DESAFIOS DA REFORMA PSIQUIÁTRICA: ATENÇÃO PSICOSSOCIAL NA ATUAL CONJUNTURA POLÍTICA ATENÇÃO PSICOSSOCIAL NA ATUAL CONJUNTURA POLÍTICA

Conteúdo do artigo principal

Juliana Pessoa Costa
Emilia Cristina Carvalho Rocha Caminha

Resumo

As intensas mudanças que vem acometendo a política pública de Saúde Mental (SM) brasileira proporciona contínuos desafios na solidificação da  Reforma Psiquiátrica (RP) e suas mudanças  mostram um grande retrocesso na produção do cuidado e na consolidação de novas portarias que surgem na contramão do que foi preconizado e construído ao longo do tempo. Esta pesquisa objetivou  analisar  as percepções  dos profissionais da saúde mental   sobre  os desafios  da  reforma psiquiátrica (RP) na conjuntura atual . Participaram da pesquisa 10  profissionais de saúde que atuavam no Centro de Atenção Psicossocial (Caps) e Centro de Atenção Psicossocial (Caps AD),  da cidade de Fortaleza-CE. Foram realizadas entrevista semiestruturada com os participantes e os conteúdos apreendidos foram analisados por meio da Análise de Conteúdo de Bardin. Os resultados evidenciaram que  os participantes evocam o desejo de mudança no que se refere ao cuidado do sujeito com transtorno mental. Demonstraram também o interesse em lutar pela eliminação dos manicômios e questionam  a relação  paradoxal entre a atenção psicossocial e o serviço hospitalar psiquiátrico.

Detalhes do artigo

Como Citar
PESSOA COSTA, Juliana; CARVALHO ROCHA CAMINHA, Emilia Cristina. DESAFIOS DA REFORMA PSIQUIÁTRICA: ATENÇÃO PSICOSSOCIAL NA ATUAL CONJUNTURA POLÍTICA: ATENÇÃO PSICOSSOCIAL NA ATUAL CONJUNTURA POLÍTICA. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 15, n. 46, p. 49–59, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/80849. Acesso em: 25 maio. 2024.
Seção
Artigos originais

Referências

AMARANTE, P. Saúde mental, políticas e instituições: programa de educação à distância. Rio de Janeiro: FIOTEC: FIOCRUZ: EAD, 2003.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70, LDA, 2009.

BARRANTES, F. J., Violante, C., Graça, L. e Amorim, I.(2017) Programa de Luta conta o Estigma: resultados obtidos na formação nos profissionais da Saúde Mental. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental [online]., n.spe5, pp.19-24. 2017.

BEZERRA, I. C., Jorge, M. S. B., Gondim, A. P. S., Lima, L. L. , e Vasconcelos, M. G. F. "Fui lá no posto e o doutor me mandou foi pra cá": processo de medicamentalização e (des)caminhos para o cuidado em saúde mental na Atenção Primária. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 18(48), 61-74, 2014.

BRASIL, Ministério da Saúde. Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. Brasília, DF, 31 dez. Seção 1, p. 88, 2010.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. 6 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

CARDOSO, M. R. O e OLIVEIRA, P. T. R. Práticas de cuidado em saúde mental na voz dos usuários de um Centro de Atenção Psicossocial do estado do Pará. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 40, n. 109, p. 86-99, ABR-JUN, 2016.

COUTINHO, M P. L. Depressão infantil e representação social.2 ed. João Pessoa: Ed. Universitária UFPB,2005.

COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE (CIT). Resolução º 32, de 14 de dezembro de 2017. Estabeleceu as Diretrizes para o fortalecimento da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS). Diário Oficial da União 2017.

FERREIRA, T.P.S, SAMPAIO, J, SOUZA, A.C.N, OLIVEIRA, D.L e GOMES, L.B. Produção do cuidado em Saúde Mental: desafios para além dos muros institucionais. Interface (Botucatu); 21(61):373-84, 2017.

FILHO, A. J. A., FORTES, F. L. S., QUEIRÓS, P. J. P., PERES, M. A. A., VIDINHA, T. S. S., e RODRIGUES, M. A. Trajetória histórica da reforma psiquiátrica em Portugal e no Brasil. Revista de Enfermagem Referência, serIV(4), 117-125.Foucault, M.(1978). História da loucura na idade clássica. 1 ed. São Paulo: Perspectiva, 2015.

KINKER,F.S. Um hospício em crise: imagens de uma experiência de desinstitucionalização,Interface(Botucatu) vol.21 no.60 Botucatu Jan./Mar. 2017

LAVRADOR,M.C.C.e RIBEIRO,W.L. As forças do CAPS: uma experiência cartográfica. Revista Psicologia e Saúde. vol.7, n.2, pp. 91-98, 2015.

LOPES, M.M.F. TRABALHO E SAÚDE MENTAL: A inserção das pessoas com transtorno mental do Centro de Atenção Psicossocial de Rio das Ostras no mercado de trabalho. Rio das Ostras, 2013.

MINAYO, MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 5. ed. Rio de Janeiro: Hucitec; 2008.

MUNIZ, M. P, TAVARES, C. M. de M, ABRAHAO, A. L. e SOUZA, Â. C .A assistência de enfermagem em tempos de reforma psiquiátrica. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental [online]. n.13, pp.61-65, 2015.

PAIM, J. S. Modelos de atenção e vigilância da saúde. In: ROUQUAYROL, Z. M.; Almeida, N. Epidemiologia e saúde. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. 567-586, 2003.

PITTA, A. M. F. Um balanço da reforma psiquiátrica brasileira: instituições, atores e políticas. Ciência &Saúde Coletiva, 2011.

REIS, B. M., LIBERMAN, F., e CARVALHO, S. R. Das inquietações ao movimento: um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), a clínica e uma dança. Interface (Botucatu), Botucatu , v. 22, n. 64, p. 275-284, 2018.

SOUSA, P. F. Atitudes e Representações em Saúde Mental: Um Estudo com Universitários. Psico-USF, Itatiba, v. 21, n. 3, p. 527-538, 2016.

WEBER, C.A.T., & JURUENA, M.F. O olhar da família sobre o manejo de um hospital dia em saúde mental. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental (17), 25-33. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, Nº 17, 2017.

VIEIRA,S. de M; FREIRE, S. S. A. F. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, ISSN 2595 2420, Florianópolis, v.13, n.34, p.01-14, 2021.