O futuro das utopias e das distopias em tempos presentistas

Autores

  • Julio Bentivoglio Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7976.2020.e73090

Palavras-chave:

Utopia, Distopia, Presentismo

Resumo

Neste texto procuro responder a algumas inquietações suscitadas pelo artigo de Patrícia Vieira sobre o lugar das utopias e das distopias no mundo contemporâneo. Sublinho a necessidade de se pensar estas categorias históricas a partir dos problemas da consciência histórica e da temporalidade na perspectiva de Reinhart Koselleck a fim de localizar conteúdos e sentidos emanados a partir daquelas representações temporais. Com Hayden White sugiro a utilidade de se avaliar os vínculos entre a imaginação histórica e a criação textual, a fim de conectar o sentido dos textos e as expectativas sociais. Por fim, mobilizo o conceito de presentismo e a ideia de fechamento do futuro para tentar compreender essa experiência temporal particular deste início do milênio com a expansão das distopias e a permanência de antigas e novas utopias.

Referências

ATWOOD, Margaret. MaddAddam. New York: Nan A. Talese/ Doubleday, 2013.

BACZKO, Bronislaw. A imaginação social. In: LEACH, Edmund et al. (ed.). Anthropos-homem. Lisboa: Casa da Moeda, 1985. p. 296-332.

BENTIVOGLIO, Julio et al. (org.). Distopia, literatura e história. Vitória: Milfontes, 2017.

BENTIVOGLIO, Julio et al. (org.). Distopia, literatura e história. v. 2. Vitória: Milfontes, 2018.

BENTIVOGLIO, Julio. História & distopia: a imaginação histórica no alvorecer do século 21. Vitória: Milfontes, 2017.

BOWEN, Deborah. Ecological endings and eschatology: Margaret Atwood’s postapocalyptic fiction. Christianity and Literature, Seattle, v. 66, n. 4, p. 691-705, 2017.

BRITO, Thiago Vieira de. Temporalidades distópicas ou distopias temporais? Um problema para os historiadores. In: BENTIVOGLIO, Julio et al. (org.). Distopia, literatura e história. Vitória: Milfontes, 2017. p. 11-32.

CHAKRABARTY, Dipesh. The climate of history: four theses. Critical Inquiry, Chicago, v. 35, p. 197-222, 2008.

CLAEYS, Gregory. Dystopia: a natural history: a study of modern despotism, its antecedents, and its literary diffractions. New York: Oxford University Press, 2017.

FEATHERSTONE, Mark. Planet utopia: utopia, dystopia and globalization. London: Routledge, 2017.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

FRYE, Northrop. Anatomia da crítica: quatro ensaios. São Paulo: Realizações Editora, 2014.

GORDIN, Michael; TILLEY, Helen; PRAKASH, Gyan. Introduction: utopia and dystopia beyond space and time. In: GORDIN, Michael; TILLEY, Helen; PRAKASH, Gyan (ed.). Utopia/dystopia: conditions of historical possibility. Princeton: Princeton University Press, 2010. p. 1-18.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Em 1926: vivendo no limite do tempo. Rio de Janeiro: Editora Record, 1999.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto; Ed. PUC-Rio, 2010.

HARTOG, François. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. São Paulo: Autêntica, 2014.

KERMODE, Frank. The sense of an ending: studies in the theory of fiction. Oxford: Oxford University Press, 2000.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Tradução de Wilma Patrícia Maas e Carlos Almeida Pereira. Revisão da tradução de César Benjamin. Rio de Janeiro: Contraponto; Editora PUCRio, 2006.

KUMAR, Krishan. Utopia’s shadow. In: VIEIRA, Fátima (ed). Dystopia(n) matters: on the page, on screen, on stage. Newcastle upon Tyne: Cambridge Scholars Publishing, 2013. p. 19-23.

MOYLAN, Tom. Scraps of the untainted sky: science fiction, utopia, dystopia. Boulder: Westview Press, 2000.

NEGRI, Antonio. Time for Revolution. New York: Continuum, 2003.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa: o tempo narrado. Campinas: Papirus, 2012.

VIEIRA, Patrícia. Realidade e ficção das sensibilidades e da imaginação distópica na crise do Antropoceno. Esboços, Florianópolis, v. 27, n. 46, p. 350-365, set./dez. 2020.

WHITE, Hayden. Meta-história: a imaginação histórica no século XIX. São Paulo: Edusp, 1995.

WHITE, Hayden. O texto histórico como artefato literário. In: WHITE, Hayden. Trópicos do discurso: ensaios sobre a crítica da cultura. São Paulo: Edusp, 1996. p. 95-105.

ŽIŽEK, Slavoj. Living in the end times. London and New York: Verso, 2010.

Downloads

Publicado

2021-01-15

Edição

Seção

Debate "Antropoceno, utopia e distopia"