Participação da mulher no mercado de trabalho brasileiro de 2014 a 2019

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8085.2020.e71522

Palavras-chave:

Mercado de trabalho brasileiro, Desigualdade de gênero, Segregação ocupacional

Resumo

A primeira década do século XXI no Brasil foi caracterizada por uma melhora do mercado de trabalho, em que ocorreu o aumento do salário mínimo e o aumento da formalização. Essa melhora do mercado de trabalho foi positiva para homens e mulheres, em que houve redução do desemprego e um aumento da formalização. Entretanto, o cenário se altera e o país passou por uma recessão em 2014-2016 e estagnação em 2016-2018, que acarretou um aumento considerável da taxa de desemprego, bem como da informalidade do trabalho. O objetivo deste trabalho é analisar as mudanças na participação da mulher no mercado de trabalho brasileiro nesse momento de piora da atividade econômica. Utilizamos dados da PNAD Contínua para estruturar a participação da mulher no mercado de trabalho brasileiro por ocupação entre 2014 -2019. Um dos resultados encontrados foi que que a remuneração das mulheres se aproximou à dos homens, mas foi mantida a segregação ocupacional, isto é, mulheres continuaram inseridas em atividades voltadas aos cuidados e homens em atividades voltadas a produção. Os resultados sugerem que a redução de desigualdade salarial entre mulheres e homens foi consequência de deterioração do mercado de trabalho brasileiro com perdas de poder aquisitivo aos ocupados e não uma melhora na inserção feminina.

Referências

ALONSO-VILLAR, O; DEL RÍO, C. The occupational segregation of African American women: Its evolution from 1940 to 2010. Feminist Economics, v. 23, n. 1, p. 108-134, 2017.

ARESTIS, P.; BALTAR, C. T. Income Distribution, Productivity and Economic Growth: Empirical Evidence in the Case of Brazil. In: ARESTIS, P.; BALTAR, C. T.; DANIELA MAGALHÂES PRATES (Eds.). The Brazilian Economy since the Great Financial Crisis of 2007/2008. [s.l.] Palgrave Macmillan UK, 2017.

ARESTIS, P.; BALTAR, C. T. A model of economic growth for an open emerging country: empirical evidence for Brazil. Structural Change and Economic Dynamics, v. 49, n. C, p. 217–227, 2019.

BALTAR, C. T.; ROLIM, L. N. Desigualdade e vulnerabilidade no mundo do trabalho. In: KREIN, J. D.; GIMENEZ, D. M.; SANTOS, A. L. DOS (Eds.). Dimensões Críticas da Reforma Trabalhista no Brasil. Campinas, SP: Curt Nimuendajú, 2018.

BALTAR, C. T.; ROLIM, L. N.; LEONE, E. T. The effects of the Brazilian recession on income inequality between men and women mimeo, 2018.

BALTAR, P.; LEONE, E. Perspectivas para o mercado de trabalho após o crescimento com inclusão social. Estudos Avançados, v. 29, n. 85, p. 53–67, dez. 2015.

BURNELL, B. S. Some reflections on the spatial dimensions of occupational segregation. Feminist Economics, v. 3, n. 3, p. 69-86, 1997.

CALIXTRE, A.; FAGNANE, E. A Política Social e os Limites do Experimento Desenvolvimentista (2003-2014) Discussion Paper IE/UNICAMP, n. 295, 2017.

DEL RÍO, C; ALONSO-VILLAR, O. Occupational segregation of immigrant women in Spain. Feminist Economics, v. 18, n. 2, p. 91-123, 2012.

HERRERA, C; DIJKSTRA, G; RUBEN, R. Gender segregation and income differences in Nicaragua. Feminist Economics, v. 25, n. 3, p. 144-170, 2019.

HIRATA, H. O que mudou e o que permanece no panorama da desigualdade entre homens e mulheres? Divisão sexual do trabalho e relações de gênero numa perspectiva comparativa. In: LEONE, E. T.; KREIN, D.; TEIXEIRA, M. (Eds.). Mundo do trabalho das mulheres: ampliar direitos e promover a igualdade. São Paulo: Secretaria de Políticas do Trabalho e Autonomia Econômica das Mulheres, 2017.

KREIN, J. D. et al. Flexibilização das relações de trabalho: insegurança para os trabalhadores. In: KREIN, J. D.; GIMENEZ, D. M.; SANTOS, A. L. DOS (Eds.). Dimensões Críticas da Reforma Trabalhista no Brasil. Campinas: Curt Nimuendajú, 2018.

LEONE, E. Os impactos do crescimento econômico com inclusão social na participação das mulheres no mercado de trabalho. In: LEONE, E.; KREIN, D.; TEIXEIRA, M. (Eds.). Mundo do Trabalho das Mulheres. Ampliar Direitos e promover a igualdade. São Paulo: Secretaria de Políticas do Trabalho e Autonomia Econômica das Mulheres, 2017.

LEONE, E. T. Participação das mulheres no mercado de trabalho brasileiro no contexto do crescimento econômico com distribuição de renda (2004-2013). Texto para Discussão, IE/Unicamp, n. 363, p. 14, 2019.

LEVANON, A; ENGLAND, P; ALLISON, P. Occupational feminization and pay: Assessing causal dynamics using 1950–2000 US census data. Social Forces, v. 88, n. 2, p. 865-891, 2009.

MADALOZZO, R. Occupational segregation and the gender wage gap in Brazil: an empirical analysis. Economia aplicada, v. 14, n. 2, p. 147-168, 2010.

MELO, H. P. DE; THOMÉ, D. Mulheres e poder. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2018.

OLIVEIRA, A.M.H.C. (1998) Indicadores de segregação ocupacional por sexo no Brasil. XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP. Caxambu, MG. Belo Horizonte.

OLIVEIRA, A. M. H. A Segregação Ocupacional por Gênero e seus Efeitos sobre os Salários no Brasil. In: WAJNMAN, S e MACHADO, A.F (Eds.). Mercado de Trabalho: Uma Análise a partir das Pesquisas Domiciliares no Brasil. Belo Horizonte, Ed. UFMG,2003.

RIBEIRO, R. AND ARAUJO, G.S. (2016) Occupational segregation in the labour market according to skin colour and level of schooling in contemporary Brazil. Nova Economia, vol. 26 (1), pp. 147-177.

SALARDI, P. The Evolution of Gender and Racial Occupational Segregation Across Formal and Non‐Formal Labor Markets in Brazil, 1987 to 2006. Review of Income and Wealth, v. 62, p. S68-S89, 2016.

TEIXEIRA, M.O. (2017) O que gera e perpetua a segregação, a discriminação e as desigualdades salariais. In: Leone, E; Krein, J.D. and Teixeira, M. (Orgs.) Mundo do Trabalho das Mulheres. Ampliar Direitos e promover a igualdade. São Paulo. Secretaria de Políticas do Trabalho e Autonomia Econômica das Mulheres. Campinas, SP. Unicamp. IE. Cesit.

Downloads

Publicado

2020-06-30

Edição

Seção

Artigos