Práticas de governança corporativa adotadas e divulgadas pelos fundos de pensão brasileiros

Letícia César de Lima, Marcelle Colares Oliveira, Vera Maria Rodrigues Ponte, Sílvia Maria Dias Pedro Rebouças

Resumo


O objetivo do estudo é analisar as práticas de governança corporativa adotadas e divulgadas pelos fundos de pensão brasileiros e prováveis explicações à luz da Teoria Institucional. A pesquisa é de natureza quantitativa e descritiva. Foi estudada uma amostra de 140 entidades e utilizada a técnica da análise de conteúdo na análise de documentos, colhidos nos websites dessas entidades. A análise dos dados incluiu estatística descritiva, correlação de Spearman e teste t para amostras independentes. Observou-se que os fundos de pensão brasileiros tendem a adotar e divulgar predominantemente as práticas de governança legalmente impostas, explicando o isomorfismo coercitivo. Observou-se ainda que a idade, o tamanho dos fundos em termos de ativo e o tipo de patrocínio são variáveis que estão correlacionadas com práticas voluntárias, representando isomorfismo mimético. Concluiu-se, segundo a Teoria Institucional, que as práticas principalmente adotadas e divulgadas pelos fundos brasileiros decorrem de pressões coercitivas e culturais explicadas pelos isomorfismos identificados.


Palavras-chave


Fundos de pensão; Governança corporativa; Divulgação

Texto completo:

PDF/A

Referências


AMARAL, H. F.; VILAÇA, C. S. I.; BARBOSA, C. F. M.; BRESSAN, V. G. F. Fundos de Pensão como Formadores de Poupança Interna: uma Alternativa para o Financiamento da Atividade Econômica. RAC – Revista de Administração Contemporânea, v. 8, n. 2, p. 137-158, abr./jun. 2004.

AMMANN, M.; ZINGG, A. Performance and Governance of Swiss Pension Funds. Journal of Pension Economics and Finance, v. 9, n. 1, p. 95-128, 2010. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2013.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA Complementar – ABRAPP. Consolidado estatístico – junho de 2013. 2013. Disponível em: . Acesso em: 4 out. 2013.

CARNEIRO, A. R. de A.; MAPURUNGA, P. V. R.; PONTE, V. M. R.; MORAIS, C. R. F. de. Governança corporativa em empresas brasileiras como determinante da evidenciação de benefícios a empregados. Revista Contemporânea de Contabilidade, UFSC, Florianópolis, v.10, n.19, p.157-178, jan./abr., 2013.

CARVALHO, C. A.; VIEIRA, M. M. F.; GOULART, S. A trajetória conservadora da teoria institucional. Revista de Administração Pública – RAP, Rio de Janeiro, n. 39, v. 4, p. 849-74, jul./ago. 2005.

CLAESSENS, S.; YURTOGLU, B. B. Corporate governance in emerging markets: a survey. Emerging Markets Review, v. 15, p. 1-33, 2013.

COLLIS, J.; HUSSEY, R.. Pesquisa em Administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. trad. Lucia Simonini. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

DIMAGGIO, P. J., POWELL, W. W. The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality on organizational fields. American Sociological Review, v. 48, p.147-160, 1983.

DUARTE, S. O. Governança corporativa, mercado de capitais e desenvolvimento econômico: estudo de casos dos fundos de pensão e previdência do Brasil, Chile e México. 2011. (Dissertação) Programa de Pós-Graduação em Integração Latino-americana (Prolam), Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2011.

EVANS, J.; ORSZAG, M.; PIGGOTT, J. Pension fund governance: A global perspective on financial regulation. Cheltenham, UK: Edward Elgar, 2008.

HAUNSCHILD, P.; MINER, A. S. Modes of interorganizational imitation: The effects of outcome salience and uncertainty. Administrative Science Quartely, v. 42, n. 3, p. 472-500, 1997.

HEBB, T. The Economic Inefficiency of Secrecy: Pension Fund Investors’ Corporate Transparency Concerns. Journal of Business Ethics, v. 63. p. 385-405, 2006.

HOLDER-WEBB, L.; COHEN, J. The Cut and Paste Society: Isomorphism in Codes of Ethics. Journal of Business Ethics, v. 107, p. 485-509, 2012.

JACKOWICZ, K.; KOWALEWSKI, O. Crisis, internal governance mechanisms and pension fund performance: evidence from Poland. Emerging Markets Review, v. 13, p. 493-515, 2012.

JARDIM, M. C. A crise financeira de 2008: os discursos e as estratégias do governo e dos fundos de pensão. DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 56, n.4, p. 901-941, 2013.

JIAO; Y.; YE, P. Public pension fund ownership and firm performance. Review of Quantitative Finance and Accounting, n. 40, p. 571-590, 2013.

KLAPPER, L. F.; LOVE, I. Corporate governance, investor protection, and performance in emerging markets. Journal of Corporate Finance, v. 10, p. 703-728, 2004.

KOWALEWSKI, O. Corporate governance and pension fund performance. Contemporary Economics, v. 6, n. 1, p. 14-44, 2012.

LOPES, J. E. G.; KATAOKA, S. S.; RIBEIRO FILHO; J. F.; PEDERNEIRAS, M. M. M. Um estudo sobre a divulgação das informações das práticas de governança corporativa nos sítios das entidades fechadas de previdência complementar. Revista Contemporânea de Contabilidade, Florianópolis, v.1, n. 13, p. 151-174, jan./jun., 2010.

MINISTÉRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL (MPS). Previdência no Serviço Público. Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2013.

MINISTÉRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL (MPS). Superintendência Nacional de Previdência Complementar (PREVIC). Divulgação das despesas administrativas do exercício de 2011 das entidades fechadas de previdência complementar. Série de estudos - número 3. 2012a. Disponível em: . Acesso em: 22 ago. 2013.

MINISTÉRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL (MPS). Guia PREVIC: melhores práticas de governança para entidades fechadas de previdência complementar. 2012b. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2013.

OLIVEIRA, M. C.; ARAUJO JUNIOR, J. F.; OLIVEIRA, O. V.; PONTE, V. M. R. Disclosure Social de Empresas Brasileiras e Britânicas à luz da Teoria Institucional. Advances in Scientific and Applied Accounting, v. 5, p. 2-26, 2012.

MENDES, C. J. F.; FREIRE, F. S. A governança corporativa e manipulação de informação contábil: mensuração a valor justo nos bancos comerciais. Revista Contemporânea de Contabilidade, UFSC, Florianópolis, v. 11, n. 23, p. 53-76, maio/ago., 2014.

PAULA, R. A. de; LIMA, D. V. de. Aderência das demonstrações contábeis dos fundos de pensão do Brasil aos padrões contábeis internacionais: uma análise comparativa à luz da IAS 26. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, João Pessoa, v. 2, n. 2, p. 69-81, maio/ago. 2014.

PICCOLI, P. G. R.; SOUZA, A.; SILVA, W. V. da. As práticas de governança corporativa diminuem o gerenciamento de resultados? Evidências a partir da aversão na divulgação de prejuízos e de queda nos lucros. Revista Contemporânea de Contabilidade, UFSC, Florianópolis, v. 11, n. 22, p. 141-162, jan./abr., 2014.

PUNSUVO; K. E. K.; BARROS, L. A. B. C. O ativismo dos fundos de pensão e a qualidade da governança corporativa. Revista de Contabilidade e Finanças, USP, São Paulo, v. 18, n. 45, p. 63-72, set./dez. 2007.

REIS, A. A profissionalização dos órgãos estatutários das EFPCs. In: ROSA, S. (coord.). Governança Corporativa e os Fundos de Pensão. 1. ed. São Paulo, ABRAPP, 2010.

RODRIGUES NETO, A.; FREITAS, L. S. Análise do processo de adaptação estratégica de uma empresa produtora de cachaça à luz da teoria institucional e da visão baseada em recursos. REAd – Revista Eletrônica de Administração, Porto Alegre, ed. 71, n. 1, p. 211-241, jan./abr. 2012.

ROSSONI, L.; MACHADO-DA-SILVA, C. L. Institucionalismo Organizacional e Práticas de Governança Corporativa. Revista de Administração Contemporânea – RAC, Curitiba, ed. especial, art. 7, p. 173-198, 2010.

ROSSONI, L.; MACHADO-DA-SILVA, C. L. Legitimidade, governança corporativa e desempenho: Análise das empresas da BM&F Bovespa. RAE – Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 53, n. 3, p. 272-289, maio/jun. 2013.

SAID, R. M.; SULAIMAN, M.; AHMAD, N. N. N. Do fund managers perceive environmental information useful? An empirical study from Malaysia. Journal of Cleaner Production, v. 52, p. 281-288, 2013.

SANTOS, S.O.; ANTUNES JUNIOR, J. A. V.; LEIS, R. P. Estratégia nos fundos de pensão do Brasil: contribuições para a construção de um modelo de análise. RAM – Revista de Administração Mackenzie, v. 9, n. 1, p. 37-63, 2008.

SCOTT, W. R. Approaching adulthood: the maturing of institutional theory. Theory and Society, v. 37, p. 427-442, 2008.

SILVA, R. V. Atendimento às regras, princípios e práticas de governança em entidades fechadas de previdência complementar. 2009. (Dissertação) Programa de Pós-Graduação em Contabilidade, Centro Sócio-Econômico, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

SONZA, I. B.; KLOECKNER, G. O. A governança corporativa influencia a eficiência das empresas brasileiras? Revista Contabilidade & Finanças, USP, São Paulo, v. 25, n. 65, p. 145-160, maio/jun./jul./ago. 2014 .

SOUTO, P.; MUSALEM, A. R. Assessing the governance and transparency of national public pension funds. Review of European Studies, v. 4, n. 2, June 2012.

SUDARSANAM, S.; BROADHURST, T. Corporate governance convergence in Germany through shareholder activism: Impact of the Deutsche Boerse bid for London Stock Exchange. Journal of Management and Governance, v. 16, p. 235-268, 2012.

SIEVANEN, R.; RITA, H.; SCHOLTENS, B. The Drivers of Responsible Investment: The Case of European Pension Funds. Journal of Business and Ethics, v. 117, p. 137-151, 2013.

TOLBERT, P.; ZUCKER, L.The Institutionalization of Institutional Theory. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD. W. R. (Eds.). Handbook of organization studies. London: Sage Publishers, p. 175-190, 1996.

VASQUEZ, J. G. P. Acessibilidade dos websites e transparência informacional na perspectiva da governança corporativa dos fundos de pensão. 2008. (Dissertação) Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

VIEIRA, C.; COSTA, N. R. Estratégia profissional e mimetismo empresarial: os planos de saúde odontológicos no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 5, p. 1579-1588, 2008.

WOODS, C.; URWIN, R. Putting sustainable investing into practice: a governance framework for pension funds. Journal of Business Ethics. v. 92, p. 1-19, 2010.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8069.2015v12n27p3



Locations of visitors to this page

Revista Contemporânea de Contabilidade, Florianópolis, Brasil. ISSN (impresso)1807-1821 - ISSN (eletrônico) 2175-8069