Visões da queda: motivos edênicos em Minha formação, de Joaquim Nabuco

André Jobim Martins

Resumo


Em sua autobiografia Minha formação, Joaquim Nabuco emprega metáforas como vetores de construção de sentido para a vida autobiografada, assim como para a realidade na qual ela se desenrola. Neste trabalho, analiso o conjunto das ocorrências de metáforas edênicas no livro. Parte-se do entendimento de Hans Blumenberg e Luiz Costa Lima de que o metafórico não é, conforme o entendimento mais convencional, um aspecto ornamental da linguagem, mas um eixo que complementa as carências do conceitual na comunicação humana. Procede-se, em seguida, à análise de passagens onde aparece a metáfora edênica na autobiografia de Nabuco, na tentativa de compreender como suas formas e mecanismos variam dentro de uma mesma obra literária, defendendo, ainda, o seu caráter propedêutico na produção de interpretações sociológicas sobre a história do Brasil.


Palavras-chave


Joaquim Nabuco; Autobiografia; Pensamento social brasileiro

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Ricardo Augusto Benzaquen de. O linho e a seda: notas sobre o catolicismo e a tradição inglesa em Minha Formação, de Joaquim Nabuco. Revista USP, n. 38, p. 8-13, set./nov. 2009.

ARAÚJO, Ricardo Augusto Benzaquen de. “Terra de ninguém”: escravidão e direito natural no jovem Joaquim Nabuco. Topoi, v. 17, n. 32, p. 7-21, jan.-jun. 2016.

ARAÚJO, Ricardo Augusto Benzaquen de. Subjetividade, religião e política em Joaquim Nabuco. Sociologia e antropologia, v. 7, n. 2, p. 586-607, ago. 2017.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1987.

BLUMENBERG, Hans. Paradigmes pour une métaphorologie. Paris: Librairie Philosophique J. Vrin, 2006.

BLUMENBERG, Hans. Teoria da não conceitualidade. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2011.

BOSI, Alfredo. Joaquim Nabuco memorialista. In: NABUCO, Joaquim. Minha formação. São Paulo: Editora 34, 2012, p. 9-33.

COSTA LIMA, Luiz. Trilogia do controle. O controle do imaginário. Sociedade e discurso ficcional. O fingidor e o censor. Rio de Janeiro: Topbooks, 2007.

COSTA LIMA, Luiz. Os eixos da linguagem: Blumenberg e a questão da metáfora. São Paulo: Iluminuras, 2015.

COSTA LIMA, Luiz. A pouco cordial cordialidade. Revista USP, n. 110, p. 107-114, maio 2017.

GAGNEBIN, Jeanne-Marie. A criança no limiar do labirinto. In: GAGNEBIN, Jeanne-Marie. História e narração em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 1993, p. 82-105.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Petrópolis: Vozes, 2007.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Visão do paraíso: Os motivos edênicos no descobrimento e colonização do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1996.

JAGUARIBE, Beatriz. Autobiografia e nação: Henry Adams e Joaquim Nabuco. In: GIUCCI, Guillermo; DAVID, Maurício Dias (orgs.). Brasil-EUA: antigas e novas perspectivas sobre sociedade e cultura. Rio de Janeiro: Leviatã, 1994, p. 109-141.

MARTINS, André. O traço todo da vida. Subjetividade e narrativa em Minha formação, de Joaquim Nabuco. 2016, 165 f. Dissertação (Mestrado em História). Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2016.

MELLO, Luiza Larangeira da Silva. Depois da queda: a representação da cultura nacional norte-americana na obra tardia de Henry James. 2010, 220 f. Tese (doutorado em História Social da Cultura), Programa de Pós-graduação em História Social da Cultura, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro 2010.

MELLO, Luiza Larangeira da Silva. A sensibilidade cosmopolita: sentimento histórico e anglofilia nas obras de Joaquim Nabuco e Henry James. Escritos, Rio de Janeiro, ano 6, n. 6, p. 73-99, 2012.

MELLO, Luiza Larangeira da Silva. O bom filho à casa torna: formação humanista europeia e sentimento pátrio em Joaquim Nabuco e Henry James. Sociologia e Antropologia, v. 3, n. 5, p. 271-293, jun. 2013.

NABUCO, Joaquim. O abolicionismo. Londres: Typographia de Abraham Kingdon e Ca., 1883.

NABUCO, Joaquim. Diários. Rio de Janeiro: Bem-te-vi, 2006.

NABUCO, Joaquim. A desejada fé – Mysterium Fidei. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2010.

NABUCO, Joaquim. Minha formação. São Paulo: Editora 34, 2012.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa 3. O tempo narrado. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

SALLES, Ricardo. Joaquim Nabuco (1849-1910). In: PARADA, Maurício; RODRIGUES, Henrique Estrada (orgs.). Os Historiadores, v. 4. Clássicos da História do Brasil. Dos primeiros relatos a José Honório Rodrigues. Rio de Janeiro: Editora PUC Rio/Vozes, 2018, p. 83-104.

SAMMER, Renata Bellicanta. Uma faca só lâmina: a metáfora de invenção como metáfora absoluta. Via atlântica (USP), São Paulo, n. 32, p. 281-300, dez. 2017.

SCHWARZ, Roberto. As ideias fora do lugar. Estudos Cebrap, n. 3, p. 150-161, jan. 1973.

VENTURA, Roberto. Estilo Tropical: História cultural e polêmicas literárias no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

VIANA, Francisco José de Oliveira. Pequenos estudos de psicologia social. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1942.

WAIZBORT, Leopoldo. Glosa. Especulação bastarda ao redor da água. Tempo social (USP), São Paulo, n. 12, v. 2, p. 37-48, nov. 2000.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7976.2019v26n41p104

Direitos autorais 2019 André Jobim Martins

Esboços: histórias em contextos globais - ISSN da versão impressa 1414-722x (cessou em 2008) e ISSN eletrônico 2175-7976 - Florianópolis - SC - Brasil