Da radical à radicada: alteridades entre franceses e escravos no Rio de Janeiro oitocentista

Daniel Dutra Coelho Braga

Resumo


A cultura liberal francesa do século XIX estimulou uma série de identidades mobilizadas por estrangeiros no Brasil. Para essa cultura, a persistente escravidão brasileira foi tema incontornável. Se viajantes franceses mobilizaram uma alteridade radical em contraposição tanto à escravidão como a brasileiros e africanos escravizados, franceses que buscaram se radicar no Brasil modularam outras formas de alteridade. Mediante análise de relatos de viagens e alforrias, este artigo explicita os significados relacionais de liberdade e as alteridades em movimento emuladas em redes de sociabilidade que, notadamente no Rio de Janeiro, uniram viajantes, agentes consulares, comerciantes e escravos. O artigo demonstra em que medida estrangeiros radicados no Rio de Janeiro mobilizaram um vocabulário de distinções sociais e alteridades diferente daquele mobilizado por viajantes em seus relatos.


Palavras-chave


Escravidão; Condição estrangeira; Culturas liberais

Texto completo:

PDF

Referências


ALMANAK LAEMMERT. Almanak administrativo mercantil e industrial do Rio de Janeiro para o anno bissexto de 1844. Primeiro Anno. Rio de Janeiro: Typographia Laemmert, 1843.

ALMANAK LAEMMERT. Almanak administrativo mercantil e industrial do Rio de Janeiro para o anno de 1845. Segundo Anno. Rio de Janeiro: Typographia Laemmert, 1844.

ALMANAK LAEMMERT. Almanak administrativo mercantil e industrial do Rio de Janeiro para o anno de 1855. Duodecimo anno. Rio de Janeiro: Typographia Laemmert, 1855.

ARAUJO, Ana Lucia. Romantismo tropical: um pintor francês no Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2017.

BLACKBURN, Robin. The Overthrow of Colonial Slavery, 1776-1848. London; New York: Verso, 2011 [1988].

BRIÈRE, Jean-François. Haïti et la France, 1804-1848: le rêve brisé. Paris: Karthala, 2008.

CANELAS, Letícia Gregório. “Eles não são livres, e eles não têm senhores; eles não são escravos, e eles não são cidadãos”: liberdade precária e clandestina no Caribe francês (Martinica, século XIX). In: FREIRE, Jonis; SECRETO, María Verónica (org.). Formas de liberdade: gratidão, condicionalidade e incertezas no mundo escravista nas Américas. 1. ed. Rio de Janeiro: Mauad X; FAPERJ, 2018. p. 43-70.

CASTELNAU, Francis de. Expédition dans les parties centrales de l’Amérique du Sud, de Rio de Janeiro à Lima, et de Lima au Pará, exécutée par ordre du gouvernement français pendant les années 1843 à 1847. Histoire du Voyage. Paris: P. Bertrand, 1850. Tome Premier.

CHALHOUB, Sidney. A força da escravidão: ilegalidade e costume no Brasil oitocentista. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

CHARLE, Christophe. Histoire sociale de la France au XIXe siècle. Paris: Seuil, 1991.

COOPER, Frederick; HOLT, Thomas C.; SCOTT, Rebecca J. Introdução. In: COOPER, Frederick, HOLT, Thomas C.; SCOTT, Rebecca J. Além da escravidão: investigações sobre raça, trabalho e cidadania em sociedades pós-emancipação. Trad. Maria Beatriz de Medina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. p. 39-88.

DABADIE, F. À travers l’Amérique du Sud. Deuxième édition. Paris: Ferdinand Sartorius, 1859.

DAHER, Andrea. O Brasil francês: as singularidades da França Equinocial, 1612-1615. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

DAVIS, David Brion. O problema da escravidão na cultura ocidental. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001 [1966].

ELIAS, Norbert. Uma digressão sobre o nacionalismo. In: ELIAS, Norbert. Os alemães: a luta pelo poder e a evolução do habitus nos séculos XIX e XX. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1997. p. 117-158.

ELIAS, Norbert. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2000.

FLORENTINO, Manolo. Sobre minas, crioulos e liberdade costumeira no Rio de Janeiro, 1789-1871. In: FLORENTINO, Manolo (org.). Tráfico, cativeiro e liberdade: Rio de Janeiro, séculos XVII-XIX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. p. 331-366.

FRANÇA, Jean Marcel Carvalho. Viajantes estrangeiros no Rio de Janeiro joanino: antologia de textos (1809-1818). Rio de Janeiro: José Olympio, 2013.

FREYCINET, Louis de. Voyage autour du monde exécuté sur les corvettes de S.M. “l’Uranie” et “la Physicienne” pendant les années 1817-1818, 1819 et 1820. Paris: Pillet Ainé, 1825. Tome I. Disponível em: http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k99353d. Acesso em: 21 out. 2018.

GAIN, André. De la Lorraine au Brésil. Nancy: Société d’Impressions Typographiques, 1930.

GANNIER, Odile. La littérature de voyage. Paris: Ellipses, 2001.

GRENOUILLEAU, Olivier. Quando les Européens découvraient l’Afrique intérieure: Afrique occidentale, vers 1795-1830. Paris: Tallandier, 2017.

GÓES, José Roberto. São muitas as moradas. Desigualdades e hierarquia entre os escravos. In: FLORENTINO, Manolo; MACHADO, Cacilda (org.). Ensaios sobre a escravidão (I). Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003. p. 201-216.

GONÇALVES, Andréa Lisly. As margens da liberdade: estudo sobre a prática de alforrias em Minas colonial e provincial. Belo Horizonte: Fino Traço, 2011.

GUIMARÃES, Carlos Gabriel. A presença inglesa no império brasileiro: a firma Edward Johnson & Co. e o comércio exportador, 1842-1852. Tempo, Niterói, v. 21, n. 37, p. 187-207, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tem/v21n37/1413-7704-tem-TEM_1980_542X2015v213705.pdf. Acesso em: 21 out. 2019.

HOLT, Thomas C. A essência do contrato: a articulação entre raça, gênero sexual e economia política no programa britânico de emancipação, 1838-1866. In: COOPER, Frederick; HOLT, Thomas C.; SCOTT, Rebecca J. Além da escravidão: investigações sobre raça, trabalho e cidadania em sociedades pós-emancipação. Trad. Maria Beatriz de Medina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. p. 91-129.

KURY, Lorelai. Histoire naturelle et voyages scientifiques. Paris: L’Harmattan, 2001.

LEITE, Ilka Boaventura. Antropologia da viagem: escravos e libertos em Minas Gerais no século XIX. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1996.

MAMIGONIAN, Beatriz G. Africanos livres: a abolição do tráfico de escravos no Brasil. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

MATTOSO, Kátia M. de Queirós. Ser escravo no Brasil. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1990.

MEILLASSOUX, Claude. Préface: de classe et de couleur. In: GAUTHIER, Florence (dir.). Périssent les colonies plutôt qu’un principe!: contribution à l’histoire de l’abolition de l’esclavage, 1789-1804. Paris: Société des études robespierristes, 2002. p. 5-10.

MEILLASSOUX, Claude. Antropologia da escravidão: o ventre de ferro e dinheiro. Trad. Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1995.

MELLO, Maria Elizabeth Chaves de (org.). Um francês nos trópicos: Francis de Castelnau: o olhar de um viajante no século XIX. Rio de Janeiro: 7Letras, 2015.

ORIEUX, Jean. Voltaire, ou la royauté de l’esprit. Paris: Flammarion, 1966.

PÉTRÉ-GRENOUILLEAU, Olivier. A história da escravidão. Trad. Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2009.

PINHEIRO, Fernanda Domingos. Em defesa da liberdade: libertos, coartados e livres de cor nos tribunais do Antigo Regime português (Mariana e Lisboa, 1720-1819). Belo Horizonte: Fino Traço, 2018.

PIOLLET, Sophie; PIQUIONNE, Nathalie; ROUX, Delphine. Milscent créole historien de la Révolution de Saint-Domingue, 1790-1794. In: GAUTHIER, Florence (dir.). Périssent les colonies plutôt qu’un principe!: contribution à l’histoire de l’abolition de l’esclavage, 1789-1804. Paris: Société des études robespierristes, 2002. p. 23-42.

POTELET, Jeanine. Le Brésil vu par les voyageurs et les marins français 1816-1840: témoignages et images. Paris: L’Harmattan, 1993.

RAMOS, Pedro Brandão de Sousa Culmant. Homens de confiança: moral, antiescravismo e o abolicionismo inglês na supressão do tráfico brasileiro de escravos (1836-1846). 2016. 128 f. Dissertação (Mestrado em História Social) – Instituto de História, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

READ, Ian. The hierarchies of Slavery in Santos, Brazil, 1822-1888. Stanford: Stanford Univ. Press, 2012.

REIS, João José; SILVA, Eduardo. Negociação e conflito: a resistência negra no Brasil escravista. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

ROSANVALLON, Pierre. Le modèle politique français: la société civile contre le jacobinisme de 1789 à nos jours. Paris: Seuil, 2004.

ROSANVALLON, Pierre. Le moment Guizot. Paris: Gallimard, 1985.

ROSSATO, Luciana. A lupa e o diário: história natural, viagens científicas e relatos sobre a capitania de Santa Catarina (1763-1822). Itajaí: Universidade do Vale do Itajaí, 2007.

SANCHES, Vanessa Gomes Ramos. Pelos caminhos da liberdade: alforrias no Rio de Janeiro imperial (1840-1888). 2017. 263 f. Tese (Doutorado em História Social) – Instituto de História, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

SANTOS, Cláudia. Narrativas de viagem e escrita da história: os franceses no processo abolicionista brasileiro (1850-1899). Rio de Janeiro: 7Letras, 2013.

SECRETO, María Verónica. Soltando-se das mãos: liberdades dos escravos na América espanhola. In: AZEVEDO, Cecília; RAMINELLI, Ronald (org.). História das Américas: novas perspectivas. Rio de Janeiro: FGV, 2011. p. 135-159.

SÜSSEKIND, Flora. O Brasil não é longe daqui: o narrador, a viagem. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

TODOROV, Tzvetan. Nous et les autres: la réflexion française sur la diversité humaine. Paris: Seuil, 1989.

TOUSSAINT-SAMSON, Adèle. Uma parisiense no Brasil. Trad. Maria Lucia Machado. Rio de Janeiro: Editora Capivara, 2003 [1883].




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7976.2020.e64866

Direitos autorais 2020 Daniel Dutra Coelho Braga

Esboços: histórias em contextos globais - ISSN da versão impressa 1414-722x (cessou em 2008) e ISSN eletrônico 2175-7976 - Florianópolis - SC - Brasil