Quando os afetos batem com os bicos nas janelas: uma entrevista corajosa.

Autores

  • Rodrigo de Oliveira Feitosa Vaz Universidade de São Paulo (USP)
  • Andrea Saraiva de Barros Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)
  • Ana Carolina Martins Gil Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)
  • Cauê Borges

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-3532.2016n16p95

Resumo

Esse artigo parte da perspectiva de que os afetos são fonte de conhecimento e que seria preciso que seus efeitos sejam avaliados (FAVRET-SAADA, 2005). Para isso, optamos por afirmar como Barros & Passos (2009) uma política da narratividade que desse conta dos afetos que experimentamos no encontro com alguns estudantes secundaristas em São Paulo. Sendo assim, nos inspiramos também em Tedesco, Sade & Caliman (2013) que, apoiados nos estudos da pragmática, afirmam a importância da montagem da entrevista como experiência compartilhada entre entrevistador e entrevistado (s), requerendo que a escuta e o olhar se ampliem, sigam para além do puro conteúdo da experiência vivida, do vivido da experiência relatado na entrevista, e incluam seu aspecto genético, a dimensão processual da experiência, apreendida em suas variações. Seguindo essa linha, nossa escolha ético-estético-política fora de publicar na íntegra a entrevista realizada com o ex-estudante secundarista Cauê Borges, que participou nas ocupações estudantis nos anos de 2015 e 2016 na cidade de São Paulo. A entrevista busca aqui ser expressão viva em ato das resistências políticas contemporâneas. 

Biografia do Autor

Rodrigo de Oliveira Feitosa Vaz, Universidade de São Paulo (USP)

Rodrigo Vaz é paraibano, psicólogo, graduado pela UFPB. Militante do SUS, da Reforma Psiquiátrica, dos "vidas lokas" em rebelião, inquietos, incomuns, transtornados e errantes. Vive e trabalha com saúde mental em São Paulo (CAPS Itapeva).  Mestre em Psicologia Social pela PUC-SP (2015) com o título Redução de Danos, política do comum e invenções de um cuidado de si: uma cartografia do Centro de Convivência É De Lei. Atualmente é doutorando em  Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo.

Andrea Saraiva de Barros, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Psicóloga formada pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/PUC-SP (2008). Especialista em Teoria Psicanalítica (2013) e Licenciada em Psicologia (2007) também pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/PUC-SP. Atua como Psicóloga - Agente de Defensoria no Centro de Atendimento Multidisciplinar da Regional Criminal da Capital - CAMCrim da Defensoria Pública do Estado de São Paulo e como Psicologa Clínica em consultório. Mestranda em Psicologia Social, pela PUC-SP, sob orientação da Profª Drª Maria Cristina Vicentin.

Ana Carolina Martins Gil, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Psicóloga graduada pela Universidade Mackenzie e mestre, em Psicologia Social, pela PUC-SP (bolsista CAPES taxa). Trabalhou no Senac-SP com adolescentes em medida socioeducativa de liberdade assistida, com atendimento à crianças e adolescentes vítimas de abuso e exploração sexual no Projeto "Crescer Bem" e, atualmente, é psicóloga no Centro de Acolhida Vivenda da Cidadania, responsável pelo acolhimento/atendimento de trezentas pessoas em situação de rua. Atua também em clínica e acompanhamento terapêutico

Cauê Borges

Estudante ativo nas ocupações das escolas entre 2015 e 2016.

Downloads

Publicado

2018-10-10

Edição

Seção

Entrevistas