Recriart, trabalho e cidadania: a história de um empreendimento econômico solidário do campo da saúde mental

Conteúdo do artigo principal

Lisabelle Manente Mazaro
http://orcid.org/0000-0002-1972-9331
Iolanda Cristina Barberio
https://orcid.org/0000-0002-7133-7597
Isabela Aparecida de Oliveira Lussi
http://orcid.org/0000-0003-3632-5539

Resumo

No Brasil, o acesso ao trabalho às pessoas em sofrimento psíquico tem se dado predominantemente por meio da economia solidária, especialmente por sua racionalidade ética, humana, inclusiva e solidária. A economia solidária, por sua ideologia, princípios básicos, formas de produção e organização sociocultural tem revelado seu potencial emancipatório e o trabalho, nessa perspectiva, exerce importante papel no processo de reabilitação psicossocial dessas pessoas. O objetivo deste artigo é narrar a história do Recriart, um empreendimento econômico solidário do campo da saúde mental, desde sua concepção até os dias atuais, desenhando sua linha do tempo. Trata-se de um estudo descritivo, de abordagem qualitativa, que lança mão da linha do tempo enquanto ferramenta de sistematização da experiência, com os resultados analisados de maneira descritiva. Os resultados apontam que o Recriart foi constituído em 2006, com o objetivo de inclusão social das pessoas em sofrimento psíquico por meio do trabalho e, ao longo de seus 14 anos de existência, passou por algumas mudanças e adaptações, conquistou espaço e visibilidade no município, tornando-se uma referência de acesso ao trabalho para os usuários da Rede de Saúde Mental de São Carlos/SP. O trabalho exercido no Recriart permite aos seus trabalhadores a vivência de alternativas que cabem no horizonte das possibilidades concretas, somando ao real as possibilidades e expectativas futuras que ele comporta.

Detalhes do artigo

Como Citar
MANENTE MAZARO, Lisabelle; CRISTINA BARBERIO, Iolanda; APARECIDA DE OLIVEIRA LUSSI, Isabela. Recriart, trabalho e cidadania:: a história de um empreendimento econômico solidário do campo da saúde mental. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 15, n. 44, p. 112–134, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/80791. Acesso em: 23 fev. 2024.
Seção
Artigos originais
Biografia do Autor

Lisabelle Manente Mazaro, Universidade Federal de São Carlos

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Terapia Ocupacional da Universidade Federal de São Carlos

Iolanda Cristina Barberio, Secretaria Municipal de Saúde de São Carlos e Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo

Terapeuta Ocupacional especialista em saúde mental, pública e da família.

Vice-Presidente do Conselho Municipal de Economia Solidária de São Carlos.

Isabela Aparecida de Oliveira Lussi, Universidade Federal de São Carlos

Docente do Departamento de Terapia Ocupacional Docente do Programa de Pós-Graduação em Terapia Ocupacional Núcleo Multid. e Integ. de Estudos, Form. e Interv. em Economia Solidária (NuMI-EcoSol) Universidade Federal de São Carlos

Referências

ALVES, G. O. Saúde mental e economia solidária: construindo estratégias de reabilitação psicossocial. 2016. 126f. Dissertação (Mestrado em Saúde Mental e Atenção Psicossocial) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.

BARBERIO, I.C.; BORGES, E.S.; LUSSI, I.A.O.; BULHÕES, L.D.S. et al. Incubação do Recriart: parceria entre a prefeitura municipal e a Universidade Federal de São Carlos. In: PINHO, K.L.R.; PINHO, L.P.; LUSSI, I.A.O.; MACHADO, M.L.T. (org.). Relatos de experiências em inclusão social pelo trabalho na saúde. São Carlos: Compacta Gráfica e Editora, 2014. p. 209-224.

BHOWMIK, S. As cooperativas e a emancipação dos marginalizados: estudos de caso de duas cidades na Índia. In: SANTOS, B. (org.). Produzir para viver: os caminhos da produção não capitalista. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 369-400.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 1.169/GM de 7 de julho de 2005. Destina incentivo financeiro para municípios que desenvolvam projetos de Inclusão social pelo Trabalho destinados a pessoas portadoras de transtornos mentais e/ou de transtornos decorrentes do uso de álcool e outras drogas, e dá outras providências. Brasília, 2005a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde mental e economia solidária: inclusão social pelo trabalho. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2005b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Coordenação de Saúde Mental. Ministério do Trabalho e Emprego. Secretaria Nacional de Economia Solidária. Relatório Final do Grupo de Trabalho Saúde Mental e Economia Solidária, instituído pela Portaria Interministerial nº 353, de 7 de março de 2005. Brasília, 2006a.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Secretaria Nacional de Economia Solidária. Atlas da Economia Solidária no Brasil 2005. Brasília: MTE, SENAES, 2006b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental, incluindo aquelas com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, n. 96, seção 1, 21 de maio de 2013.

BUSSAB, W.O.; MORETTIN, P.A. Estatística básica. 4. ed. São Paulo: Atual Editora, 1987.

CFES NACIONAL. Centro Nacional de Formação em Economia Solidária. Sistematização de experiências da economia solidária: referenciais, etapas e ferramentas para o processo de sistematização. Brasília: CFES Nacional, 2012.

GAIGER, L. I. A outra racionalidade da economia solidária. Conclusões do primeiro Mapeamento Nacional no Brasil. Revista Crítica de Ciências Sociais, 79, p. 57-77, dezembro, 2007.

INSS. Instituto Nacional do Seguro Social. Benefício assistencial à pessoa com deficiência (BPC). Internet. Site. Disponível em: https://www.inss.gov.br/beneficios/beneficio-assistencia-a-pessoa-com-deficiencia-bpc/. Acesso em 11 set. 2021.

LUSSI, I. A. O.; MATSUKURA, T. S.; HAHN, M. S. Reabilitação psicossocial: oficinas de geração de renda no contexto da saúde mental. O Mundo da Saúde, São Paulo, v. 34, n. 2, p. 284-291, 2010.

MARTINS, R. C. A. Cooperativas sociais no Brasil: debates e práticas na tecitura de um campo em construção. 2009.193f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

NuMI EcoSol/UFSCar. Núcleo Multidisciplinar e Integrado de Estudos, Formação e Intervenção em Economia Solidária, 2021. Internet. Site. Disponível em: http://www.numiecosol.ufscar.br/numi-ecosol. Acesso em 08 abr. 2021.

PINHO, K. L. R. Economia solidária e a produção de cidadania na saúde mental: um estudo dos dispositivos de inclusão social pelo trabalho no estado de São Paulo. 2015. 134f. Dissertação (Mestrado em Ciência Tecnologia e Sociedade) – Universidade Federal de São Carlos, são Carlos, 2015.

QUIJANO, A. Sistemas alternativos de produção? In: SANTOS, B. (org.). Produzir para viver: os caminhos da produção não capitalista. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 473-514.

RECRIART. Reciclando e Fazendo Arte, 2021. Internet. Site. Disponível em:

https://www.facebook.com/recriartempreendimento/. Acesso em 07 abr. 2021.

RODRÍGUEZ, C. À procura de alternativas econômicas em tempos de globalização: o caso das cooperativas de recicladores de lixo na Colômbia. In: SANTOS, B. (org.). Produzir para viver: os caminhos da produção não capitalista. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 329-367.

SAMPIERI, R.H.; COLLADO, C.F.; LUCIO, M.P.B. Metodologia de Pesquisa. 5. ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

SANTOS, L. B. H. Inclusão social pelo trabalho: estudo comparativo entre as políticas públicas de saúde mental do Brasil e da Inglaterra. 2016. 123f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

SAYEG, E. Desafios da intersetorialidade entre trabalho e saúde mental. 2017. 150f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2017.

SINGER, P. Alternativas da gestão social diante da crise do trabalho. In: RICCO, E.M.; RAICHELIS, R. Gestão social: uma questão em debate. São Paulo: PUC-SP, 1999, p. 55-66.

SINGER, P. A recente ressurreição da economia solidária no Brasil. In: SANTOS, B. S. (org.). Produzir para viver: os caminhos da produção não capitalista. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 83-129.

SINGER, P. Políticas públicas da secretaria nacional de economia solidária do ministério do trabalho e emprego. Mercado de Trabalho, v. 39, p. 43-48, maio, 2009.