O “progresso na consciência da liberdade”: Um aspecto ético da filosofia da história de Hegel

Konrad Christoph Utz

Resumo


A Filosofia da História de Hegel tem caraterísticas que, hoje em dia, parecem pouco aceitáveis. Ela propõe um fim final (Endzweck) da história e uma necessidade em seu desenvolvimento que é dialética racional. Embora essas concepções nem são tão absurdas como podem aparecer para o olhar contemporâneo, o artigo não pretende defender esses dois princípios, mas argumenta que há, atrás deles, um terceiro que vale bem a pena guardar – e que também pode ser sistematicamente resgatado sem apoiar-se nos outros dois. Este é o que podemos chamar o princípio da assimetria ética na história. Mas também podemos usar a fórmula do próprio Hegel que é o “progresso na consciência da liberdade”. Para desenvolver essa ideia, o artigo mostra que a marca fundamental de toda normatividade é o saber de se prático que, na moralidade e eticidade, torna-se reflexivo e auto-determinante. A liberdade no sentido de Hegel é a realização não apenas formal-abstrata deste saber de se – tal como ela é concebida por Kant –, mas sua efetivação concreta em espaço e tempo, na história. Mas como a liberdade, nessa concretização, permanece sempre ligada àquela auto-compreensão normativa que constitui nossa auto-consciência prática, os progressos na concretização histórica da liberdade são normativamente irreversíveis. Justamente nisso há um elemento de objetividade e incondicionalidade. No final seguem algumas indicações como este princípio da assimetria ética na história pode servir como base de uma nova teoria ética que é, ao mesmo tempo, normativa num sentido forte e sensitiva à historicidade, a circunstancialidade e a finitude da existência humana.


Palavras-chave


Hegel; Kant; Ética; História; Liberdade

Texto completo:

PDF/A

Referências


Frank, Manfred, Ansichten der Subjektivität, Frankfurt a.M. 2012.

Hegel, Georg Wilhelm Friedrich, Grundlinien der Philosophie des Rechts, Hamburg 1955.

______, Vorlesungen über die Geschichte der Philosophie, citato de: G.W.F. Hegel, Werke in 20 Bänden, vol. 12, Frankfurt a.M. 1970.

______, Vorlesungen über die Philosophie der Geschichte, citato de: G.W.F. Hegel, Werke in 20 Bänden, vol. 20, Frankfurt a.M. 1970.

______, Phänomenologie des Geistes, Hamburg 1988.

Kant, Immanuel, Idee zu einer allgemeinen Geschichte in weltbürgerlicher Absicht (1784), Hamburg 1920.

______, Grundlegung zur Metaphysik der Sitten, citado de: Kants gesammelte Schriften, Bd IV (1911), Berlim 1900ss.

Kritik der reinen Vernunft, , citado de: Kants gesammelte Schriften, Bd III (1904), Berlim 1900ss.

Smith, Adam, Wealth of Nations, ed. R.H. Campbell e A.S. Skinner, Glasgow 1976.

Spengler, Oswald, Der Untergang des Abendlandes, 2 vol., Düsseldorf 2007.

Toynbee, Arnold. J., A Study of History, 10 vol., London 1934-1954.




DOI: https://doi.org/10.5007/1677-2954.2015v14n1p82

 

 

 

 

 

ethic@. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1677-2954

Licença Creative Commons
This obra is licensed under a  Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional