Mulher e o HIV e SIDA: uma reflexão sobre o cotidiano feminino da infecção na cidade de Maputo

Autores

  • Hélio Bento Maúngue Centro de Estudos Africanos/Universidade Eduardo Mondlane (CEA/UEM). Mestrando em Sociologia Política da Universidade Federal de Santa Catarina https://orcid.org/0000-0002-5231-3418

DOI:

https://doi.org/10.5007/1806-5023.2020v17n2p94

Palavras-chave:

HIV, Feminização, Vulnerabilidade social, Relações de gênero, Pobreza

Resumo

O artigo reflete sobre as experiências cotidianas de 20 mulheres pobres e infetadas pelo HIV residentes na Cidade de Maputo. Procura entender como elas estruturam o seu cotidiano no contexto das relações sociais que estabelecem. Coloca em comunicação questões de gênero e saúde, para identificar como o fato de ser infetada influencia o contexto das relações familiares e comunitárias das mesmas. Com abordagem qualitativa usamos entrevistas grupais, individuais e revisão da literatura como fontes de dados. Elas experimentam um cotidiano marcado por obstáculos, desafios e enfrentamentos como parte da face feminizada do HIV. Lidam com diferentes manifestações de vulnerabilidade antes e pós-infeção, onde as relações desiguais de gênero contribuem para a feminização da soroprevalência. O cotidiano demostra que ainda é uma doença clandestina, com estigma, discriminação, segregação e preconceito. Reforçamos a ideia de que o HIV não deve ser encarado como uma fatalidade inevitável, mas que existem questões e determinantes sociais integradas no processo saúde-doença-cuidado. 



Biografia do Autor

Hélio Bento Maúngue, Centro de Estudos Africanos/Universidade Eduardo Mondlane (CEA/UEM). Mestrando em Sociologia Política da Universidade Federal de Santa Catarina

Sociólogo, doutorando em Sociologia e Ciência Política, Área de Concentração: Sociologia e mestrado (2015) em Sociologia Política na UFSC; Licenciatura em Sociologia (2009) e bacharel (2006) em Ciências Sociais – Orientação em Sociologia na Universidade Eduardo Mondlane (UEM). Tem interesse de pesquisa sobre comportamento político, participação política, relações de gênero, direitos humanos, HIV/SIDA e saúde sexual e reprodutiva no geral, políticas públicas, sociologia rural, desenvolvimento rural e questões da Sociologia do cotidiano.

Referências

AGHA, Sohail. Factors associated with HIV testing and condom use in Mozambique: implications for programs. Reproductive Health, v. 9, n. 20, p. 1-9, 2012.

BARROSO, Léa; CARVALHO, Carolina; Galvão, Marli. Mulheres com HIV/AIDS: subsídios para a prática de enfermagem. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v. 7, n. 2, p. 67-73, 2006.

BERGER, Peter; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade: tratado da sociologia do conhecimento. Rio de Janeiro: Vozes, 1996.

BORIS, Elieen. Produção e reprodução, casa e trabalho. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 26, n. 1, p. 101-121, 2014.

BUTLER, Judith P. Gender trouble: Feminism and the subversion of identity. New York: Routledge, 1990.

CASTELLANOS, Marcelo; NUNES, Everardo. A Sociologia da saúde: Análise de um manual. PHYSIS: Ver. Saúde Coletiva, v. 15, n. 2, p. 353-371, 2005.

CAU, Boaventura M. O estigma do HIV e SIDA e a testagem de infecção pelo HIV entre adolescentes e jovens em Moçambique. Gazeta de População e Saúde, n. 3, p. 1-33, 2014.

CONSELHO NACIONAL DE COMBATE AO HIV E SIDA (CNCS). Global AIDS response progress report: Country progress report, Mozambique. Maputo: CNCS, 2014.

CRUZ e SILVA, Teresa; ANDRADE, Ximena; OSÓRIO, Conceição; ARTHUR, Maria. Representações práticas da sexualidade entre jovens e a feminização do SIDA em Moçambique: estudos de caso no Centro e Sul do país. Maputo: WLSA, 2007.

DELMIRA, Petersburgo; SAID, Rosa. Adesão ao tratamento antirretroviral: desafios comportamentais. Maputo: Johns Hopkins University/Bloomberg School of Public Health/Center For Commnunication Programs, 2010.

FISHEL, Joy; BRADLEY, Sarah; YOUNG, Peter; MBOFANA, Francisco, BOTÃO, Carlos. HIV no seio dos casais em Moçambique: estado serológico, conhecimento do estado e factores associados com a serodiscordância do HIV. Análise profunda ao Inquérito Nacional de Prevalência, Riscos comportamentais e Informação sobre o HIV e SIDA em Moçambique (INSIDA) 2009. Calverton, Maryland: ICF International, 2011.

GASKEL, George. Entrevistas individuais e grupais. In: BAUER, Martin W.; GASKEL, George (Orgs.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2004.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Tradução de Márcia Bandeira de Mello Leite Nunes. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1988.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. Tradução de Dante Moreira Leite. São Paulo: Editora Perspectiva, 1974.

GUILHEM, Dirce; AZEVEDO, Ana Maria. Bioética e gênero: moralidades e vulnerabilidade feminina no contexto da AIDS. Revista Bioética, v. 16, v. 2, p. 229-240, 2008.

GUIMARÃES, Carmen. AIDS no Feminino: por que a cada dia mais mulheres contraem AIDS no Brasil. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2001.

HERRERA, Karolyna. A jornada interminável: a experiência no trabalho reprodutivo no cotidiano das mulheres rurais. Tese (doutorado) em Sociologia Política. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2019.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Daniéle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, p. 595-609, 2007.

JOINT UNITED NATIONS PROGRAMME ON HIV/AIDS. UNAIDS data 2019. Geneva: UNAIDS, 2019

KULA. Análise da situação do HIV e SIDA e o acesso ao tratamento em Moçambique. Maputo: Kula, 2008.

KULA. Plano nacional de acção multissectorial sobre gênero e HIV e SIDA 2010-2015. Kula: Maputo, 2009.

LOFORTE, Ana. Mulheres e cuidados domiciliários num contexto de HIV e SIDA. Outras Vozes, n. 35-36, p. 1-9, 2011.

MINISTÉRIO DA SAÚDE; INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA; ICF INETERNATIONAL. Moçambique: Inquérito demográfico e de saúde 2011. Calverton, Maryland: MISAU; INE; ICFI, 2013.

MYERS, Greg. Análise da conversação e da fala. In: BAUER, Martin W.; GASKEL, George (Prgs.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2004.

PARKER, Richard. Na contramão da AIDS: Sexualidade, intervenção, política. Rio de Janeiro: Editora 34, 2000.

PEREIRA, Maria Helena; COSTA, Liana. Santa pecadora ou execrada santa? O autocuidado em mulheres soropositivas para HIV. Psico-USF, v. 12, n. 1, p. 103-110, 2007.

PINTO, Rosa; MICHELETTI, Fátima; BERNARDES, Luzana; FERNANDES, Joice; MONTEIRO, Gisela; SILVA, Magda; Barreira, Tânia; MAKHOUL, Aparecida; COHN, Amélia. Condição feminina das mulheres chefes de família em situação de vulnerabilidade social. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 105, p. 167-179, jan./mar., 2011.

PULLUM, Thomas; STAVETEIG, Sara. HIV status and cohabitation in Sub-Saharan Africa. DHS Analytical Studies, n. 35, Rockville: ICF International, 2013.

SAMBISA, William; CURTIS, Sian; MISHRA, Vinod. AIDS stigma as an obstacle to uptake of HIV testing: evidence from a zimbabwean national Population-based survey. AIDS Care, v. 22, n. 2, p. 170-186, 2010.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p.71-99, 1995.

TVEDTEN, Inge; PAULO, Margarida; MONTSERRAT, Georgina. Políticas de Género e Feminização da Pobreza em Moçambique. Noruega: CHR. Michelsen Institute (CMI), 2008.

UNITED NATIONS PROGRAMME ON HIV/AIDS. Global Report: UNAIDS Report on global AIDS epidemic 2012. Geneva: UNAIDS, 2012.

UNITED NATIONS PROGRAMME ON HIV/AIDS. Global Report: UNAIDS Report on global AIDS epidemic 2013. Geneva: UNAIDS, 2013.

UNITED NATIONS PROGRAMME ON HIV/AIDS. The GAP report. Geneva: UNAIDS, 2014.

Downloads

Publicado

2020-09-23