Pressupostos metaéticos do anarquismo filosófico

Andrea Luisa Bucchile Faggion

Resumo


Como uma tese positiva, o anarquismo filosófico alega que a autoridade política é inconsistente com a racionalidade prática, na medida em que a melhor análise mostra que diretivas emitidas por autoridades são razões independentes de conteúdo. O objetivo deste artigo é esclarecer os pressupostos metaéticos por trás dessa alegação. Uma vez que anarquistas filosóficos rejeitam como irracional a possibilidade de que um agente possa seguir razões independentes de conteúdo emitidas por outro agente, enfatizando a responsabilidade dos agentes de avaliarem o conteúdo de toda diretiva antes de agirem em conformidade com ela, podemos ver facilmente que anarquistas filosóficos precisam ser cognitivistas em metaética. No mínimo, se não houvesse respostas certas ou erradas para questões como “o que se tem razão para fazer nestas circunstâncias?”, respostas como “deve-se seguir as diretivas da autoridade” seriam tão boas quanto quaisquer outras. Contudo, o anarquismo filosófico requer muito mais do que cognitivismo metaético; na verdade, ele requer um tipo muito específico (e ambicioso) de 


Palavras-chave


Anarquismo; Metaética; Cognitivismo; Pluralismo

Texto completo:

PDF/A

Referências


DWORKIN, Ronald. Justice for Hedgehogs. Cambridge, MA: Harvard University Press, 2011.

HART, H. L. A. Essays on Bentham: Studies in jurisprudence and political theory. Oxford: Clarendon Press, 1982.

HART, H. L. A. The Concept of Law. 2. ed. Oxford: Oxford University Press, 1994.

HOBBES, Thomas. On the Citizen. Tradução de Richard Tuck, Michael Silverthorne. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

HORTON, John. Political Obligation. Houndmills; Basingstoke; Hampshire; London: The MacMillan Press, 1992.

NAGEL, Thomas. The Fragmentation of Value. In: Mortal Questions. Cambridge: Cambridge University Press, 1979. p. 128-141.

NOZICK, Robert. Anarchy, State, and Utopia. Oxford, UK; Cambridge, USA: Blackwell, 1974.

RAWLS, John. Political Liberalism: Expanded edition. New York: Columbia University Press, 2005.

RAZ, Joseph. Engaging Reason: On the theory of value and action. Oxford: Oxford University Press, 1999.

RAZ, Joseph. The Morality of Freedom. Oxford: Clarendon Press, 1986.

SIMMONS, A. J. Philosophical Anarchism. SSRN. S. l.: s. n.: 2009. Disponível em https://ssrn.com/abstract=1344425. Acesso em: 17 setembro 2019.

WALDRON, Jeremy. Law and Disagreement. Oxford: Clarendon Press, 1999.

WOLFF, Robert Paul. In Defense of Anarchism. 2. ed. Berkeley; Los Angeles; London: University of California Press, 1998.

THOREAU, Henry David. Walden. S. l.: Enhanced Media, 2017.




DOI: https://doi.org/10.5007/1677-2954.2020v19n1p33

 

 

 

 

 

ethic@. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1677-2954

Licença Creative Commons
This obra is licensed under a  Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional