Configurações político-ideológicas no Brasil

ocaso da história e distorção conservadora-autoritária

Autores

  • Fabio Lanza Universidade Estadual de Londrina - UEL PR Departamento e Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais
  • Jeferson de Almeida Saraiva Neto Universidade Estadual de Londrina
  • José Wilson Assis Neves Júnior Universidade Estadual Paulista (Unesp/Marília)

DOI:

https://doi.org/10.5007/1806-5023.2021.e78975

Palavras-chave:

pensamento político brasileiro, ideologias autoritárias-conservadoras, crises da democracia

Resumo

Os resultados das últimas eleições no Brasil são a expressão mais explícita das amplas transformações em curso na sociedade brasileira. Após um ciclo (2002-16) de hegemonia política de centro-esquerda no Brasil no Governo Federal, assistimos na conjuntura uma ascensão de movimentos políticos de direita com ampla força social e difusão ideológica. Em meio a esse contexto, apresentamos como problema sociológico, com base na perspectiva das obras de Lukács (2010; 2018) – identificar qual o caráter político-ideológico e o sentido histórico de discursos que circulam na esfera pública de atores e grupos políticos vinculados a esses movimentos emergentes da direita no Brasil? Para subsidiar nossas análises, selecionamos de forma intencional discursos e informações a partir de fontes eletrônicas de acesso público com características relevantes para a compreensão da conjuntura recente. De forma geral, foi possível identificamos que o processo de emergência de atores políticos de direita com discursos combativos e militantes, trazem à tona características conservadoras, autoritárias e, até mesmo, reacionárias que possuem raízes na história da formação social brasileira. Por fim, assinalamos as tendências de retrocesso do ciclo precário de cidadania social que a sociedade brasileira conheceu no último período, tomando corpo um processo de desdemocratização ainda em curso.

Biografia do Autor

Fabio Lanza, Universidade Estadual de Londrina - UEL PR Departamento e Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais

Professor adjunto do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Estadual de Londrina. Doutor em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP).  Coordenador do Laboratório de Estudos sobre Religiões e Religiosidades (LERR-UEL) e pesquisador do Observatório da Educação (OBEDUC-UEL). E-mail: lanza1975@gmail.com

Jeferson de Almeida Saraiva Neto, Universidade Estadual de Londrina

Graduando do curso de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Londrina (UEL).
Bolsista da Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do
Estado do Paraná e pesquisador do Laboratório de Estudos sobre Religiões e
Religiosidades (LERR) da UEL

José Wilson Assis Neves Júnior, Universidade Estadual Paulista (Unesp/Marília)

Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Unesp/Marília.
Bolsista Capes. Mestre e bacharel em Ciências Sociais pela UEL. Pesquisador vinculado
ao Laboratório de Estudos sobre Religiões e Religiosidades (LERR-UEL) e ao Grupo de Pesquisa Pensamento Político Brasileiro e Latino-Americano (Unesp/Marília.

Referências

ADORNO, T. Dialética Negativa. Editora: Zahar, 2009.

BRAGA, R. O fim do lulismo. In: JINKINGS, I.; DORIA, K.; CLETO, M. (Ed.). Por que gritamos golpe? São Paulo: Boitempo, 2016.

CALDWELL, B; MONTES, L. Friedrich Hayek and his visits to Chile. The Review of Austrian Economics, V. 28, n. 3, p. 261–309, 2015.

COUTINHO, Carlos Nelson. O Estruturalismo e a Miséria da Razão. – 2. Ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

DORIA, K.; CLETO, M. (Ed.). Por que gritamos golpe? São Paulo: Boitempo, 2016.

FAGNANI, E. O fim do breve ciclo da cidadania social no Brasil (1988-2015). Texto para Discussão. Unicamp. IE, Campinas, n. 308, jun. 2017.

FRASER, N. Progressive neoliberalism versus reactionary populism: a Hobson's choice. In. The Great Regression. - Cambridge: Polity, 2017.

GUILLUY, C. No society: la fin de la classe moyenne occidentale. - Paris: Flammarion, 2018.

HABERMAS, J. O discurso filosófico da modernidade. – São Paulo: Martins Fontes, 2000.

KLEIN, N. A doutrina do choque. A ascensão do capitalismo de desastre. - 2 Ed. Editora: Nova Fronteira, 2008.

KRASTEV, I. Majoritarian Futures. In. The Great Regression. - Cambridge: Polity, 2017.

LIMA, P.; MEDEIROS, J. Aquém do lulismo: notas críticas sobre a atual reprodução do paradigma do populismo por filósofos políticos brasileiros. Rev. Estudos Políticos. v. 9, n. 17. 2017.

LIMA, P. L. (2019). Ambivalências da derrota: lições e limites da crítica do populismo em Roberto Schwarz. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, (74), 215-232.

LUKÁCS, G. Prolegômenos para uma ontologia do ser social. - São Paulo. Editora: Boitempo, 2010.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social I. - São Paulo. Editora: Boitempo, 2018.

MARX, K. Grundrisse: manuscritos econômicos (1857-8). Esboços de uma crítica da economia política. - São Paulo: Boitempo, 2011.

MANNHEIM, Karl. O pensamento conservador. In: MARTINS, José de Sousa (Org.). Introdução crítica a sociologia rural. São Paulo: Hucite., 1981. p. 77-131.

MIGUEL, L. F. A democracia na encruzilhada. In: JINKINGS, I.; DORIA, K.; CLETO, M. (Ed.). Por que gritamos golpe?. - São Paulo: Boitempo, 2016.

PIKETTY, T. Capital & Ideology. – Cambridge, Massachusets: Harvard University Press, 2020.

SAFATLE, V. Só mais um esforço. - Editora: Três Estrelas, 2017.

SANTOS, W. G. A democracia impedida: o Brasil no século XXI. Rio de Janeiro: FGV, 2017.

SCHWARZ, R. (1970). Cultura e política, 1964-1969: alguns esquemas. In: SCHWARZ, R. O pai de família e outros estudos. São Paulo: Companhia das Letras, 1987, p. 61-92.

SCHWARZ, R. (2011). Verdade tropical: um percurso de nosso tempo. In: SCHWARZ, R. Martinha versus Lucrécia: ensaios e entrevistas. São Paulo: Companhia das Letras, 2012d, p. 52-110.

SINGER, A. Por uma frente ampla, democrática e republicana. In: JINKINGS, I.; DORIA, K.; CLETO, M. (Ed.). Por que gritamos golpe?. - São Paulo: Boitempo, 2016.

TILLY, Charles. Democracia. – Petrópolis: Editora Vozes, 2013.

Publicado

2021-09-29