Saúde mental infantojuvenil: estratégias de cuidado em unidade de acolhimento

Conteúdo do artigo principal

Camila Exner
http://orcid.org/0000-0002-5898-3527
Luciana Togni de Lima e Silva Surjus
https://orcid.org/0000-0002-3419-9797
Fernanda de Almeida Pimentel Argento
https://orcid.org/0000-0002-1806-6054

Resumo

O consumo de álcool e outras drogas por crianças e adolescentes tem sido uma questão desafiadora para diferentes políticas públicas. Dentre os serviços para responder a esta demanda, encontra-se a Unidade de Acolhimento Infantojuvenil (UAI). O objetivo deste estudo é compreender quais as estratégias de cuidado utilizadas pelos profissionais de uma UAI, bem como discutir a promoção de autonomia neste contexto. Trata-se de estudo qualitativo exploratório, realizado numa cidade de grande porte do Estado de São Paulo com os profissionais de formação universitária e acompanhantes comunitários. Os achados foram analisados a partir das categorias – caracterização da UAI; complexidade e singularidade das demandas; promoção de autonomia: concepções e práticas; especificidades e desafios do trabalho e a UAI na rede de atenção psicossocial, em diálogo com a concepção de autonomia proposta por Paulo Freire. A UAI é compreendida enquanto espaço privilegiado de trabalho com o habitar, o cotidiano, a convivência e a promoção de acesso aos recursos existentes no território, como cultura, arte, lazer, saúde e educação. Tais ações se agenciam aos projetos de vida dos moradores, em conjunto com o Centro de Atenção Psicossocial e demais serviços da rede. A redução de danos é pensada enquanto estratégica para um cuidado mais efetivo, pautado no vínculo, na escuta qualificada e na promoção de autonomia. A UAI aparece enquanto dispositivo para a promoção de práticas libertárias e emancipatórias, rompendo a lógica tutelar. A transitoriedade é enfatizada enquanto dificuldade, tal qual a criação de estratégias de valorização da potência dos sujeitos e do território.

Palavras chave: infância; adolescência; saúde mental; acolhimento; autonomia.

Detalhes do artigo

Como Citar
EXNER, Camila; SURJUS, Luciana Togni de Lima e Silva; ARGENTO, Fernanda de Almeida Pimentel. Saúde mental infantojuvenil: estratégias de cuidado em unidade de acolhimento. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 12, n. 31, p. 60–86, 2020. DOI: 10.5007/cbsm.v12i31.69735. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/69735. Acesso em: 22 maio. 2024.
Seção
ATENÇÃO PSICOSSOCIAL A CRIANÇAS E ADOLESCENTES
Biografia do Autor

Camila Exner, Universidade Federal de São Paulo

Terapeuta Ocupacional, especialista em Saúde Mental pela Residência Multiprofissional em Saúde Mental da Universidade Federal de São Paulo

Luciana Togni de Lima e Silva Surjus, Universidade Federal de São Paulo

Terapeuta Ocupacional, Doutora em Saúde Coletiva, Docente do Departamento de Políticas Públicas e Saúde Coletiva da Universidade Federal de São Paulo, Campus Baixada Santista.

Fernanda de Almeida Pimentel Argento

Terapeuta Ocupacional, Mestre em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo