Recovery: ambiguidades e confrontações

Conteúdo do artigo principal

Ernesto Venturini
Maria Stella Brandão Goulart

Resumo

O artigo discute o uso e a rápida aceitação do termo recovery nas políticas de saúde mental, a partir do estranhamento da ausência do conceito no cenário brasileiro. Delineia, também, a suspeita de que os psiquiatras não teriam compreendido bem a mudança radical que esta noção representa, pois, o modelo biomédico e manicomial não tem sido colocado em questão. Explora-se, então, a contradição entre a personal recovery e a clinical recovery, bem como a necessidade de esclarecer o que significa um serviço orientado à recovery. Se considera, também, as consonâncias e as diferenças entre a noção de recovery do ponto de vista da literatura psiquiátrica dos países de idioma inglês (anglofônicos) e o da reforma psiquiátrica italiana, que, à semelhança do Brasil, propôs o fechamento dos hospitais psiquiátricos. O momento-chave da experiência italiana é reconhecido nas palavras de Basaglia, quando declara não estar interessado na doença, mas na pessoa em sua complexidade existencial e no reconhecimento dos seus direitos. As práticas da reforma antimanicomial demonstraram que, quando são reconhecidos, de forma sistemática e na prática, a autonomia de julgamento, o respeito e a escuta, as pessoas tendem a assumir a responsabilidade por sua vida e colocam-se em um processo ativo de inclusão social. Conclui-se a discussão, afirmando semelhanças e diferenças entre o conceito de recovery e a reforma antimanicomial. No caso do recovery, no entanto, o foco está destinado à potencialidade individual da pessoa, enquanto que no caso das reformas, a tensão é dirigida para a complexidade de um processo de emancipação, seja individual, seja coletivo, que se atualiza na prática da cidadania.

Detalhes do artigo

Como Citar
VENTURINI, Ernesto; GOULART, Maria Stella Brandão. Recovery: ambiguidades e confrontações. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 9, n. 21, p. 282–299, 2017. DOI: 10.5007/cbsm.v9i21.69551. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/69551. Acesso em: 20 jun. 2024.
Seção
Artigos originais