Fatores contingenciais que contribuem para a adoção do custeio alvo: estudo de caso em uma empresa de serviços

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8069.2021.e76125

Palavras-chave:

Custeio Alvo, Fatores contingenciais, Empresas de serviços

Resumo

O objetivo desse trabalho foi analisar a influência dos fatores contingenciais no sistema de custeio alvo de uma empresa prestadora de serviços no Estado do Rio de Janeiro. A pesquisa realizada foi um estudo de caso em uma empresa de consultoria em Tecnologia da Informação onde foram coletadas informações por meio de entrevistas acerca de aspectos contingencias (ambiente, tecnologia, estrutura e estratégia) e de atributos relacionados ao sistema de custeio alvo. Para a análise das informações coletadas foi considerada a técnica de análise de conteúdo. Os resultados demonstram que a empresa estudada está inserida em um setor dinâmico, a tecnologia em suas atividades é muito presente. Trata-se de uma empresa de médio porte com razoável descentralização e que atribui muita importância a gestão estratégica de custos. O sistema de custeio alvo é considerado pelos entrevistados como de grande relevância para gerenciar custos e alcançar os objetivos da organização.

Biografia do Autor

Eliane Cortes Braga, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis (UFPB)

Professora no Instituto Multidisciplinar - Nova Iguaçu (UFRRJ)

Josélia Fernandes do Nascimento, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Mestra em Ciências Contábeis (UFPB)

Antônio André Cunha Callado, Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)

Doutor em Administração (UFPB)

Professor do Programa de Pós-Graduação em Controladoria (UFRPE) e do Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis (UFPB)

Referências

Andrade, M. M. de. (1999). Introdução à metodologia do trabalho científico. São Paulo: Atlas.

Ax, C., Greve, J., & Nilsson, U. (2008). The impact of competition and uncertainty on the adoption of target costing. International Journal of Production Economics, 115(1), 92-103. https://doi.org/10.1016/j.ijpe.2008.04.010

Baines, A., & Langfield-Smith, K. (2003). Antecedents to management accounting change: a structural equation approach. Accounting, organizations and society, 28(7-8), 675-698. https://doi.org/10.1016/S0361-3682(02)00102-2

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo (LA Reto, & A. Pinheiro, Trad.) Lisboa: Edições 70.

Berts, K.; Kock, S. (1995). Implementation considerations for activity-based cost systems in service firms the unavoidable challenge. Management Decision, 33(6), 57-63. https://doi.org/10.1108/00251749510087669

BNDES. Banco Nacional do Desenvolvimento. (2018). Disponível em: https://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/faq/apoiofinanceiro/1944455039/2134060738/1782308253. Acesso em: 20 Dez. 2018.

Bueren, I. M., & Fiorentin, M. (2014). Influência de Fatores Contingenciais nos Atributos do Sistema de Contabilidade Gerencial: um estudo em empresas têxteis do Estado do Rio Grande do Sul. Revista de Ciências da Administração, 16(38), 196-212. https://doi.org/10.5007/2175-8077.2014v16n38p195

Bomfim, E. T., Callado, A. A. C., & Callado, A. L. C. (2018). Aspectos do custeio alvo na gestão de custos: um estudo em micro e pequenas empresas do setor de informática e tecnologia de Campina Grande-PB. In Anais do Congresso Brasileiro de Custos-ABC.

Brizolla, M. M. B., Chiarello, T. C., Fasolin, L. B., & da Rosa, F. S. (2017). Custeio alvo sob o enfoque da Teoria Contingencial em organizações agrícolas. Custos e @gronegócio on line. 13(2), 354-385.

Cadez, S., & Guilding, C. (2008). An exploratory investigation of an integrated contingency model of strategic management accounting. Accounting, organizations and society, 33(7-8), 836-863. https://doi.org/10.1016/j.aos.2008.01.003

Camacho, R. R., & Rocha, W. (2008). Custeio-alvo em serviços hospitalares um estudo sob o enfoque da gestão estratégica de custos. Revista Contabilidade & Finanças, 19(47), 19-30. https://doi.org/10.1590/S1519-70772008000200003

Camacho, R. R. (2010). Fatores condicionantes da gestão de custos interorganizacionais na cadeia de valor de hospitais privados no Brasil: uma abordagem à luz da Teoria da Contingência (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).

Cervo, A. L., Bervian, P. A. & Silva, R. (2007). Metodologia científica. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

Chapman, C. S. (1997). Reflections on a contingent view of accounting. Accounting, organizations and society, 22(2), 189-205. https://doi.org/10.1016/S0361-3682(97)00001-9

Chen, R. C., & Chung, C. H. (2002). Cause-effect analysis for target costing. Management accounting quarterly, 3(2), 1-9.

Chenhall, R. H. (2003). Management control systems design within its organizational context: findings from contingency-based research and directions for the future. Accounting, organizations and society, 28(2-3), 127-168. https://doi.org/10.1016/S0361-3682(01)00027-7

Cooper, R. (1996). Costing techniques to support corporate strategy: evidence from Japan. Management Accounting Research, 7(2), 219-246. https://doi.org/10.1006/mare.1996.0013

Donaldson, L. (2007). Teoria da contingência estrutural. In: CLEGG, S. R. et al. (Org.). Handbook de Estudos Organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. v. 1, São Paulo, Atlas.

Gagne, M. L.; Discenza, R. (1995). Target costing. Journal of Business & Industrial Marketing, 10(1), 16-22. https://doi.org/10.1108/08858629510081559

Gil, A. C. (1999). Pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Guerreiro, R., Pereira, C. A., & Rezende, A. J. (2006). Em busca do entendimento da formação dos hábitos e das rotinas da contabilidade gerencial: um estudo de caso. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 7(2), 78-101. https://doi.org/10.1590/1678-69712006/administracao.v7n2p78-101

Gonçalves, T., Gaio, C., & Silva, M. (2018). Target costing and innovation-exploratory configurations: A comparison of fsQCA, multivariate regression, and variable cluster analysis. Journal of Business Research, 89(8), 378-384. https://doi.org/10.1016/j.jbusres.2018.01.054

Ellram, L. M. (2002). Supply management's involvement in the target costing process. European Journal of Purchasing & Supply Management, 8(4), 235-244. https://doi.org/10.1016/S0969-7012(02)00019-9

Everaert, P., Loosveld, S., Van Acker, T., Schollier, M., & Sarens, G. (2006). Characteristics of target costing: theoretical and field study perspectives. Qualitative Research in Accounting & Management. 3(3), 236–263.

Feil, P., Yook, K. H., & Kim, I. W. (2004). Japanese target costing: a historical perspective. International Journal, 11(1), 10-19.

Gopalakrishnan, M., Samuels, J., & Swenson, D. (2007). Target costing at a consumer products company: this global manufacturer uses it to introduce new products. Strategic Finance, 37-42.

Heineke, J., & Davis, M. M. (2007). The emergence of service operations management as an academic discipline. Journal of operations management, 25(2), 364-374. https://doi.org/10.1016/j.jom.2006.11.003

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Serviços. Brasília, 2017. Disponível em: http://brasilemsintese.ibge.gov.br/servicos.html. Acesso em: 04 Nov. 2020.

Kato, Y. (1993). Target costing support systems: lessons from leading Japanese companies. Management accounting research, 4(1), 33-47. https://doi.org/10.1006/mare.1993.1002

Lacity, M. C., & Leslie P. W. (2017). A new approach to automating services. MIT Sloan Management Review.

Lemos Junior, L. C., & Colauto, R. D. (2013). Target Costing e custeio direto em instituição confessional de ensino: uma aplicação no curso de graduação em administração. Revista Espacios, 34(1).

Manzanares, M. A. B., Molina, E. C., & Fernández, L. C. (2001). El coste objetivo como modelo para la gestión de costes en la empresa. In Cruzando fronteras: tendencias de contabilidad directiva para el siglo XXI: actas VII Congreso Internacional de Costos y II Congreso de la Asociación Española de Contabilidad Directiva.

Marques, K. C. M., & Rocha, W. (2017). Knowledge construction on target costing: an analysis of surveys on factors that enhance its adoption and use. Revista Contemporânea de Contabilidade, 14 (32), 3-20. DOI: http://dx.doi.org/10.5007/2175-8069.2017v14n32p3

Marques, K. C. M. (2012). Custeio alvo à luz da teoria da contingência e da nova sociologia institucional: estudo de caso sobre sua adoção, implementação e uso (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).

Martins, G. D. A., & Theóphilo, C. R. (2016). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas.

Negri, J. A. de; Kubota, L. C. (org.). Estrutura e Dinâmica do Setor de Serviços no Brasil. IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada, Brasília, 2006. Recuperado em 10 dezembro, 2018, de http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=5513

Oliveira, A. B. S. (2011). Métodos da pesquisa contábil. São Paulo: Atlas, 81.

Porporato, M., & Waweru, N. (2011). La teoría de la contingencia en contabilidad de gerencial: un repaso de la literatura anglosajona. Revista Iberoamericana de Contabilidad de Gestión, 9(17), 1-16.

Raupp, F. M., & Beuren, I. M. (2006). Metodologia da Pesquisa Aplicável às Ciências. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 76-97.

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Rocha, W., & Martins, E. A. (1998). Custeio alvo (target costing). In Anais do Congresso Brasileiro de Custos-ABC.

Rasit, Z. A., & Ismail, K. (2017). Incorporating contingency theory in understanding factors influencing target costing adoption. Advanced Science Letters, 23(8), 7804-7808. https://doi.org/10.1166/asl.2017.9581

Sakurai, M. (1997). Gerenciamento integrado de custos. São Paulo. Atlas.

Sandoval, L. S. G. (2013). Los enfoques de sistemas de la administración y las contingencias: como contribuyen al buen funcionamiento de la empresa. Revista Estratégia Organizacional. 2(1) 55-62. https://doi.org/10.22490/25392786.1481

Santos, W. dos. O avanço da Tecnologia da Informação como serviço Disponível em: https://economiadeservicos.com/tag/estrutura-do-setor-de-servicos/. Acesso em: 12 Dez. 2018.

Sebrae - Serviço Brasileiro de apoio às Micro e Pequenas Empresas. PIB (2018). Disponível em: http://datasebrae.com.br/pib/#setores. Acesso em: 04 Nov. 2020.

Silva, M. Z., Scarpin, J. E., Rocha, W., & Di Domenico, D. (2014). Fatores contingenciais que contribuem para a decisão de modificação do sistema de custeio: estudo de caso em uma indústria moageira. Revista de Administração, 49(2), 267-279. https://doi.org/10.5700/rausp1145

Vergara, S. C. (2012). Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.

Publicado

2021-04-30

Como Citar

Braga, E. C., Nascimento, J. F. do, & Callado, A. A. C. (2021). Fatores contingenciais que contribuem para a adoção do custeio alvo: estudo de caso em uma empresa de serviços. Revista Contemporânea De Contabilidade, 18(47), 109-123. https://doi.org/10.5007/2175-8069.2021.e76125

Edição

Seção

Artigos