Contratarianismo hobbesiano?

Mariana Kuhn de Oliveira

Resumo


Thomas Scanlon buscou desenvolver uma abordagem contratualista da moralidade partindo de argumentos fundados apenas em princípios que ninguém poderia razoavelmente rejeitar. Ele acreditava que a maior parte das teorias contratualistas era fundamentada apenas em acordos realizados por agentes autointeressados e queria apresentar uma versão diferente de contrato social. Ele decidiu, então, chamar contratualismo sua teoria e outras fundamentadas na razoabilidade e contratarianismo aquelas fundadas na racionalidade entendida como busca pelo autointeresse. Essa se tornou uma distinção usual e Hobbes tem sido classificado como contratarianista. A posição ocupada por Hobbes deveria, entretanto, ser examinada em detalhe. A compreensão de Hobbes da racionalidade é diferente do autointeresse. Além disso, ele liga a descoberta das leis de natureza, que comandam a reciprocidade, à razão. No entanto, o interesse na preservação da própria vida é um fim importante na teoria dele. O objetivo do presente artigo é mostrar que a teoria de Hobbes é mais interessante e complexa do que a definição do contratarianismo.


Palavras-chave


Hobbes; Razão; Contratarianismo

Texto completo:

PDF/A

Referências


BINMORE, K. G. Game Theory and the Social Contract, vol. 1: Playing Fair. Cambrige/Londres: The MIT Press, 1994.

CUDD, Ann. Contractarianism. In: ZALTA, Edward N. (ed). The Stanford Encyclopedia of Philosophy. 2013. Disponível em: . Acesso em: maio de 2015.

GAUTHIER, David. The Logic of Leviathan: The Moral and Political Theory of Thomas Hobbes. Oxford: Oxford University Press, 1969.

GERT, Bernard. Hobbes and Psychological Egoism, Journal of the History of Ideas, vol. 28, n. 4, 1967, pp. 503-520.

HOBBES, Thomas. Leviathan. Ed. Macpherson. Londres: Penguim Classics, 1651/1985.

LLOYD, S. A. Hobbes’s Reply to the Foole: A Deflationary Definitional Interpretation, Hobbes Studies, vol. XVIII, 2005, pp. 50-73.

MCNEILLY, F. S. Egoism in Hobbes, The Philosophical Quarterly, vol. 16, n. 64, 1966, pp. 193-206.

RAWLS, John. Lectures on the History of Political Philosophy. Ed. Samuel Freedman. Harvard University Press: Cambridge (MA), 2007.

____________. Political Liberalism. Nova Iorque: Columbia University Press, 1993, the revised paperback edition, 1996.

SCANLON. T. M. Contractualism and Utilitarianism. In: SEN, Amartya. WILLIAMS, Bernard (eds). Utilitarianism and Beyond. Cambridge: Cambridge University Press, 1982, pp. 103-128.

_______. What we owe to each other? Cambridge (MA) e Londres: Harvard University Press, 1998.

SEN, Amartya. Rational Fools: A Critique of the Behavioral Foundations of Economic, Philosophy & Public Affairs, vol. 6, n. 4, 1977, pp. 317-344.

_______. The Idea of Justice. Cambridge (MA): Harvard University Press, 2009.

SIBLEY, W. M. The Rational versus the Reasonable, The Philosophical Review, vol. 62, n. 4, 1953, pp. 554-560.

WATKINS, J. W. N. Hobbes’s System of Ideas: a study in the political significance of philosophical theories. Londres: Hutchinson University Library, 1965.




DOI: https://doi.org/10.5007/1677-2954.2016v15n3p509

 

 

 

 

 

ethic@. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1677-2954

Licença Creative Commons
This obra is licensed under a  Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional