A República Lusitana das Letras: um retrato das redes de comunicação dos jornais emigrados no início do século XIX

Autores

  • Luís Francisco Munaro Universidade Federal de Roraima

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7976.2018v25n39p173

Palavras-chave:

República das Letras, Ilustração luso-brasileira, História do Jornalismo

Resumo

O objetivo deste artigo é investigar as formas de idealização e construção da República das Letras entre os portugueses quando da sua dispersão a partir de 1808 e da tentativa de manter circuitos regulares de correspondência. Em outras palavras, através da publicação de grande número de jornais. Estes impressos têm lugar, sobretudo, em Londres, que sediou, entre 1808 e 1822, pelo menos oito jornais lusófonos a partir da iniciativa pioneira de Hipólito da Costa; e Paris, que sediou pelo menos três entre 1815 e 1822, sobretudo em torno do intelecto de Solano Constâncio. A partir dessa rede de intercâmbio de ideias que começava a se expandir e adquirir um caráter cosmopolita, é possível investigar também alguns dos diálogos mais amplos estabelecidos com publicações em língua inglesa e espanhola, de forma a permitir um vislumbre da dimensão dessas redes de comunicação cujas portas eram abertas pelo jornalismo. 

Biografia do Autor

Luís Francisco Munaro, Universidade Federal de Roraima

Doutor em História Moderna pela UFF (Niteroi - RJ), mestre em Jornalismo pela UFSC (Florianópolis - SC), graduado em Jornalismo pela UNICENTRO (Guarapuava - PR) e em História pela UNICENTRO (Guarapuava - PR). Atualmente, é professor adjunto do curso de Jornalismo da Universidade Federal de Roraima. Pesquisa História da Imprensa/História do Jornalismo, História Moderna e História amazônica. Coordenador do projeto de pesquisa Imprensa e Modernidade na Amazônia (Edital Universal - Cnpq A 2015-2016). Leciona disciplinas de História Amazônica, História do Jornalismo, Iniciação à Pesquisa Científica, Metodologias da Pesquisa em Comunicação e Leitura e Produção de Texto. Integra os grupos de pesquisa Linguagem, Cultura e Tecnologia (UFRR) e Ama[Z]oom | Observatório Cultural da Amazônia e Caribe (UFRR). Coordenador regional Norte da Associação Brasileira de Pesquisadores de História da Mídia (ALCAR).

 

Referências

BOYLE, L. O. “The image of the Journalist in France, Germany and England”, 1815-1848”, 1968.

CARTA de F.D.F., O Campeão, 1 de agosto de 1819, V.I.

CENDALES, Torres; JAZMÍN, Leidy. Correo del Orinoco. s/d, disponível em http://www.banrepcultural.org/blaavirtual/historia/prensa-colombiana-del-siglo-XIX/correo-del-orinoco. Acesso em Março de 2015.

COMENTÁRIO à “Breve Exposição dos progressos que fizeram as Ciências no ano de 1813”, pelo Dr. Thomas Thomson”, v. IX, Abril de 1814.

CORREIO Braziliense, V.XXIII.

DIOGO, Maria Paula; CARNEIRO, Ana; SIMÕES, Ana. “Enlightenment Science in Portugal: The Estrangeirados and their Communication Networks”. Social Studies of Science, V. 30, No. 4, 2000.

DOMINGUES, Ângela. “Para um melhor conhecimento dos domínios coloniais: a constituiçãode redes de informação no Império português em finais do Setecentos”. Revista Hist. cienc. saúde v.8 suppl.0 Rio de Janeiro 2001.

DOURADO, Mecenas. Hipólito da Costa e o Correio Braziliense. Rio de Janeiro: Bibliex, 1957.

EL ESPAÑOL Constitucional, Abril de 1819.

FERENCZI, Thomas. L’invention du journalisme en France. Naissance de la presse moderne à la fin du XIX siècle. Paris: Plon, 1993.

GAZETA de Lisboa, 31 de julho de 1815.

HABERMAS, Jurgen. Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria de sociedade burguesa. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

JACOB, Margareth. The Radical Enlightenment. Pantheists, freemasons and Republicans. Lafayette: Cornerstone, 2006.

MCNELLY, Ian; WOLVERTON, Lisa. Reinventing Knowledge. From Alexandria to the Internet. New York: W.W. Norton, 2008.

MEMÓRIAS de D. Antonio Alcalá Galiano.

MUNARO, L. F. “A taverna City of London e o jornalismo luso-brasileiro (1808-1822)”. Jornal Alcar, v. 2, 2013.

MUNARO, L. F. O sol da liberdade pura aqui reluz contínuo : A construção da imprensa lusófona na Inglaterra (1808-1822). Idéias - Revista do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UNICAMP, v. v.1, 2014.

Nova de Lisboa, 2007.

O Espelho, maio de 1813, n. 1.

O Portuguez, V.I, 1814.

Padre Amaro, Setembro de 1821.

RAYNAL, Abade. A Revolução na América, Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1993.

REIS, Fernando Egídio. Os Periódicos portugueses de emigração (1808-1822). As ciências e a transformação do país. Tese de doutorado apresentada à Universidade Nova de Lisboa, 2007.

RODRIGUES, Thamara. A independência do Brasil e o discurso do atraso português em História do Brasil de Francisco Solano Constâncio. IN: OLIVEIRA, Camila Aparecida Braga, MOLLO, Helena Miranda e BUARQUE, Virgínia Albuquerque de Castro (orgs). Caderno de resumos & Anais do 5º. Seminário Nacional de História da Historiografia: biografia &história intelectual. Ouro Preto: EdUFOP, 2011.

ROMERO, Ricardo et al. Ediciones Masónicas Argentina. Una investigación del Centro de Estudios para la Gran Reunión Americana. Disponível em http://logra452.blogspot.com/2010/02/los-precursores-de-la-revolucion.html .Consulta em Março de 2015.

SOUSA, Maria Leonor. Um ano de diplomacia luso-americana. Francisco Solano Constâncio (1822-1823), 1988.

VARGUES, Isabel. “O processo de formação do primeiro movimento liberal: a Revolução de 1820”. In: Luís Roque Torgal & João Lourenço Roque(coord.). O Liberalismo(1807-1890). Lisboa: Editorial Estampa, s.d (Coleção História de Portugal, vol.5).

VELOSO, Lúcia Maria; SOUSA, J.M.M. História da imprensa periódica portuguesa: subsídios para uma bibliografia, 1987.

Downloads

Publicado

2018-10-22