Representações populares e de elite na Argentina e no Brasil do Entre-Guerras a partir de Carlos Gardel e Carmen Miranda

Autores

  • Claudia Wasserman UFRGS
  • Alessander Kerber FEEVALE

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7976.2008v15n20p21

Palavras-chave:

Identidades, Classes populares, Elite, Identidade nacional, Carlos Gardel, Carmen Miranda

Resumo

Neste artigo, propomos uma análise das representações de identidades populares e de elite, presentes nas músicas, imagem e performance de Carlos Gardel e Carmen Miranda. Parte-se da hipótese de que estes dois artistas foram importantes no processo de negociação e construção das identidades no Brasil e na Argentina, tendo sido os mais famosos intérpretes de seus países, divulgando representações consumidas por um amplo público, numa época de emergência do nacionalismo no entre-guerras e dos meios de comunicação de massas. Em suas músicas, imagem e performance havia representações de identidades populares e de elite que foram associadas às identidades nacionais, sendo, esta associação, o enfoque deste estudo.

Biografia do Autor

Claudia Wasserman, UFRGS

Doutora em história social (UFRJ); professora e pesquisadora da UFRGS

Alessander Kerber, FEEVALE

Doutor em história (UFRGS); professor e pesquisador do Centro Universitário FEEVALE

Downloads

Publicado

2009-03-21

Edição

Seção

Dossiê