Suporte interpares no contexto de uma pesquisa clínica: Dificuldades, facilitadores e experiências significativas no processo de trabalho

Autores

  • Catarina Magalhães Dahl Catarina Magalhães Dahl, Professora substituta do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Psiquiatria e Saúde Mental do Instituto de Psiquiatria da UFRJ.
  • Flávia Mitkiewicz de Souza Flávia Mitkiewicz de Souza, Psicóloga, Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Psiquiatria e Saúde Mental do Instituto de Psiquiatria da UFRJ, bolsista - CNPq.
  • Ezra Susser Ezra Susser,MD,DrPH, Professor de Epidemiologia e Psiquiatria, Diretor do Programa de Treinamento em Epidemiologia da Escola Mailman de Saúde Pública, Universidade de Columbia e Instituto de Psiquiatria, Nova Iorque, NI, E.U.A.
  • Giovanni Marcos Lovisi Giovanni Marcos Lovisi, Professor associado de Saúde Pública do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IESC/UFRJ). Bolsista de Produtividade - CNPq
  • Maria Tavares Cavalcanti Maria Tavares Cavalcanti, Professora associada do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), diretora do Instituto de Psiquiatria da UFRJ.

Palavras-chave:

Suporte Interpares, Narrativas Pessoais, Recuperação, Saúde Mental.

Resumo

O suporte interpares é uma abordagem inovadora que vem sendo, crescentemente, incorporada aos sistemas e políticas públicas de saúde mental, embora ainda pouco  implementada e investigada no contexto brasileiro. Baseia-se na crença de que pessoas com problemas de saúde mental, que passaram por situações crise ou adoecimento e conseguiram superá-las em sua jornada de recuperação, podem estabelecer uma relação de ajuda, respeito mútuo e suporte social com outras pessoas que estejam passando por situações similares. O presente estudo tem como objetivo analisar as narrativas  pessoais sobre o suporte interpares, com ênfase nas dificuldades, nos facilitadores e experiências significativas vivenciadas no processo de trabalho de uma pesquisa clínica. Trata-se de um estudo qualitativo, baseado em narrativas e informado pelo paradigma interpretativo. A principal técnica utilizada para obtenção das narrativas foram os grupos focais e os registros das supervisões clínicas, que foram audiogravados, transcritos, codificados e analisados. Foram criadas as seguintes categorias temáticas e subcategorias: 1) Suporte interpares: acompanhamento, atividades e papel do parceiro do cuidado; 2) Facilitadores: auto-motivação, apoio da equipe e benefícios para si; 3) Dificuldades: dificuldades pessoais, condição de existência dos usuários, organização do trabalho e problemas do território. O suporte interpares revelou-se como uma abordagem potencialmente benéfica, tanto para quem recebe o cuidado, quanto para o próprio provedor do cuidado em seu processo de restabelecimento. Dificuldades e desafios também se encontram  presentes nas narrativas, principalmente aqueles relativas à delimitação do papel do parceiro, às condições psíquicas dos mesmos, ao cotidiano de trabalho e aos problemas do território. 

 

Downloads

Publicado

2017-04-04

Como Citar

DAHL, C. M.; SOUZA, F. M. de; SUSSER, E.; LOVISI, G. M.; CAVALCANTI, M. T. Suporte interpares no contexto de uma pesquisa clínica: Dificuldades, facilitadores e experiências significativas no processo de trabalho. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 9, n. 21, p. 179-198, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/69544. Acesso em: 6 dez. 2021.