Ensaio sobre a origem da vantagem competitiva e o desempenho operacional da firma a partir do uso de métricas contábeis

Luiz Claudio Louzada, Márcio Augusto Gonçalves, Bruno Perez Ferreira

Resumo


Este ensaio consiste em uma proposta de investigação da origem da vantagem competitiva da firma a partir do uso de métricas contidas na estrutura das demonstrações contábeis. A origem da vantagem competitiva é segregada em duas dimensões: endógenas, sendo formada por recursos à disposição da firma gerados a partir das escolhas dos gestores; e exógena, configurada por características do setor no qual a firma se insere, como o nível de competição e o dinamismo do setor de atividade. A origem da vantagem competitiva são variáveis explicativas do desempenho operacional da firma cujas proxies estão contidas na estrutura das demonstrações contábeis. Fundamentos contidos no arcabouço teórico da estratégia e no campo da contabilidade, quando aproximados, sugerem a existência de pesquisas entre campos do conhecimento que permitem  investigar o desempenho da firma em seu contexto. Espera-se que a possibilidade de aproximação entre tais campos, (i)contribuir para o aumento da capacidade interpretativa dos indicadores contidos nas demonstrações contábeis quando relativizados ao ambiente em que a firma atua; e, por conseguinte, (ii)contribuir para a utilidade das métricas contábeis como proxies para pesquisas no campo da vantagem competitiva. Assim, este ensaio (iii) sugere as hipóteses e define uma metodologia de pesquisa para investigação da origem da vantagem competitiva com adoção de proxies contidas na estrutura das demonstrações contábeis.


Palavras-chave


Vantagem competitiva; Desempenho operacional da firma; Nível de competição; Grau de dinamismo; Estrutura das demonstrações contábeis

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALLEN, R. S.; HELMS, M. M. Linking strategic practices and organizational performance to Porter’s generic strategies. Business Process Management Journal. v. 12, n. 4, p. 433-454, 2006 (DOI 10.1108/14637150610678069)

ANDREWS Kenneth R. The concept of corporate strategy of strategic management. In: MCKIERNAM, Peter. Historical evolution V.I. Bookfeld, Dartmouth Publishing Company, p. 15-44, 1996.

BAIN. J. S. The Impact on Industrial Organization. The American Economic Review, v.54, nº 3, p. 28-32, May, 1964.

BANKER, R. D.; MASHRUWALA, R.; TRIPATHY, A. Does a differentiation strategy lead to more sustainable financial performance than a cost leadership strategy? Management Decision, v. 52, p. 872-896, 2014. (DOI: 10.1108/MD-05-2013-0282)

BANKER, R. D.; HU, N.; PAVLOU, A. P.; LUFTMAN, J. CIO Reporting structure, strategic positioning, and firm performance. MIS Quartely research article. v. 35. n. 2, p. 487-504, jun 2011.

BARNEY J. Resource-based theories of competitive advantage: a ten-year retrospective on the resource based view. Strategic Management Journal nº 27, p. 643–650, 2001. (DOI: 10.1177/014920630102700602)

BARNEY, J. B. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v.17, nº 1, p. 99-120, 1991. (DOI: 10.1177/014920639101700108)

BRITO, L. A.L. Os componentes da variância da taxa de crescimento da firma. 2005. 238 f. Tese (Doutorado em Administração de Empresas) – Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2005.

BRITO, Renata Peregrino de; BRITO, Luiz Artur Ledur. Vantagem competitiva e sua relação com o desempenho: uma abordagem baseada em valor. Revista de Administração Contemporânea, v. 16, n. 3, p. 360-380, mai./jun. 2012.

BYRNS, R.; STONE JUNIOR,G. W. Microeconomia. São Paulo: Makron Books, 1996.

CAVES, R. E. Economic analysis and the quest for competitive advantage. American Economic Review, v.74, nº 2, p. 127, 1984.

CHAMBERS, Raymond J. Accounting, evaluation and economic behavior. Texas: Scholars Book, 1966.

COFF, R. W. The coevolution of rent appropriation and capability development. Strategic Management Journal, v.31, nº 7, p. 711-733, 2010. (DOI: 10.1002/smj.844)

COMBS, J. G.; CROOK, T. R.; SHOOK, C. L. The dimension of organizational performance and its implications for strategic management research. In: D. J. KETCHEN e D. D. BERGH (Orgs.), Research Methodology in Strategy and Management, San Diego, Elsevier, p.259-286, 2005. (DOI: 10.1016/S1479-8387(05)02011-4)

FARINA, E. M. M. Q.; AZEVEDO, P. F. de; SAES, M. S. M. Competitividade: mercado, estado e organizações. Editora Singular, São Paulo, 1997.

FOSS, N. J. Research in strategy, economics and Michael Porter. Journal of Management Studies, v.33, nº 1, p. 1-24, 1996. (DOI: 10.1111/j.1467-6486.1996.tb00796.x)

FOSS, N. J. Resources, firms and strategies: a reader in the resource-based perspective. New York: Oxford University Press, p. 3-18, 1997.

HAMEL, G. The concept of core competence. Competence-based competition. Chichester: John Willey & Sons, 1994.

HENDRIKSEN, Eldon S.; VAN BREDA, Michael F. Teoria da contabilidade. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

LOUZADA, Luiz Cláudio. Relação entre barreiras de entrada e o retorno empresarial no mercado brasileiro a partir de dados das demonstrações contábeis. 2004. 142 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade, Economia e Finanças (FUCAPE), Vitória, 2004.

OHLSON, J. A. An overview. China Journal of Accounting Research. v. 7, p. 65–80, 2014. (DOI.10.1016/j.cjar.2014.03.003)

PALEPU, K. G.; HEALY P. M. Business Analysis & Valuation: Using Financial Statements, 4º ed. Thomson South-Western, 2008.

PHILIPS, Edward G. The accretion concept of income. The Accounting Review.v.38, nº 1, p. 14-25, jan. 1963.

PORTER, Michael E. Industrial organization and the evolution of concepts for strategic planning: the new learning. Managerial and Decision Economics, v.4, nº 3, p. 172-180, set. 1983. (DOI: 10.1002/mde.4090040307)

PORTER, Michael E. The structure within industries and companies’ performance. The Review of Economics and Statistics, v.61, nº 2, p. 214-227, may. 1979. (DOI: 10.2307/1924589)

POWELL, T. C. Competitive advantage: logical and philosophical considerations. Strategic Management Journal, v.22, nº 9, p. 875-888, 2001. (DOI: 10.1002/smj.173)

RUMELT, R. P.; SCHENDEL, D. E.; TEECE, D. J. Strategic management and economics. Strategic Management Journal, v.12, special issue, p. 5-29, 1991. (DOI: 10.1002/smj.4250121003)

SCHERER, F. M; ROSS, D. Industrial market structure and economic performance. EUA: Houghton Mifflin Company, 1990.

SOUTH, S. E. Competitive advantage: the cornerstone of strategic thinking. The Journal of Business Strategy, v.1, nº 4, p.15, 1981. (DOI:10.1108/eb038908)

TEECE, D. J.; PISANO, G. P.; SHUEN, A. Dynamic capabilities and strategic management. Strategic Management Journal, v.18, nº 7, p. 509-533, 1997.(DOI: 10.1002/(SICI)1097-0266(199708))

VASCONCELOS, F. C.; BRITO, L. A. L. Vantagem competitiva: o construto e a métrica. Revista de Administração de Empresas, v.44, nº 2, p. 70-82, 2004.

VASCONCELOS, Flávio C.; CYRINO, Álvaro B. Vantagem competitiva: os modelos teóricos atuais e a convergência entre estratégia e teoria organizacional. Revista de Administração de Empresas, v.40, nº 4, p. 20-37, out./dez. 2000. (DOI.org/10.1590/S0034)

WERNERFELT, B. A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal, nº 5, p.171–180, 1984. (DOI: 10.1002/smj.4250050207)

WIGGINS, R. R.; RUEFLI, T. W. Sustained competitive advantage: temporal dynamics and the incidence and persistence of superior economic performance. Organization Science, v.13, nº 1, p. 81-105, 2002. (DOI.ORG/10.1287/ORSC.13.1.81.542)

ZIMMERMAN, J. Accounting for decision making and control. Boston: Irwin/McGraw Hill, 1997.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8069.2017v14n33p158



Locations of visitors to this page

Revista Contemporânea de Contabilidade, Florianópolis, Brasil. ISSN (impresso)1807-1821 - ISSN (eletrônico) 2175-8069