres, F. (2012, dezembro 3). Conflito na Eletrobras? Valor econômico / Valor investe. Disponível em: https://www.valor.com.br/valor-investe/casa-das-caldeiras/2926634/conflito-na-eletrobras.

Waterman, R. & Meier, K. (1998). Principal-agent models: na expansion? Journal of public administration research and theory, 8 (2), 173-202.

Downloads

Publicado

2021-02-24