O papel da mulher na agricultura familiar de Concórdia (SC): o tempo de trabalho entre atividades produtivas e reprodutivas

Autores

  • Jordan Brasil dos Santos UFFS
  • Liana Bohn UFSC
  • Helberte João França Almeida UFSC

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8085.2020.e71525

Palavras-chave:

Gênero, Divisão do trabalho, Afazeres domésticos, Trabalho de cuidado, Jornada de trabalho

Resumo

A pluratividade desempenhada pelas mulheres é essencial nas pequenas unidades produtivas rurais, mas economicamente seu trabalho não é percebido com a mesma importância dada às atividades tradicionalmente masculinas da agricultura. Buscando evidenciar os esforços femininos em termos de trabalho remunerado e não-remunerado, o presente estudo, a partir de entrevistas com agricultores e agricultoras familiares de Concórdia (SC), questiona se é possível afirmar que o trabalho da mulher é invisibilizado na agricultura familiar por desconsiderar o tempo de trabalho reprodutivo. Ao utilizar um município catarinense como objeto de estudo, a pesquisa assume um caráter local, mostrando que há trabalho fora do trabalho formal, e que, além do trabalho remunerado, existem diferentes atividades que devem ser reconhecidas para a compreensão da posição da mulher na economia e, especialmente, na agricultura familiar. Mediante as respostas da pesquisa de campo, é possível dizer que a dupla jornada entre as mulheres agricultoras justifica a visão de que elas não têm participação ativa no trabalho produtivo, servindo apenas como uma ajuda. Além disso, há uma percepção, por parte dos cônjuges, relativamente próxima do tempo que realmente é despendido na jornada de trabalho do parceiro, o que não tem significado a adoção de uma postura mais colaborativa nos casais. Como há certa reprodução da divisão do trabalho quando se analisa o tempo gasto nas atividades dos filhos, fica evidente que conhecer a estrutura de gênero por detrás das atividades rurais é uma forma de balizar políticas públicas voltadas ao desenvolvimento da agricultura familiar e à promoção da equidade de gênero via empoderamento feminino.

Biografia do Autor

Jordan Brasil dos Santos, UFFS

Possui graduação em Bacharel em Teologia pela Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana (2012) e graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Santa Catarina (2017). Atualmente é Reverendo da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil no oeste de SC e mestrando em História pela UFFS - Universidade Fronteira Sul em Chapecó/SC na área de Movimentos Sociais com ênfase em estudo de Gênero na criação do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB). Tem experiência na área de Educação, Teologia e Pastoral.

Liana Bohn, UFSC

Doutora em Economia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), na linha de pesquisa de Globalização e Desenvolvimento, Mestre em Economia (com ênfase em Desenvolvimento Econômico e Políticas Públicas) pela Universidade Federal de Viçosa (2013) e Bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Santa Maria (2010). Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal de Santa Catarina, com as linhas de pesquisa se concentrando na área de Desenvolvimento Econômico, especialmente em Economia de Gênero e Economia Feminista.

Helberte João França Almeida, UFSC

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de São João Del-Rei (2009), mestrado em Economia pela Universidade Federal de Santa Catarina (2012) e doutorado em Ciências Economicas pela Universidade Federal de Santa Catarina (2016). Professor adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em racionalidade limitada, complexidade e modelagem baseada em agentes

Referências

ANDRADE, T. Mulheres no mercado de trabalho: onde nasce a desigualdade? Estudo Técnico, Consultoria Legislativa, Câmara dos Deputados. Brasília, Jul/2016. Disponível em http://www2.camara.leg.br/a-camara/documentos-e-pesquisa/estudos-e-notas-tecnicas/areas-da-conle/tema7/2016_12416_mulheres-no-mercado-de-trabalho_tania-andrade.

ÁVILA, M. B.; FERREIRA, V.(Org.). Trabalho remunerado e trabalho doméstico no cotidiano das mulheres. SOS Corpo instituto Feminista para a Democracia, Instituto Patrícia Galvão. Recife: SOS Corpo, 2014.

BANDEIRA, L. M.; PRETURLAN, R. B. As pesquisas sobre uso do tempo e a promoção da igualdade de gênero no Brasil. In: FONTOURA, N.; ARAÚJO, C.; BARAJAS, M. P. L. (Orgs.). Uso do tempo e gênero. Rio de Janeiro: UERJ, 2016.

BLAY, E.A.; AVELAR, L. 50 anos de feminismos - Argentina, Brasil e Chile: a construção das mulheres como atores políticos e democráticos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2017.

BOHN, L.; CATELA, E. Y. A. S. Há economia feminista na ciência econômica Brasileira? Avaliação da produção científica na área entre 1990-2015. Anais. XX Encontro de Economia da Região Sul, 2017.

BRUSCHINI, C. Trabalho doméstico: Inatividade econômica ou trabalho não-remunerado? Anais. Seminário Internacional Mercado de Trabalho e Gênero – Comparação Brasil-França. São Paulo: USP/ UFRJ/, Abr. 2007.

CARLOTO, C. M.; GOMES, A. G. Geração de renda: enfoque nas mulheres pobres e divisão sexual do trabalho. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 105, p. 131-145, Jan-Mar 2011.

CARNEIRO, M. J. Herança e gênero entre agricultores familiares. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, ano 9, p. 22-55, 2001.

CARRASCO, C. A sustentabilidade da vida humana: um assunto de mulheres. In: FARIA, N.; NOBRE, M. Produção do viver. São Paulo: Cadernos SOF, 2003.

CEPAL. Comissão Econômica para a América Latina e Caribe. Guía de asistencia técnica para la producción y el uso de indicadores de género. Santiago: Cepal, Unidad Mujer y Desarrollo, 2006.

CORDEIRO, R. L. M. Agricultura familiar, trabalho feminino e ação coletiva. Anais. Encontro Nacional Abrapso. Rio de Janeiro, UERJ, 2007. Disponível em: http://www.abrapso.org.br/siteprincipal/anexos/AnaisXIVENA/conteudo/pdf/trab_completo_187.pdf.

COSTA, M. C.; LOPES, M. J. M.; SOARES, J. S. F. Violência contra mulheres rurais: gênero e ações de saúde. Revista de Enfermagem, Porto Alegre, v. 19, n.1, p. 162-168, Jan-Mar 2015.

HERRERA, K.M. Uma análise do trabalho da mulher rural através da perspectiva da multifuncionalidade agrícola. Anais. Fazendo Gênero 10, Florianópolis, 2013.

HIRATA, H. KERGOAT, D. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, p. 595-609, Set-Dez./2007.

ITABORAÍ; N. R. Temporalidades plurais: desigualdades de gênero e classe nos usos do tempo das famílias brasileiras. In: FONTOURA, N.; ARAÚJO, C.; BARAJAS, M. P. L. (Orgs.). Uso do tempo e gênero. Rio de Janeiro: UERJ, 2016.

KERGOAT, D. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: HIRATA. H; LABORIE, F.; LE DAARÉ, H.; SENOTIER, D. (Orgs.) Dicionário Crítico do Feminismo. São Paulo: UNESP, 2009.

LOVATTO, P.; CRUZ, P.P.; MAUCH, C.R.; BEZERRA, A.A. Gênero, sustentabilidade e desenvolvimento: uma análise sobre o papel da mulher na agricultura familiar de base ecológica. Redes, Santa Cruz do Sul, v.15, p. 191 – 212, Mai/Ago, 2010.

MELO, H. P.; CASTILHO; Marta Reis. Trabalho reprodutivo no Brasil: quem faz? Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 13, n.1, p. 135-158, Jan/Abr 2009.

MELO, L. A. Injustiças de Gênero: o trabalho da mulher na agricultura familiar. Ouro Preto: Fundação Joaquim Nabuco, 2002.

PINHEIRO, L. S. Determinantes da alocação de tempo em trabalho reprodutivo: uma revisão sobre os achados em pesquisas nacionais e internacionais. In: FONTOURA, N.; ARAÚJO, C.; BARAJAS, M. P. L. (Orgs.). Uso do tempo e gênero. Rio de Janeiro: UERJ, 2016.

PNUD/IPEA/FJP. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento/Instituo de Pesquisa Econômica Aplicada/Fundação João Pinheiro. Desenvolvimento humano para além das médias. Brasília: PNUD/IPEA/FJP, 2017.

SCHKOLNIK, S. Acerca de la inclusión del enfoque de género en los censos de población y vivienda. Notas de población N° 91. CEPAL: Fondo de Población de las Naciones Unidas (UNFPA), Centro Latinoamericano y Caribeño de Demografía (CELADE) - División de Población de la CEPAL, 2010.

SCHMITZ, A. M.; SANTOS, R. A. A divisão sexual do trabalho na agricultura familiar. Anais. Seminário Internacional Fazendo Gênero 10, Florianópolis, 2013. Disponível em: http://www.fg2013.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/20/1371853408_ARQUIVO_TextoFazendogenero10.pdf.

SOARES, C.; SABÓIA, A. L. Tempo, trabalho e afazeres domésticos: um estudo com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2001 e 2005. Rio de Janeiro: IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais, 2007.

SOUSA , L. P. ; GUEDES, D. R. A desigual divisão sexual do trabalho: um olhar sobre a última década. Estudos Avançados, v. 30, n. 87, Mai/Ago 2016.

Downloads

Publicado

2020-06-30

Edição

Seção

Artigos