Valores relativos ao trabalho e perspectiva de futuro para a geração Z

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8077.2020.e77243

Palavras-chave:

geração Z, valores de trabalho, futuro esperado

Resumo

A Geração Z está ingressando no mercado de trabalho e compreender seus valores é importante para dimensionar o espaço do trabalho em suas vidas, bem como as expectativas organizacionais e sociais a ele associadas. Esta questão é relevante para as organizações  desenvolverem políticas de atração e engajamento específicas, dado quea literatura aponta que os valores relativos ao trabalho da geração Z são distintos das gerações anteriores. Esse artigo visa a descrever a influência dos valores relativos ao trabalho na expectativa de futuro para integrantes da geração Z. Foi realizado uma pesquisa quantitativa descritiva, de tipo Survey, com 224 jovens em idade escolar e que ainda não estão no mercado de trabalho. Entre os resultados, evidencia-se a influência dos valores ligados a estabilidade, diversidade no trabalho e relações sociais autênticas na expectativa de futuro destes jovens. Observou-se também que o prestígio exerce influência negativa na expectativa de futuro, indicando a busca por relações horizontais e orientadas para a transformação social.

Biografia do Autor

Jandir Pauli, Faculdade Meridional- IMED

Graduação em Filosofia (UPF), Mestrado em Sociologia (UFRGS), Doutorado em Sociologia (UFRGS), com estágio doutoral na Université Paris IV-Sorbonne e Pós-doutorado em Sociologia Econômica (Université Paris IV-Sorbonne. Desde 2006 é Professor Titular IV na Faculdade Meridional (IMED) com atividades na graduação, lato sensu e no programa de pós-graduação stricto sensu em Administração da Imed Business School. Como pesquisador, atua nos grupos de pesquisa CNPq: "Estudos Organizacionais Contemporâneos" (PPGA-IMED) e no "Grupo de Estudos em Redes Organizacionais, Sociais e Sustentabilidade" (PPGA-UEL). Em suas pesquisas desenvolve temas relacionados ao comportamento organizacional, sociologia do trabalho, cooperativismo e sociologia econômica.

Alana Guadagnin, Faculdade Meridional- IMED

Possui graduação em Letras - Português e Inglês e Respectivas Literaturas pela Universidade de Passo Fundo (2017), e especialização em Gestão Escolar pela IDEAU (2019). Atualmente é bolsista Prosup/Capes no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Administração da Faculdade Meridional (IMED), na área de Estudos Organizacionais Contemporâneos.

Juliane Ruffatto, UNISINOS

Doutoranda em Administração pela UNISINOS, área de concentração: Organizações e Competitividade, Mestre em Administração pela Faculdade Meridional - IMED (2017), especialista em Gestão Empresarial pela Faculdade Meridional - IMED (2014) e bacharel em Administração pela Universidade de Passo Fundo (2012).

Referências

Adecco. (2015). Generation Z vs. Millennials. Recuperado em 15 de Junho, 2020, de http://pages.adeccousa.com/rs/107-IXF-539/images/generation-z-vs-millennials.pdf.

Addor, M.L. (2011). Generation Z: What is the Future of Stakeholder Engagement? Institute for EMERGING ISSUES– NC State University, pp. 1-7. Recuperado em 15 de Junho, 2020, https://iei.ncsu.edu/wp-content/uploads/2013/01/GenZStakeholders2.pdf

Aragão, J. (2013). Introdução aos estudos quantitativos utilizados em pesquisas científicas. Revista Práxis, 3(6), 59-62. Doi: 10.25119/praxis-3-6-566.

Bascha (2011). Z: The open source generation. Recuperado em 15 de Junho, 2020, http://opensource.com/business/11/9/z-open-source-generation

Berkup, S.B. (2014). Working with Generations X and Y in Generation Z period: management of different generations in business life. Mediterranean Journal of Social Sciences 5(19), 218- 229.

Castellano, S. (2016) Welcome Generation Z to work. Talent Development, February 2016, pp. 18.

Catalano, R. F., Berglund, M. L., Ryan, J. A., Lonczak, H. S., & Hawkins, J. D. (2004). Positive youth development in the United States: Research findings on evaluations of positive youth development programs. The annals of the American academy of political and social science, 591(1), 98-124.

Catho. Conheça a Geração Z. 2009. Recuperado em 18 de Junho, 2020, http://www.catho.com.br/carreira- sucesso/noticias/tendencias/conheca-a-geracao-z

Chiavenato, I. (1999). Introdução à moderna gestão de pessoas. ______. Gestão de Pessoas: novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Campus.

dos Santos, S. S. S., Olivo, A. M., Petry, D. R., & Oro, I. M. (2019). Satisfação e motivação no trabalho: insights sobre percepção da justiça distributiva e remuneração estratégica por indivíduos da Geração Z. Revista de Ciências da Administração, 21(54), 77-94. Doi: https://doi.org/10.5007/2175-8077.2019.e60409

Dziuban, C. D. & Shirkey, E. C. (1974). When is a correlation matrix appropriate for factor analysis? Some decision rules. Psychological Bulletin, 81(6), 358-361. Doi: 10.1037/h0036316

ENGELMANN, D. C. (2011). O Futuro da Gestão de Pessoas: como lidaremos com a geração Y?. 2009. Acesso em 15 de junho, 2020.

E. Maioli. New Generations and Employment – An Exploratory Study about Tensions Between the Psycho-social Characteristics of the Generation Z and Expectations and Actions of Organizational Structures Related with Employment, Journal of Business, vol. 02(01), pp. 01-12, Janeiro 2017.

Feixa, C., & Leccardi, C. (2010). O conceito de geração nas teorias sobre juventude. Sociedade e Estado, 25(2), 185-204.

Figueiredo Filho, D. B., & Silva Jr, J. A. (2010). Vision beyond reach: an introduction to factor analysis. Public opinion, 16, 160-185.

Filgueiras, L. V. L. (1999). APIS: Método para Desenvolvimento de Interfaces Homem-Computador em Sistemas de Segurança Visando a Confiabilidade Humana. Escola Politécnica da USP, São Paulo, Brasil.

Fister-Gale, S. (2015). Forget millennials: Are you ready for Generation Z. Chief Learning Officer, 14(7), 38-48.

Hair J., Joseph F., Babin, B., Money, A. H., & Samouel, P. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre, RS: Bookman.

Hutcheson, G. D., & Sofroniou, N. (1999). The multivariate social scientist: Introductory statistics using generalized linear models. Sage.

Jokisaari, M., & Nurmi, J. E. (2005). Company matters: Goal-related social capital in the transition to working life. Journal of Vocational Behavior, 67(3), 413-428.

Kanaane, R. (1995). Comportamento humano nas organizaçöes: o homem rumo ao século XXI. In Comportamento humano nas organizaçöes: o homem rumo ao século XXI (pp. 99-99).

Kullock, Eline (2010). Por que as gerações estão no nosso foco?.Recuperado em 15 de Junho, 2020, de http://www.focoemgeracoes.com.br/index.php/por-que-as-geracoes-estao-no-nosso-foco/.

Kuron, L. K., Lyons, S. T., Schweitzer, L., & Ng, E. S. (2015). Millennials’ work values: differences across the school to work transition. Personnel Review.

Laird, M. D., Harvey, P., & Lancaster, J. B. (2015). Accountability, entitlement, tenure, and satisfaction in Generation Y. Journal of Managerial Psychology, 30, 87–100.

Lau, R. S., & Cobb, A. T. (2010). Understanding the connections between relationship conflict and performance: The intervening roles of trust and exchange. Journal of Organizational Behavior, 31, 898–917.

Lanier, K. (2017). 5 things HR professionals need to know about Generation Z: Thought leaders share their views on the HR profession and its direction for the future. Strategic HR Review, 16(6), pp. 288-290. https://doi.org/10.1108/SHR08-2017-005.

Levickaite, R. (2010). Generations X Y Z: How Social Networks Form The Concept Of The World Without Borders The Case Of Lithuania, LIMES.

Locke, E.A. (1976), The nature and cause of job satisfaction, in Dunnette, M.D. (Ed.), Handbook of Industrial and Organizational Psychology, Rand McNally, Chicago, IL, pp. 1297-1394.

Lyons, S. T., Higgins, C. A., & Duxbury, L. (2010). Work values: Development of a new three‐dimensional structure based on confirmatory smallest space analysis. Journal of Organizational Behavior, 31(7), 969-1002.

Mannheim, k. (1952), Essays on the Sociology of Knowledge, Routeledge & Kegan Paul, London.

Matewmann, J. (2012). Os novos nômades globais. Clio Editora.

Maximiano, A.C. (2002). Administração de projetos: como transformar idéias em resultados. São Paulo: Editora Atlas.

Meehan, M. (2016). The next generation: What matters to Gen We. Retrieved from Forbes website:https://www.forbes.com/sites/marymeehan/2016/08/11/thenextgenerationwhatmatters-to-gen-we.

Mutte, J. L. (2004). Managing workers of the next decade. Expatica HR, 15.

Oliveira, S. (2010). Geração Y: o nascimento de uma nova versão de líderes. São Paulo: Integrare.

Ozkan, M., Solmaz, B. (2015). Mobile addiction of generation Z and its effects on their social lifes. Procedia – Social and Behavioral Sciences, 205, pp. 92-98.

Porto, J. B. & Tamayo, A. (2003). Escala de Valores relativos ao Trabalho – EVT. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 19(2), 145- 152.

Pestana, M. H., & Gageiro, J. N. (2005). Descobrindo a regressão: com a complementaridade do SPSS. Lisboa: Edições Sílabo.

Santos, C. D., Ariente, M., Diniz, M. V. C., & Dovigo, A. A. (2011). O processo evolutivo entre as gerações X, Y e Baby Boomers. XIV SEMEAD. Programa de Pós-Graduação em Administração da FEA–USP. São Paulo.

Segran, E. (2016). Your Guide to Generation Z. The Frugal, Brand-Wary, Determined Anti-Millennials. Fast Company, 9(08), 2016.

Serrano, D. P. (2013). Geração Baby Boomer. Acessado em, 15 de junho 2020.

Serrano, D. P. (2010). Geração X, Geração Y, Geração Z. São Paulo.

Schawbel, D. (2014). Gen Y and Gen Z global workplace expectations study. Millennial Branding news release, September, 12.

Shanahan, M.J, E Elder, G.H. Jr (2001). History, agency, and the life course, in Crockett, L. (Ed.), Nebraska Symposium on Motivation: Life Course Perspectives on Motivation, University of Nebraska, Lincoln, NE, pp. 145-186.

Siqueira, M. M. M. (2009). Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Artmed Editora.

SOARES, A. C. (2012). Novas Tecnologias e as Mudanças Comportamentais e Organizacionais. 2009. Acesso em 15 de junho 2020.

de Souza, M. A., Pereira, P. R. F., Funck, A. L., & Formiga, N. S. (2013). Consistência interna e estrutura fatorial da escala de expectativa de futuro em brasileiros. Boletim academia paulista de psicologia, 33(85), 330-353.

Super, D.E. & Sverko, B. (1995). Life Roles, Values, and Careers, Jossey-Bass, San Francisco, CA.

Stuckey, C. (2016). Preparing leaders for Gen Z. Training Journal, 10, 33-35.

Half, R. (2015). Get ready for generation Z. Maclean’s, 127(28), 42-45.

Ros, M., Schwartz, S.H. And Surkiss, S. (1999). Basic individual values, work values, and the meaning of work, Applied Psychology – An International Review, Vol. 48 No. 1, pp. 49-71.

Tapscott, Don. (2010). A hora da geração digital: como os jovens que cresceram usando a internet estão mudando tudo, das empresas aos governos. Rio de Janeiro: Agir Negócios.

Taylor, P. (2014). The Next America Boomers, Millennials, and the Looming Generational Showdown, Pew Research Center, New York, NY.

Tulgan, B. (2013). Meet Generation Z: The second generation within the giant" Millennial" cohort. Rainmaker Thinking, 125.

Turner, A. (2015). Generation Z: Technology and social interest. The journal of individual Psychology, 71(2), 103-113.

Weingarten, R. M. (2009). Four Generations, One Workplace: A Gen X-Y Staff Nurse’s View Of Team Building İn The Emergency Department. Journal Of Emergency Nursing. 35 (1), pp. 27-30.

Wiedmer, T. (2016). Generations do differ: best practices in leading Traditionalists, Boomers, and Generations X, Y, and Z. The Delta Kappa Gamma Bulletin: International Journal for Professional Educators (September 2016), pp. 51-58.

Wiesel, G. (2010). Geração Z: sustentáveis, exigentes e seus futuros clientes. Sua empresa está preparada (2010).

Williams, A. (2015). Move over, millennials, here comes Generation Z. The New York Times, 18.

Publicado

2021-04-13