Mercado imobiliário? Planejamento público? Qual a controvérsia na ocupação do solo urbano?

Amalia Maria Goldberg Godoy

Resumo


A urbanização é caracterizada pela sua escala e pela concentração. Nesse contexto, duas correntes discutem o assunto. Uma corresponde à visão de que o Estado é responsável pelo planejamento do uso e ocupação do solo e a outra visão versa que as livres forças do mercado imobiliário permitem o alcance da melhor ordem espacial urbana. Nesse contexto, o objetivo do artigo é apresentar as correntes teóricas e, baseada na exposição histórica dos planos diretores de Maringá, discutir que a descentralização permite maiores condições de influência dos agentes imobiliários. Conclui-se que as teorias apresentadas têm aspectos relevantes, embora não dêem conta dos novos elementos e poderes de condução da iniciativa privada e que os planos diretores de Maringá sempre foram resultados explícitos das negociações das forças econômicas locais com o Estado.


Palavras-chave


Economia urbana; Planejamento urbano; Maringá

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8085.2009v12n1p11

Creative Commons License
Revista Textos de Economia. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil - - - eISSN: 2175-8085 - - - está licenciada sob Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional
> > > > >