Uma análise empírica da relação entre Crédito Bancário e Crescimento Econômico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8085.2021.e72868

Palavras-chave:

Crédito bancário, Crescimento econômico, Desenvolvimento financeiro, Causalidade

Resumo

Objetivo: Este trabalho testa a hipótese de que o crédito bancário é necessário para o crescimento econômico, dependendo do nível de desenvolvimento econômico e financeiro do país. Busca-se também verificar se a relação entre
desenvolvimento financeiro e crescimento econômico é monotônica. Método: Para isso, a metodologia de causalidade de Granger é utilizada para dados em painel referentes 106 países para o período entre 1970 e 2016. Resultado: Observa-se que houve uma expansão do crédito mundial acima do crescimento econômico observado ao longo do período estudado. Os principais achados empíricos indicam que, de maneira generalizada, o crédito provoca crescimento econômico e vice-versa, além de verificar a não monotonicidade da relação entre desenvolvimento financeiro e crescimento econômico, sendo que para índices crédito/PIB muito baixos a causalidade do crédito para o PIB não é verificada. Conclusões: A maioria dos países analisados ainda não atingiu um nível de desenvolvimento financeiro considerado alto. Assim, ainda há espaço para a aplicação de políticas de incentivo à melhoria do sistema financeiro.

Biografia do Autor

Marcos Roberto Vasconcelos, Professor Associado do Departamento de Economia, Universidade Estadual de Maringá

Graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Paraná (1992) e doutorado em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas (1998). Atualmente é professor associado do Departamento de Economia da Universidade Estadual de Maringá. Foi vice-presidente de controle e risco (08/2007 a 03/2011) e vice-presidente de Ativos de Terceiros (04/2011 a 07/2016) da Caixa Econômica Federal. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Teoria Geral da Economia, atuando principalmente nos seguintes temas: concorrência bancária, sistema bancário brasileiro, política fiscal e monetária, mercado de trabalho e desigualdade de renda.

Vitor Gomes Reginato

Doutor em Economia pela Universidade Estadual de Maringá

Marina Silva da Cunha, Professora titular da Universidade Estadual de Maringá, Departamento de Economia

Doutora em Economia Aplicada pela ESALQ/USP e Pós-doutorado pela UNB

Professora titular da Universidade Estadual de Maringá, Departamento de Economia

Referências

ABRIGO, M. R. M.; LOVE, I. Estimation of panel vector autoregression in Stata. Stata Journal. v.16, n.3, p. 778–804, 2016

AIKMAN, D.; HALDANE, A. G.; NELSON, B.D. Curbing the credit cycle. Economic Journal, v.125, n. 585, p. 1072-1109, 2014.

ARCAND, J. L.; BERKES, E; PANIZZA, U. Too Much Finance? IMF Working Paper n. 12/161. 2012.

BAGEHOT, Walter. Lombard street. Homewood, IL: Richard D. Irwin. (1962 Edition). 1873.

BECK, T.; LEVINE, R. Stock markets, banks and growth: Correlation or causality? The World Bank. Policy Research Working Paper Series, n. 2670, 2001.

BECK, T.; LEVINE, R.; LOAYZA, N. Finance and sources of growth. Journal of Financial Economics. v. 58. p. 261-300, 2000.

BECK, T.; DEMIRGUC‐KUNT, A.; LAEVEN, L.; LEVINE, R. Finance, Firm Size, and Growth. Journal of Money, Credit and Banking, v.40, n. 7, p. 1379-1405, 2008.

BERNANKE, B. Non-monetary effects of financial crisis in propagation of Great Depression. American Economic Review. v. 73. p. 257-276, 1983.

BREITUNG, Jörg. The local power of some unit root tests for panel data. In: Nonstationary panels, panel cointegration, and dynamic panels. Emerald Group Publishing Limited, p. 161-177, 2001.

BREITUNG, J.; DAS, S. Panel unit root tests under cross-sectional dependence. Statistica Neerlandica, v. 59, p. 414–433, 2005.

CALDERÓN, C; LIU, L. The direction of causality between financial development and economic growth. Central Bank of Chile. Working Paper, n. 184, 2002.

CAVALCANTE, A. T. M.; CROCCO, M.; BRITO, M. L. A. Impactos macroeconômicos na variação regional da oferta de crédito. Análise Econômica, ano 25, n. 47, p. 85-120, 2007.

CECCHETTI, S. G.; KHARROUBI, E. Reassessing the impact of finance on growth. BIS Working Papers, n. 381, jul, 2012.

CECCHETTI, S; MOHANTY, M.; ZAMPOLLI, F. The real effect of debt. BIS Working Papers, n 352, 2011.

CHOI, I. Unit root tests for panel data. Journal of International Money and Finance. v.20, p. 249–272, 2001.

DAMASCENO, A. O. Integração financeira internacional e crescimento econômico: uma crítica a abordagem convencional. Economia e Sociedade, v. 16, n. 2, p. 171-98, 2007.

DE GREGORIO, J.; GUIDOTTI, P. E. Financial development and economic growth. World Development, v. 23, n. 3, p. 433-448, 1995.

DEMETRIADES, P.; HUSSEIN, K. Does financial development cause economic growth? Time-series evidence from 16 countries. Journal of Development Economics, v. 51, p. 387-411. 1996.

GOLDSMITH, R. W. Financial Structure and Development. New Haven, CT: Yale University Press, 1969.

GRANGER, C. Investigating causal relations by econometric models and cross spectral methods. Econometrica, v. 37, p. 424–438, 1969.

HADRI, K. Testing for stationarity in heterogeneous panel data. Econometrics Journal, n. 3, p. 148–161, 2000.

HANSEN, L. P. Large sample properties of generalized method of moments estimators. Econometrica, p. 1029-1054, 1982.

HARRIS, R. D.F.; TZAVALIS, E. Inference for unit roots in dynamic panels where the time dimension is fixed. Journal of Econometrics, v. 91, n. 2, p. 201-226, 1999.

HICKS, John. A theory of economic history. Oxford: Clarendon Press, 1969.

HOLTZ-EAKIN, D.; NEWEY, W.; ROSEN, H. S. Estimating Vector Autoregressions with panel data. Econometrica. v. 56, p. 1371-1395. 1988.

HURLIN, C.; VENET, B. Financial Development and Growth: A Re-Examination using a Panel Granger Causality Test. Working Papers N. halshs-00319995_v1, Hyper Article en Ligne, Sciences de l'Homme et de la Société, 2008.

IM, K. S.; PESARAN, M. H.; SHIN, Y. Testing for unit roots in heterogeneous panels. Journal of Econometrics, v. 115, p. 53–74. 2003.

JORDÀ, Ò.; SCHULARICK, M.; TAYLOR, A.M. Financial crises, credit booms, and external imbalances: 140 years of lessons. IMF Economic Review, v. 59, n.2, p. 340-378, 2010.

KING, R. G.; LEVINE, R. Finance and growth: Schumpeter might be right. The Quarterly Journal of Economics, v. 108, n. 3, p. 717-737, 1993.

LEVIN, A.; LIN, C. F.; CHU, C. S. J. Unit root tests in panel data: Asymptotic and finite-sample properties. Journal of Econometrics, v. 108, p. 1–24. 2002.

LEVINE, R. Finance and growth: Theory and evidence. National Bureau of Economic Research – NBER. NBER Working Paper, n. 10766. 2004.

LEVINE, R. Financial Development and Economic Growth: Views and Agenda. Journal of Economic Literature, v. 35, p. 688-726, 1997.

LEVINE, R.; LOAYZA, N.; BECK, T. Financial intermediation and growth: Causality and causes. Journal of Monetary Economics, v. 46, p. 31-77. 2000.

LUCAS, R. E. Jr. On the mechanism of economic development. Journal of Monetary Economics, v. 22., p. 3-42. 1998.

MADSEN, J.; ANG, J. Finance-led growth in the OCDE since the nineteenth century: How does financial development transmit to growth? Review of Economics and Statistics, v. 98, n. 3, p. 552-572, 2016.

MARQUES JR., T. E.; PORTO JR., S. S. Desenvolvimento financeiro e crescimento econômico no Brasil – Uma avaliação econométrica. PPGE/UFRGS. Trabalho para Discussão n. 11. 2004.

MATOS, O. C. Desenvolvimento do sistema financeiro e crescimento econômico no Brasil: Evidência de causalidade. Banco Central do Brasil. Trabalho para Discussão, n. 49. 2002.

MCKINNON, Ronald Ian. Money and Capital in Economic Development. Washington, DC: Brookings Institution, 1973.

MERTON, R. C. A functional perspective of financial intermediation. Financial Management, v. 24, n. 2, p. 23-41, 1995.

MISSIO, F.; JAYME JR., F.; OLIVEIRA, A. M. Desenvolvimento financeiro e crescimento econômico: teoria e evidência empírica para os estados brasileiros (1995-2004). Texto para Discussão CEDEPLAR/UFMG., n. 379, p. 1-34, 2010.

PAULA, T. H. P.; CROCCO, M. Financiamento e diversidade produtiva: um modelo baseado em agentes com flutuações cíclicas. Revista de Economia Contemporânea, v. 17, n. 1, p. 5-38, 2013.

RAJAN, R. G.; ZINGALES, L. Financial dependence and growth. The American Economic Review, v. 88, p. 559-586, 1998.

REGINATO, V. G.; CUNHA, M. S.; VASCONCELOS, M. R. Crédito rural e nível de atividade da agropecuária brasileira: uma análise de causalidade em painel. Revista de Economia e Agronegócio, v. 17, nº 3, p. 442-461, 2019.

ROBINSON, J. The Generalization of the General Theory. In: The Rate of Interest and Other Essays, London: MacMillan, 1952.

ROMER, David. Advanced macroeconomics, 5 ed. Dubuque: McGraw-Hill, 2019.

ROMER, P. Increasing returns and long-run growth. Journal of Political Economy. v. 94, p. 1002-1037, 1986.

ROUSSEAU, P.; WACHTEL, P. What is Happening to The Impact of Financial Deepening on Economic Growth? Economic Inquiry, v. 49, p. 276-288, 2011.

SAMARGANDI, N.; FIDRMUC, J.; GHOSHA, S. Is the Relationship Between Financial Development and Economic Growth Monotonic? Evidence from a Sample of Middle-Income Countries. World Development, v. 68, p. 66-81, 2015.

SCHULARICK, M.; TAYLOR, A.M. Credit booms gone bust: monetary policy, leverage cycles, and financial crises, 1870–2008. The American Economic Review, v. 102, n.2, p. 1029-1061, 2012.

SCHUMPETER, Joseph Alois. A Teoria do Desenvolvimento Económico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo económico. Coleção Os Economistas. São Paulo: Ed. Abril, 1997.

SOLOW, R. “A contribution to the theory of economic growth”. Quarterly Journal of Economics, v. 70, p. 65-74, 1956.

VASCONCELOS, M. R.; STRACHMAN, E.; FUCIDJI, J.R. Liberalização e desregulamentação bancária: motivações, consequências e adaptações. Nova Economia, v.13, n.1, p. 101-140, 2003.

Downloads

Publicado

2021-06-18

Edição

Seção

Artigos