A formação em Saúde Mental na graduação em Medicina

Conteúdo do artigo principal

Tatiane Muniz Barbosa
Fátima Büchele
Marco Aurélio Da Ros

Resumo

O crescimento das universidades particulares e a hegemonia do modelo biomédico – baseado no ensino especializado e em programas verticalizados de saúde – colocam-se como realidade no cenário atual. Através da Reforma Psiquiátrica, buscam-se mudanças na política de saúde e a reorientação do cuidado em saúde mental. A Constituição Federal (1988) afirma que cabe ao SUS ordenar a formação de recursos humanos da saúde, assim, as Diretrizes Curriculares Nacionais de Medicina assumem como perfil “profissional generalista, humanista, crítico”, com “atuação nos diferentes níveis de atenção e ações pautadas na integralidade”. Como o ato de construção de conhecimento não é desinteressado, acredita-se que os conhecimentos mais valorizados incluem tradições de grupos de professores (em seus estilos de pensamento) que, com base no “currículo oculto”, podem legitimar uma determinada maneira de ver e cuidar do fenômeno saúde mental. Nesse sentido, a presente pesquisa pretende analisar a formação em saúde mental no curso de Medicina da UNIPLAC – Lages/SC e a relação dessa com a legitimação da Reforma Psiquiátrica (estilo de pensamento da atenção psicossocial). A pesquisa se coloca relevante por analisar a formação em saúde mental em um curso de Medicina que adotou a Aprendizagem Baseada em Problemas. Espera-se que esse estudo abra brechas de novas formas de produção do conhecimento na formação em saúde mental em prol da legitimação da Reforma Psiquiátrica. 

Detalhes do artigo

Como Citar
BARBOSA, T. M.; BÜCHELE, F.; DA ROS, M. A. A formação em Saúde Mental na graduação em Medicina. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 6, n. 13, p. 138, 2014. DOI: 10.5007/cbsm.v6i13.68928. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/68928. Acesso em: 25 set. 2022.
Seção
Resumos