Indicadores de desempenho diferenciam empresas do mesmo segmento?

Luiz Henrique Figueira Marquezan, Marivane Vestena Rossato, Bernardo Cohen Ely, Tiago Ribas Fogaça

Resumo


O objetivo deste estudo foi identificar a capacidade dos indicadores de rentabilidade e lucratividade em produzir subsídios para analistas e investidores, por meio da diferenciação das empresas de um mesmo segmento de atuação. Tal abordagem segue a linha contingencial. Para isso, foram analisadas 17 empresas do segmento de edificações da B3, em 22 trimestres. Os dados, secundários, foram coletados do website da B3, adotando-se os indicadores: ROA, Margem Bruta, Margem EBITDA e Margem Líquida. Os dados foram analisados por meio de estatística descritiva e Teste de Kruskal Wallis, com o procedimento de comparações múltiplas. Os resultados possibilitaram avaliar cada indicador e empresa, identificando os que mais as diferenciam. Concluiu-se que os quatro indicadores apresentam diferenças estatisticamente significativas entre as empresas, porém em índices menores a 40% das comparações possíveis. Assim, o uso de técnicas estatísticas contribui para a identificação sobre variações significativas de desempenho entre as companhias, bem como demonstra as semelhanças em um mesmo setor econômico e pode contribuir no julgamento de analistas e investidores. O estudo discute tais impactos e a relevância desse tipo de análise por eles.

Palavras-chave


Indicadores de desempenho; Rentabilidade; Lucratividade; Teste de Kruskal Wallis; B3

Texto completo:

PDF/A

Referências


AKERLOFF, G. The market for "lemons": quality uncertainty and the market mechanism. The Quarterly Journal of Economics, v. 84 n. 3. p. 488-500, 1970. https://doi.org/10.2307/1879431

ALMEIDA, L. S. F. de; VIEIRA NETO, J.; SALLES, M. T.; SOARES, C. A. P.; ESTEVES, Y. de O. Análise comparativa entre o EVA® e os indicadores financeiros (contábeis) tradicionais de empresas da construção civil brasileira: um estudo documental. Revista Gestão & Produção, v. 23, n. 4, p. 733-756, 2016. http://dx.doi.org/10.1590/0104-530x1722-15

BIDDLE, G. C.; HILARY, G.; VERDI, R. S. How does financial reporting quality relate to investment efficiency? Journal of Accounting and Economics, v. 48, n. 2-3, p. 112-131, 2009. https://doi.org/10.1016/j.jacceco.2009.09.001

BORTOLUZZI, S. C.; ENSSLIN, S. R.; LYRIO, M. V. L.; ENSSLIN, L. Avaliação de desempenho econômico-financeiro: uma proposta de integração de indicadores contábeis tradicionais por meio da metodologia multicritério de apoio à decisão construtivista (MCDA-C). Revista Alcance - Eletrônica, v. 18, n. 2, p. 200-218, 2011. http://dx.doi.org/10.14210/alcance.v18n2.p200-218

BURNS, T.; STALKER, G. M. The management of innovation, 1961. In: TOSI, H. Theories of Organization. Londres: Sage Publications, 2009.

BUSHMAN, R. M.; SMITH, A. J. Financial accounting information and corporate governance. Journal of Accounting and Economics, v. 32, n. 1-3, p. 237-333, 2001. https://doi.org/10.1016/S0165-4101(01)00027-1

CHILD, J. Organizational structure, environment and performance: the role of strategic choice. Social Science Collection, v. 6, n. 1, p. 1-22, 1972. https://doi.org/10.1177%2F003803857200600101

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS, CPC 00. Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil-Financeiro.Brasília, 2011. Disponível em: http://www.cpc.org.br/CPC/DocumentosEmitidos/Pronunciamentos/Pronunciamento?Id=80. Acesso em: 17 nov. 2017.

CONLISK, J. Why bounded rationality? Journal of Economic Literature. v. 34, v. 2, p. 669-700, 1996.

DONALDSON, L. The contingency theory of organizations. Sage Publications, 2001.

DUARTE, H. C. F.; LAMOUNIER, W. M. Análise financeira de empresas da construção civil por comparação com índices-padrão. Enfoque: Reflexão Contábil, v. 26, n. 2, p. 9-23, 2007. http://dx.doi.org/10.4025/enfoque.v26i2.4786

EISENHARDT, K. M. Agency theory: an assessment and review. The Academy of Management Review, v. 14, n. 1, p. 57-74, 1989. http://doi.org/10.2307/258191

ELING, M.; JIA, R. Business failure, efficiency, and volatility: evidence from the European insurance industry. International Review of Financial Analysis, v. 59, p. 58-76, 2018. https://doi.org/10.1016/j.irfa.2018.07.007

GALDI, F. C. Estratégias de investimento em ações baseadas na análise de demonstrações contábeis: é possível prever sucesso? 2008. 129 f. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) - Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

GUAY, W. Discussion of value investing: the use of historical financial statement information to separate winners from losers. Journal of Accounting Research, v. 38, p. 43-51, 2000. http://doi.org/10.2307/2672907

JENSEN, M. C.; MECKLING, W. H. Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, v. 3, n. 4, p. 305–360, 1976. https://doi.org/10.1016/0304-405X(76)90026-X

KITZBERGER, H.; PADOVEZE, C. L. Integração do Modelo Fleuriet com a abordagem tradicional de análise das demonstrações contábeis. Revista Pensar Contábil, v. 6, n. 23, 2004.

KOTHARI, S. P. Capital markets research in accounting. Journal of Accounting and Economics, n. 31, p. 105-231, 2001. https://doi.org/10.1016/S0165-4101(01)00030-1

KULVIWAT, S.; GUO, C.; ENGCHANIL, N. Determinants of online information search: a critical review and assessment. Internet Research, v. 14, n. 3, p. 245-253, 2004. https://doi.org/10.1108/10662240410542670

LAMBERT, R. A. Agency theory and management accounting. In: CHAPMAN, C. S.; HOPWOOD, A. G.; SHIELDS, M. D. Handbook of management accounting research. v. 1. Amsterdã, Holanda: Elsevier, 2007. pp. 247-268.

LARWENCE, P. R.; LORSCH, J. W. Differentiation and integration in complex organizations. Administrative Science Quarterly, v. 12, n. 1, p. 1-47, 1967. http://doi.org/10.2307/2391211

LEUZ, C.; VERRECCHIA, R. E. The economic consequences of increased disclosure. Journal of Accounting Research, v. 38, p. 91-124, 2000. http://doi.org/10.2307/2672910

MACEDO, M. A. da S.; FONTES, P. F. da S. Análise do comportamento decisório de analistas contábil-financeiros: um estudo com base na Teoria da Racionalidade Limitada. Revista Contemporânea de Contabilidade, v. 1, n. 11, p. 159-186, 2009. https://doi.org/10.5007/2175-8069.2009v6n11p159

MARTINEZ, A. L. Do corporate governance special listing segments and auditing curb real and accrual-based earnings management? Evidence from Brazil. Revista Universo Contábil, v. 7, n. 4, p. 98-117, 2011. http://doi.org/10.4270/RUC.2011433

MILTERSTEINER, M. da R. A validade estatística do uso de índices fundamentalistas no mercado de capitais brasileiro: um estudo aplicado ao setor bancário. 2003. 85 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003

OLSON, D.; MOSSMAN, C. Neural network forecasts of Canadian stock returns using accounting ratios. International Journal of Forecasting, v. 19, n. 3, p. 453-465, 2003. https://doi.org/10.1016/S0169-2070(02)00058-4

PACE, E. S. U; BASSO, L. F. C.; SILVA, M. A. da. Indicadores de desempenho como direcionadores de valor. Revista de Administração Contemporânea, v. 7, n. 1, p. 37-65, 2003. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552003000100003

PENNINGTON, R. R.; KELTON, A. S. How much is enough? An investigation of nonprofessional investors information search and stopping rule use. International Journal of Accounting Information Systems, v. 21, p. 47-62, 2016. https://doi.org/10.1016/j.accinf.2016.04.003

PIOTROSKI, J. D. Value investing: the use of historical financial statement information to separate winners from losers. Journal of Accounting Research, v. 38, p. 1-41, 2000. http://doi.org/10.2307/2672906

SIEGEL, S. Estatisticanão-paramétrica: para as ciências do comportamento. 2. ed. São Paulo: Artmed, 2006.

SHEA, P. Red herrings and revelations: does learning about a new variable worsen forecasts? Economic Modelling, v. 49, p. 395-406, 2015. https://doi.org/10.1016/j.econmod.2015.05.012

SILVA, C. M. da; ALMEIDA, E. G. de A. Avaliação comparativa do modelo dinâmico versus modelo tradicional na análise das demonstrações financeiras: um estudo aplicado na Kroton Educacional S.A. Revista de Auditoria Governança e Contabilidade, v. 6, n. 22, p. 31-47, 2018.

SILVA, J. P. D. Análise financeira das empresas, 12. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

SILVA, M. P. da; COUTO, C. H. da M.; CARDOSO, A. A. B. Análise das demonstrações contábeis como ferramenta de suporte à gestão financeira. Revista Brasileira de Gestão e Engenharia, n. 13, p. 23-45, 2016.

SILVA, T. A. da; SANCHES, S. L. R.; IGARASHI, D. C. C. Contingências passivas e teoria dos prospectos: análise dos efeitos em indicadores financeiros de empresas de construção civil e construção pesada. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, v. 7, n. 1, p. 39-57, 2019. https://doi.org/10.22478/ufpb.2318-1001.0v0n0.35534

SILVEIRA, A. M.; LEAL, R. P. C.; BARROS, L. A. B. C.; CARVALHAL-DA-SILVA, A. L. Evolution and determinants of firm-level corporate governance quality in Brazil. Revista de Administração, v. 44, n. 3, p. 173-189, 2009.

TAVARES, A. de L.; SILVA, C. A. T. A análise financeira fundamentalista na previsão de melhores e piores alternativas de investimento. Revista Universo Contábil, v. 8, n. 1, p. 37-52, 2012. http://doi.org/10.4270/RUC.2012103




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8069.2019v16n38p129



Locations of visitors to this page

Revista Contemporânea de Contabilidade, Florianópolis, Brasil. ISSN (impresso)1807-1821 - ISSN (eletrônico) 2175-8069