Memória e aprendizagem em aranhas

Cesar Ades

Resumo


As aranhas, pouco estudadas do ponto de vista da memória e da aprendizagem, constituem contudo um modelo interessante para uma  análise destes processos que parta do comportamento em contextos ecologicamente relevantes. Apresenta-se um levantamento de estudos  representativos mostrando, em diversas espécies de aranhas, a existência de habituação e sensibilidade na caça e na defesa; aperfeiçoamento de seqüência instintivas com o treino, aprendizagem na escolha ou rejeição de presas. Aborda-se mais em detalhes, como estudos de caso, a memória especial em aranhas, que tem aspectos aparentemente animais análogos à memória operacional e à memória de  referencia de outros animais. Relata-se o resultado de uma série de  observações novas sobre os fatores que, na orbitela Argiope argentata, atuam no retorno ao centro da teia: fio de caminhada, geometria da teia, memória de dicas cinestésicas (memória “idiotética”) e de dicas gravitacionais. O estudo dos efeitos da experiência passada em aranhas, feito dentro das estratégias naturalística e de análise experimental, contribuindo para a compreensão da aprendizagem e da memória enquanto fenômenos adaptativos.


Palavras-chave


.

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Direitos autorais 1988 Cesar Ades

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.