Laboratório in vita: autonomias em ato em saúde mental

Conteúdo do artigo principal

Marciana Zambillo
Analice de Lima Palombini

Resumo

No Brasil, o campo da saúde mental, adota o conceito de ‘autonomia’ e tem por ele apreço, conforme explicitado em grande parte das políticas públicas da área, sem, no entanto, descrever ou problematizar o termo. Em geral, se pressupõem um entendimento a priori ou naturalizado de ‘autonomia’. Pretende-se, a partir de um laboratório de imersão, problematizar os usos e possibilidades do conceito de autonomia em saúde mental, tomando-o como ato/performance. Por laboratório de imersão, entendemos uma viagem à Montreal-CA durante quinze dias, em novembro de 2013, realizada por dez pessoas, entre familiares, usuários de saúde mental e discentes das universidades envolvidas na pesquisa e estratégia Gestão Autônoma da Medicação (GAM). A GAM aposta em uma metodologia participativa de se fazer pesquisa e saúde mental, considerando todos os seus participantes como pesquisadores e esfumaçando o lugar de sujeitos de pesquisa. Em afinidade com esta proposta, adotamos, para análise da experiência deste laboratório, a metodologia cartográfica, a dissolução do lugar do pesquisador, a valorização da experiência encarnada. A partir desse laboratório in vita, construímos um blog disponibilizado ao público, um curta-metragem para exibição na Semana do Audiovisual (SEDA), atualmente também disponível ao público no youtube, e uma narrativa coletiva. Foram tentativas de colocarmos em questão a performatividade assumida pela autonomia e o tensionar ocasionado pela ação de ‘falar por si’ como forma de autonomização na construção de conhecimento, tal qual usado na estratégia/pesquisa GAM. Portanto, o trabalho que segue é composto também de fotografias, links para vídeos e blog feitos coletivamente.

Detalhes do artigo

Como Citar
ZAMBILLO, Marciana; PALOMBINI, Analice de Lima. Laboratório in vita: autonomias em ato em saúde mental. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 8, n. 18, 2016. DOI: 10.5007/cbsm.v8i18.69425. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/69425. Acesso em: 18 jul. 2024.
Seção
Resumos