Kant e a questão “por quê ser moral?”

Konrad Christoph Utz

Resumo


A questão “por quê ser moral”, que foi formulada expressamente no contexto do debate filosófico acadêmico por Francis Herbert Bradley, divide os leitores quando buscam sua resposta em Kant. Uns acham, como Gerold Prauss, que Kant negue a possibilidade de tal resposta e diga que a moral precisa ser aceita como um fato simplesmente dado, o “fato da razão”. Contudo, como tal imediatismo ou “decisionismo transcendental” parece insatisfatório, um outro grupo defende a assim chamada “interpretação do agente racional”, onde este último apresenta o valor supremo, absoluto, que fundamenta a moral e, com isso, apresenta a razão em virtude da qual devemos agir moralmente. Mas tal valor absoluto ou já é moral, mas então a resposta dada à questão “por quê ser moral” entra num círculo vicioso. Ou tal valor faz a moral depender de algo fora da moral o que, conforme Kant, destruiria toda moral. A solução do problema é a seguinte: Kant não deriva a moral de um pressuposto extramoral nem pressupõe a própria moral como simplesmente dada, mas explica o originar da moral. Ela origina da razão prática pela volta dessa razão sobre si mesma que constitui sua autonomia. Por este seu originar, a moral não é uma mera derivação de algo pressuposto, mas algo radicalmente novo, original, autónomo. Pelo outro lado, existe, sim, uma fundamentação da moral, i.e., um processo compreensível de sua constituição. Com isso, Kant evita o imediatismo: a moral não precisa ser simplesmente aceita como um fato puro, mas pode ser compreendida pela razão.


Palavras-chave


Kant; Fundamentação da moral; “Por quê ser moral?”; Autonomia

Texto completo:

PDF/A

Referências


BAYERTZ, K., Warum überhaupt moralisch sein? München 2006.

GEWIRTH, A., Reason and Morality, Chicago, 1978.

GUYER, P. Kant on Freedom, Law, and Happiness. Cambridge, New York, 2000.

HERMAN, B. The Practice of Moral Judgment. Cambridge (Mass.), 1993.

HILL, TH. JR. Dignity and Practical Reason in Kant’s Moral Theory. Ithaca, 1992.

KANT, I., Gesammelte Schriften: Akademieausgabe (AA). Org.: vol. 1-22 Preussische Akademie der Wissenschaften; vol. 23 Deutsche Akademie der Wissenschaften zu Berlin; desde vol. 24 Akademie der Wissenschaften zu Göttingen. Berlin, 1900ss.

KORSGAARD, CH.M. Creating the Kingdom of Ends. Cambridge, New York, 1996.

O’NEILL, O. Acting on Principle: An Essay in Kantian Ethics. New York, 1975.

PRAUSS, G. Kant über Freiheit als Autonomie. Frankfurt a.M., 1983.

UTZ, K., A liberdade em Kant. Em: K. UTZ, A. BAVARESCO, P. KONZEN (Org.), Sujeito e liberdade: Investigações a partir do Idealismo alemão. Porto Alegre, p. 44-58, 2012.

---, Praktische Vernunft in der „Grundlegung zur Metaphysik der Sitten“. Em: Zeitschrift für philosophische Forschung 69/4, p. 474-501, 2015.

---, Quid mihi? Zur Methode der Grundlegung der Ethik bei Kant. Em: Deutsche Zeitschrift für Philosophie 64/2, p. 213-227, 2016.




DOI: https://doi.org/10.5007/1677-2954.2018v17n1p81

 

 

 

 

 

ethic@. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1677-2954

Licença Creative Commons
This obra is licensed under a  Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional