Glass ceiling em cargos de board e seu impacto no desempenho organizacional

Cristian Bau Dal Magro, Andréia Dani Carpes, Danielle Vergini, Marcia Zanievicz Silva

Resumo


A pesquisa buscou identificar a incidência de glass ceiling nos cargos de board e seu impacto no desempenho organizacional das companhias brasileiras de capital aberto. Para sua operacionalização, adotou-se uma abordagem quantitativa, analisando-se 61 empresas com alto volume de negociação (IBrX 100) na Bolsa de Valores do Brasil. Constatou-se que os investidores institucionais não criam barreiras à valorização das empresas que promovem igualdade de gênero nos cargos de board, ou seja, que possuem mulheres que atuam em cargos de diretoria, conselho de administração e presidência. Conclui-se que, quando o glass ceiling não incide nos cargos de diretoria e no conselho de administração, as empresas alcançam melhor desempenho financeiro e econômico, quando comparadas com aquelas que não possuem mulheres em tais cargos. A exemplo disso, verificou-se que a proporção de mulheres no conselho de administração influencia no retorno sobre o patrimônio líquido, e a proporção de mulheres na diretoria influencia no valor de mercado das organizações.


Palavras-chave


Glass ceiling; Conselhos corporativos; Cargos de board; Desempenho organizacional

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS, R. B.; FERREIRA, D. Women in the boardroom and their impact on governance and performance. Journal of Financial Economics, v. 94, n. 2, p. 291-309, 2009. DOI: 10.1016/j.jfineco.2008.10.007.

ALMEIDA, R. S. D.; KLOTZLE, M. C.; PINTO, A. C. F. Composição do Conselho de Administração no Setor de Energia Elétrica do Brasil. Revista de Administração da Unimep-Unimep Business Journal, v. 11, n. 1, p. 156-180, 2013. DOI: 10.15600/1679-5350/rau.v11n1p156-180.

ANDRADE, L. P. D.; SALAZAR, G. T.; CALEGÁRIO, C. L. L.; SILVA, S. S. Corporate governance: an analysis of board of directors in relation with the value of market and performance of the Brazilian companies. RAM. Revista de Administração Mackenzie, v. 10, n. 4, p. 4-31, 2009. DOI: 10.1590/S1678-69712009000400002.

BEZERRA, F. A.; CORRAR, L. J. Utilização da análise fatorial na identificação dos principais indicadores para avaliação do desempenho financeiro: uma aplicação nas empresas de seguros. Revista Contabilidade & Finanças, v. 17, n. 42, p. 50-62, 2006. DOI: 10.1590/S1519-70772006000300005.

BJERK, D. Glass ceilings or sticky floors? Statistical discrimination in a dynamic model of hiring and promotion. The Economic Journal, v. 118, n. 530, p. 961-982, 2008. DOI: 10.1111/j.1468-0297.2008.02157.x.

BLAU, F. D.; DEVARO, J. New evidence on gender differences in promotion rates: An empirical analysis of a sample of new hires. Industrial Relations: A Journal of Economy and Society, v. 46, n. 3, p. 511-550, 2007. DOI: 10.1111/j.1468-232X.2007.00479.x.

BRASIL, L.; PEREIRA, A. N.; MACHADO, V. L. A inserção do gênero feminino na empresa vis-à-vis a participação feminina na população economicamente ativa: um estudo de caso da companhia energética do Paraná (COPEL). Gestão e Sociedade, v. 3, n. 5, p. 95-113, 2009. DOI: 10.21171/ges.v3i5.690.

BRUSCHINI, M. C. A. Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de pesquisa, v. 37, n. 132, p. 537-572, 2007. DOI: 10.1590/S0100-15742007000300003.

CAMBOTA, J. N.; PONTES, P. A. Desigualdade de rendimentos por gênero intraocupações no Brasil, em 2004. Revista Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 331-350, 2007. DOI: 10.1590/S1415-98482007000200006.

CARTER, D. A.; SIMKINS, B. J.; SIMPSON, W. G. Corporate governance, board diversity, and firm value. Financial Review, v. 38, n. 1, p. 33-53, 2003. DOI: 10.1111/1540-6288.00034.

CATELLI, A. (Coord.). Controladoria: uma abordagem da gestão econômica-GECON. São Paulo, Atlas, 1999.

DAILY, C. M.; CERTO, S. T.; DALTON, D. R. Research notes and communications a decade of corporate women: Some progress in the boardroom, none in the executive suite. Strategic Management Journal, v. 20, n. 1, p. 93-99, 1999. DOI: 10.1002/(SICI)1097-0266.

DEWATRIPONT, M.; JEWITT, I.; TIROLE, J. The economics of career concerns, part II: Application to missions and accountability of government agencies. The Review of Economic Studies, v. 66, n. 1, p. 199-217, 1999. DOI: 10.1111/1467-937X.00085.

DOBBIN, F.; JUNG, J. Corporate board gender diversity and stock performance: The competence gap or institutional investor bias? North Carolina Law Review, v. 89, 2011.

DOMÍNGUEZ, L. R.; SÁNCHEZ, I. M. G.; ÁLVAREZ, I. G. Explanatory factors of the relationship between gender diversity and corporate performance. European Journal of Law and Economics, v. 33, n. 3, p. 603-620, 2012. DOI: 10.1007/s10657-010-9144-4.

FACCIO, M.; MARCHICA, M. T.; MURA, R. CEO gender, corporate risk-taking, and the efficiency of capital allocation. Journal of Corporate Finance, v. 39, p. 193-209, 2016. DOI: 10.1016/j.jcorpfin.2016.02.008.

FINKELSTEIN, S.; HAMBRICK, D. C. Strategic leadership: top executives and their effects on organizations. Australian Journal of Management, v. 22, n. 2, p. 21-224, 1997.

FISKE, S.; TAYLOR S. (1991). Social Cognition (2nd ed). McGraw-Hill: New York, 1991.

FRAGA, J.; SILVA, V. Diversidade no conselho de administração e desempenho da empresa: uma investigação empírica. Brazilian Business Review, v. 9, p. 58-80, 2012.

FRANCOEUR, C.; LABELLE, R.; SINCLAIR-DESGAGNE, B. Gender diversity in corporate governance and top management. Journal of Business Ethics, v. 81, n. 1, p. 83-95, 2008. DOI: 10.1007/s10551-007-9482-5.

GITMAN, L. J. Princípios da administração financeira. 10. ed. São Paulo, Pearson Addison Wesley, 2004.

GIUBERTI, A. C.; MENEZES-FILHO, N. Discriminação de rendimentos por gênero: uma comparação entre o Brasil e os Estados Unidos. Economia Aplicada, v. 9, n. 3, p. 369-384, 2005. DOI: 10.1590/S1413-80502005000300002.

GONÇALVES, E. B. D. P.; ESPEJO, M. M. D. S. B.; ALTOÉ, S. M. L.; VOESE, S. B. Gestão da diversidade: um estudo de gênero e raça em grandes empresas brasileiras. Enfoque: Reflexão Contábil, v. 35, n. 1, p. 95-112, 2016. DOI: 10.4025/enfoque.v35i1.30050.

GONDRIGE, E. O. D.; CLEMENTE, A.; ESPEJO, M. M. D. S. B. Estrutura do conselho de administração e valor das companhias brasileiras. BBR-Brazilian Business Review, v. 9, n. 3, p. 72-95, 2012.

GUTNER, T. Wanted: More diverse directors. Business Week, v. 30, n. 134, p. 2001.

HUANG, J.; KISGEN, D. J. Gender and corporate finance: Are male executives overconfident relative to female executives?. Journal of Financial Economics, v. 108, n. 3, p. 822-839, 2013. DOI: 10.1016/j.jfineco.2012.12.005.

HULTIN, M.; SZULKIN, R. Wages and unequal access to organizational power: An empirical test of gender discrimination. Administrative Science Quarterly, v. 44, n. 3, p. 453-472, 1999. DOI: 10.2307/2666958.

IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Código das melhores práticas de governança corporativa. 4. ed. São Paulo: IBGC, 2009.

IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Níveis de Governança Corporativa. 2011. Disponível em: < http://www.ibgc.org.br/Secao.aspx?CodSecao=20>. Acesso em: 30 de abr. de 2015.

KASSAI, S. Utilização da Análise por Envoltória de Dados (DEA) na Análise de Demonstrações contábeis. 350 fls. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) FEA- USP - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

LEE, P. M.; JAMES, E. H. She'‐e‐os: gender effects and investor reactions to the announcements of top executive appointments. Strategic Management Journal, v. 28, n. 3, p. 227-241, 2007. DOI: 10.1002/smj.575.

MADALOZZO, R. CEOs e composição do conselho de administração: a falta de identificação pode ser motivo para existência de teto de vidro para mulheres no Brasil? RAC – Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 1, p. 126-137, Jan./Fev. 2011. DOI: 10.1590/S1415-65552011000100008.

MADALOZZO, R. Teto de Vidro e Identificação: uma análise do perfil de CEO´s no Brasil. Insper Working Paper, Insper Instituto de Ensino e Pesquisa, 2010.

MARGEM, H. R. Participação das mulheres no conselho de administração e diretoria, valor e desempenho das companhias brasileiras de capital aberto. 2013. Dissertação (Mestrado em Finanças e Economia Empresarial) – Escola de Pós-graduação em economia, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 2013.

MARRY, C.; POCHIC, S. El “techo de vidrio” en Francia: el sector público es más igualitario que el privado?. Cadernos de Pesquisa [online], v. 47, n. 163, p.148-167, 2017. http://dx.doi.org/10.1590/198053144299. DOI: 10.1590/198053144299.

MARTINS, O. S.; MAZER, L. P.; LUSTOSA, P. R. B.; PAULO, E. Características e Competências dos Conselhos de Administração de Bancos Brasileiros e suas relações com seus Desempenhos Financeiros. Revista Universo Contábil, v. 8, n. 3, p. 40-61, 2012. DOI: 10.4270/ruc.2012321.

MATARAZZO, D. C. Análise financeira de balanços. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MATARAZZO, D. C. Análise financeira de balanços: abordagem básica e gerencial. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1995.

MATARAZZO, D. C. Análise financeira de balanços: abordagem básica e gerencial. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1998.

MORRISON, A. M.; VON GLINOW, M. A. Women and Minorities in Management. American Psychological Association, 1990. DOI: 10.1037/0003-066X.45.2.200.

MYERS, A. O valor da diversidade racial nas empresas. Estudos afro-asiáticos, v. 25, n. 3, p. 483-515, 2003. DOI: 10.1590/S0101-546X2003000300005.

NEELY, A.; RICHARDS, H.; MILLES, J.; PLATTS, K.; BOURNE, M. Designing performance measures: a structured approach. International Journal of Operations & Production Management, v. 17, n. 11, p. 1131-1152, 1997. DOI: 10.1108/01443579710177888.

NIELSEN, S.; HUSE, M. The contribution of women on boards of directors: Going beyond the surface. Corporate Governance: An International Review, v. 18, n. 2, p. 136-148, 2010. DOI: 10.1111/j.1467-8683.2010.00784.x.

OHLOTT, P. J.; RUDERMAN, M. N.; MCCAULEY, C. D. Gender differences in managers' developmental job experiences. Academy of Management Journal, v. 37, n. 1, p. 46-67, 1994. DOI: 10.2307/256769.

PARENTE, R. M. As Contribuições do Parecer CNE/CP 3/2004 para a Educação das relações Étnico-Raciais. In: AGUIAR, M. A. da S. et al (Orgs.). Educação e diversidade: estudos e pesquisas. Recife: Gráfica J. Luiz Vasconcelos, 2. 249-270, 2009.

PERRYMAN, A. A.; FERNANDO, G. D.; TRIPATHY, A. Do gender differences persist? An examination of gender diversity on firm performance, risk, and executive compensation. Journal of Business Research, v. 69, n. 2, p. 579-586, 2016. DOI: 10.1016/j.jbusres.2015.05.013. DOI: 10.1016/j.jbusres.2015.05.013.

POWELL, G. N.; BUTTERFIELD, D. A. Investigating the “glass ceiling” phenomenon: An empirical study of actual promotions to top management. Academy of Management Journal, v. 37, n. 1, p. 68-86, 1994. DOI: 10.2307/256770.

RAMDHONY, D.; OOGARAH-HANUMAN, V.; SOMIR, N. Career progression of women in accounting – The case of Mauritius. International Journal of Humanities and Applied Sciences, v. 2, n. 1, 2013.

ROBINSON, G.; DECHANT, K. Building a business case for diversity. The Academy of Management Executive, v. 11, n. 3, p. 21-31, 1997. DOI: 10.5465/AME.1997.9709231661.

SANTOS, B. D.; SANTOS, D. C. D.; TORQUATO, M.; SEARA, L. D. S.; SCARPIN, J. E. Relação da estrutura de capital e a diversidade de gênero no conselho de administração. In: Semead, 20., FEA USP, 2017. Anais..., 2017.

SANTOS, G. C. M., RODRIGUES, I.; DUTRA, S. E.; COSTA, B. V. L. Gestão da diversidade: um estudo entre as melhores empresas para você trabalhar. In: XI Semead, FEA USP, 2008. Anais... Semead - Seminários em Administração, São Paulo, 2008.

SHRADER, C. B.; BLACKBURN, V. B.; ILES, P. Women in management and firm financial performance: An exploratory study. Journal of Managerial Issues, p. 355-372, 1997.

SILVA, J. P. Análise financeira das empresas. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

SILVA, W. M.; MAGALHÃES FILHO, P. A. O. Existe alguma associação entre governança corporativa e diversificação na firma? Um estudo empírico com indústrias brasileiras. In: ENAMPAD, 28, Curitiba/PR. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2004.

SMITH, N.; SMITH, V.; VERNER, M. Do women in top management affect firm performance? A panel study of 2,500 Danish firms. International Journal of Productivity and Performance Management, v. 55, n. 7, p. 569-593, 2006. DOI: 10.1108/17410400610702160.

SOUZA, F. M. D.; VOESE, S. B.; ABBAS, K. Mulheres no topo: as contadoras paranaenses estão rompendo o Glass Ceiling? Advances in Scientific and Applied Accounting, v. 8, n. 2, p. 244-270, Mai./Ago., 2015. DOI: 10.14392/ASAA.2015080206.

TEIXEIRA, K. C. S.; GÓIS, J. B. H. Diversidade e equidade de gênero em empresas. Revista Gênero, v. 15, n. 2. Niterói, p. 155-162, 2015. DOI: 10.22409/rg.v15i2.659.

UN WOMEN – United Nations Entily for Gender Equality and the Empowerment of Women. Progresso of the World´s Women 2015-1016: Transforming economies, realizing rights, 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 de abr. de 2015.

VOLPIN, P. F. Governance with poor investor protection: Evidence from top executive turnover in Italy. Journal of Financial Economics, v. 64, n. 1, p. 61-90, 2002. DOI: 10.1016/S0304-405X(02)00071-5.

WEARING, C. A.; WEARING, B. Between glass ceilings: Female non-executive directors in UK quoted companies. International Journal of Disclosure and Governance, v. 1, n. 4, p. 355-371, 2004. DOI: 10.1057/palgrave.jdg.2040036.

WESTPHAL, J. D.; MILTON, L. P. How experience and network ties affect the influence of demographic minorities on corporate boards. Administrative Science Quarterly, v. 45, n. 2, p. 366-398, 2000. DOI: 10.2307/2667075.

WOLFERS, J. Diagnosing discrimination: Stock returns and CEO gender. Journal of the European Economic Association, v. 4, n. 2‐3, p. 531-541, 2006. DOI: 10.1162/jeea.2006.4.2-3.531.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8069.2018v15n34p158



Locations of visitors to this page      

Revista Contemporânea de Contabilidade, Florianópolis, Brasil. ISSN (impresso)1807-1821 - ISSN (eletrônico) 2175-8069